Home»Onde comer»Como é o Restaurante Le Blond, comandado por Claude Troigros

Como é o Restaurante Le Blond, comandado por Claude Troigros

1
Shares
PinterestGoogle+

Um dos meus restaurantes preferidos do Rio, o CT Boucherie, está ganhando cada vez mais “irmãos” na cidade. Isso porque, com a forte expansão do Grupo Troigros, liderado pelo chef francês Claude Troigros, surgiu em 2018 mais dois estabelecimentos em solos cariocas: o Le Blond e o Chez Claude.

Fomos recentemente conhecer o Le Blond, nome que faz alusão ao bairro onde está localizado. Sem serviço de manobrista e bem em frente a uma parada de ônibus, o local foi projetado para o cliente que chega a pé, em maioria moradores dos bairros vizinhos. Com um quê de brasserie descontraída, cardápio enxuto e informalidade, o Rio ganha mais uma ótima opção para os dias que queremos ficar longe das panelas.

Fomos num almoço de domingo e enfrentamos aproximadamente 40 minutos de fila de espera. O ambiente é relativamente pequeno e o serviço bem agradável, o que acredito que faz com que aumente o tempo de permanência dos clientes. Segundo o garçom que nos atendeu, “hoje tá tranquilo” – disse ele. As noites de quinta, sexta e sábado costumam ser bem mais cheias e com filas mais demoradas.

Lembrei de imediato de quando fui jantar em plena quinta-feira chuvosa no Chez Claude e a fila era de aproximadamente 2h. Nem preciso dizer que desisti. Apenas entrei pra conhecer o espaço, que me pareceu bem convidativo e curioso, mas não estava disposta a esperar todo esse tempo naquele dia.

Logo que sentamos nos serviram biscoito de polvilho apimentado, servido ainda morno. Simples e delicioso. Enquanto beliscávamos, fizemos nossos pedidos: pão da casa com manteiga  (R$12), salada de folhas com queijo de cabra e mel (R$36), e de principais penne de paleta de cordeiro e farofa panko (R$62) e steak com fritas, salada e molho béarnaise (R$62).

Apesar de enxuto, há opções bastante interessantes e curiosas no cardápio, que mistura ingredientes brasileiros com franceses. Há, por exemplo, uma moqueca de peixe à francesa servida sem dendê, mas há também o clássico steak tartare.

A salada, muito bem servida, veio com duas maravilhosas torradinhas com queijo de cabra. O molho da salada estava ótimo e combinou muito com o queijo e mel. Já os principais, embora eu tenha pedido o penne e meu marido o steak, acabamos trocando e comendo um pouco de cada. 🙂

Salada de folhas com queijo de cabra e mel do Le Blond
Salada de folhas com queijo de cabra e mel do Le Blond

O cordeiro, servido numa panelinha de ferro quente, estava extremamente suculento e com um molho de comer rezando.

A batata que acompanhava o steak estava como manda a perfeição: quente, fininha e bem sequinha. Carne macia, no ponto e em boa quantidade. Acho que a única coisa que poderia ser melhor, dentre tudo que comi, seria o molho béarnaise, que achei que estava um pouco sem graça.

Penne de paleta de cordeiro e farofa panko do Le Blond
Penne de paleta de cordeiro e farofa panko do Le Blond
Steak com fritas, salada e molho béarnaise do Le Blond
Steak com fritas, salada e molho béarnaise do Le Blond

A decoração do ambiente é bem legal. Algumas dúzias de itens de alumínio decoram o espaço, como panelas, utensílios e outras coisas do tipo ficam devidamente penduradas no teto, e nas paredes alguns quadrinhos franceses, fotos do chef e muito espelho.

Como já dito, o espaço é pequeno e talvez não seja o lugar ideal pra um jantar romântico, devido a proximidade com as mesas do lado. Acho que a proposta é exatamente ser o que é: um ambiente mais informal, mas com o charme de uma brasserie.

Ambiente do Le Blond
Ambiente do Le Blond
Le Blond
Le Blond

O bacana pra quem quer conhecer o restaurante sem gastar tanto é que durante a semana, no almoço, é servido um menu executivo por R$58, podendo escolher uma entrada do dia e um prato principal do dia.

De sobremesa pedimos uma mousse ao chocolate na colher (R$28), sendo duas colheradas bem generosas do doce. A mousse estava perfeita, bastante aerada, levemente amarga e saborosa, e suficiente pra duas pessoas.

Mousse ao chocolate na colher
Mousse ao chocolate na colher

O interessante do cardápio é que servem pratos vegetarianos, de forma até bastante variada, o que acaba sendo mais uma opção para os não-amantes de carne.

Onde comer comida vegetariana no Rio
Onde comer comida vegetariana no Rio

O restaurante – como a maioria do bairro – trabalha com gorjeta de 13%, o que particularmente sempre serei contra, haja vista que não estamos falando de um restaurante barato. Mas, como todo mundo sabe, trata-se de um pagamento opcional. Acabei pagando porque o serviço foi ótimo, mas acho que os restaurantes  – e incluo todos aqui – não deveriam abusar.

Pratos principais no Le Blond
Pratos principais no Le Blond
Quanto gastar no Le Blond
Quanto gastar no Le Blond

Fui embora feliz da vida caminhar na orla do Leblon, satisfeita com a experiência e com vontade de conhecer mais estabelecimentos do grupo. 🙂

Mais informações sobre o Le Blond:

Endereço: Rua Ataufo de Paiva, 1321, Leblon

Funcionamento: Terça à sexta, de 12h às 16h e 18:30h às 00h. Sábado de 12h às 00h. Domingo 12h às 18h. Fecha às segundas.

Reservas: Não

CONTINUE LENDO:

Post anterior

Comida vegana no Rio, arte e música num só lugar

Next post

Parque das Ruínas, em Santa Teresa

Sem comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.