Home»Destinos Internacionais»Um bate-volta a Gruyères

Um bate-volta a Gruyères

0
Shares
PinterestGoogle+

Estávamos hospedados em Montreux e resolvemos fazer um bate-volta a Gruyères, cidade medieval conhecida pelo famoso queijo. Nesse post pretendo contar pra vocês o que fazer em Gruyères, como chegar e compartilhar outras informações úteis.

Como estávamos com o Swiss Pass, fomos de trem. Sugiro que se for fazer do transporte público seu principal meio de transporte no país, baixe no celular o programa da SBB Mobile, a fim de facilitar sua vida: ao inserir a origem e destino no app, ele já informa todas as opções de transporte para o dia selecionado, horários e plataformas que você deve ir. É extremamente prático e eficiente!

O trem possui vista panorâmica, é absurdamente pontual e bastante confortável
O trem possui vista panorâmica, é absurdamente pontual e bastante confortável

A viagem de trem partindo de Montreux dura pouco mais de 1h e é simplesmente incrível! A vista dos Alpes, a floresta, as casinhas encantadoras… um cenário digno de filme. 🙂

A caminho de Gruyères
A caminho de Gruyères

Chegando em Gruyères, sugiro que visite logo o Maison du Gruyères, pois fica bem em frente à estação. Lá você poderá conhecer a história do queijo, onde é produzido, o processo de produção e claro, poderá prová-lo. Caso possua o Swiss Pass, não precisará pagar entrada, e ainda ganha um pacote com três tipos de queijo diferentes pra degustar. E já posso adiantar: são maravilhosos! 🙂

Maison du Gruyères
Maison du Gruyères
Maison du Gruyères
Maison du Gruyères
Degustação de queijos na Maison du Gruyères
Degustação de queijos na Maison du Gruyères
Esse mico a gente paga à vista ou parcelado? kkk
Esse mico a gente paga à vista ou parcelado? kkk

Após o passeio, se o tempo estiver bom e você estiver disposto, poderá caminhar até a Vila de Gruyères. Apesar da curta distância de 1km, é uma subida relativamente íngreme e se estiver chovendo ou nevando, pode não ser tão agradável. Nesse caso, sugiro que pegue o ônibus que parte da estação Gruyères de trem, com destino à vila (essa foi minha opção).

Ao chegar na Vila de Gruyères caminhe um pouco pra se situar e tirar fotos, pois são lugares encantadores e extremamente fotogênicos. A beleza natural, a arquitetura do local, as fontes, as flores… parece cidade de conto de fadas. Vale lembrar que eu fui no final de dezembro, então peguei neve e paisagens branquinhas, contrastando com as cores que prevalecem na primavera.

Um bate-volta a Gruyères
Um bate-volta a Gruyères
Vila de Gruyères
Vila de Gruyères
Vila de Gruyères
Vila de Gruyères
Vila de Gruyères
Vila de Gruyères
Vila de Gruyères
Vila de Gruyères

Sugiro que vá até o Castelo de Gruyères, localizado no topo de uma colina e com visão estratégica da cidade. O local abriga coleções, lendas e tesouros que datam do século XIII. Além de interessante a visita em si, por ser um local de grande importância histórica na região, o lugar proporciona vistas lindas das paisagens alpinas das redondezas. OBS: Atração grátis com o Swiss Pass.

Castelo de Gruyères
Castelo de Gruyères
As muitas vistas do Castelo de Gruyères
As muitas vistas do Castelo de Gruyères
As muitas vistas do Castelo de Gruyères
As muitas vistas do Castelo de Gruyères
As muitas vistas do Castelo de Gruyères
As muitas vistas do Castelo de Gruyères

Após perambular pelo Castelo, sugiro que conheça o Museu H. R. Giger, famoso artista plástico suíço, responsável por criar cenários monstruosos, tendo participado do filme Alien, que rendeu o Oscar de Melhores efeitos visuais. O artista cria obras que apesar de super criativas podem ser chocantes, tendo como foco o surrealismo. O museu é repleto de artigos de decoração, fotografias e móveis curiosos do designer. Particularmente, não acho uma atração indicada pra crianças, por terem muitas obras de cunho fortemente erótico. OBS: Atração grátis com o Swiss Pass. Não é permitido tirar foto.

Museu H. R. Giger: Não é permitido tirar foto
Museu H. R. Giger: Não é permitido tirar foto

Ao sair do Museu você provavelmente já estará com fome, e a melhor pedida é comer fondue, claro, afinal você estará na terra do queijo gruyères! 🙂

Lembrando que ao fazer sua reserva de hotel por esse link você não paga nada a mais por isso e ainda ajuda o blog a se manter vivo! 

Após o passeio dos museus, além de com fome, estávamos com frio, mais um motivo pra procurar um bom lugar quentinho pra ficar. Escolhemos o Hotel Saint Georges, cujo restaurante além de confortável, possui vista panorâmica, ótimo atendimento e preço na média (fondue 23CHF por pessoa). Quando estávamos comendo, começou a nevar… foi muito especial e bonito de ver 🙂

Onde comer fondue em Gruyères
Onde comer fondue em Gruyères
Onde comer fondue em Gruyères: Hotel Saint Georges
Onde comer fondue em Gruyères: Hotel Saint Georges
A lateral do restaurante é toda de vidro, assim como o teto
A lateral do restaurante é toda de vidro, assim como o teto

Após curtir com calma um almoço maravilhoso, descemos pra estação de trem a pé, o que dá uns 15 minutos de caminhada. Como já tinha parado de nevar e era uma descida, optamos por não pegar ônibus. Sugiro que tome cuidado caso esteja com um calçado inadequado, pois o caminho pode ser escorregadio.

Gruyères
Gruyères

Caso tenha interesse, poderá visitar também o Museu Tibet, que fica bem pertinho do Museu H. R. Giger. Ideal pra quem aprecia ou tem curiosidade em conhecer mais da arte sagrada budista, o acervo apresenta mais de 300 obras de arte do Himalaia que datam do século VI ao século XVIII.

Adoramos Gruyères e achamos a cidade encantadora! O passeio começa no instante em que entramos no trem até chegar à cidade, e, pra melhorar mais ainda, você pode se programar pra pegar o trem Goldenpass Classic (Belle Époque), que faz conexão em Montbovon. As vistas serão as mesmas, mas o trem em si é mais bonito. Como não estávamos com os horários engessados, não pegamos. Caso coincida com os seus, pegue-o, pois você não pagará nada a mais por isso caso possua o Swiss Pass.

Agradecimentos à querida Eliana, do Instagram @turistandonasuica, que me ajudou na elaboração do roteiro.

CONTINUE LENDO:

Post anterior

Coisa de Carioca promove Baile do Zen toda quinta-feira

Next post

Bate-volta a Liechtenstein - Vaduz

Sem comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.