Home»Destinos Internacionais»Itália»Milão»O que fazer em Milão em 2 dias: Roteiro do dia 2

O que fazer em Milão em 2 dias: Roteiro do dia 2

0
Shares
PinterestGoogle+

Depois de tomar aquele café da manhã reforçado no hotel, começamos a batalha do segundo dia.

Primeira parada: Duomo, uma das estrelas da cidade. Essa enorme catedral gótica está situada no coração da cidade e tem capacidade para mais de 40 mil pessoas em seu interior. A título de curiosidade, sua construção começou em 1386 e impressiona pela suntuosidade, sendo considerada uma das maiores catedrais góticas do mundo.

Seu interior está repleto de gigantes colunas de mármore, pinturas e esculturas. Particularmente, a escultura que mais me chamou atenção foi a de São Bartolomeu, em que aparece carregando sua própria pele sobre os ombros, fazendo alusão ao martírio que sofreu.

Curiosidade: No subterrâneo da Igreja está a cripta de São Carlos, onde conservam seus restos.

Porta do Duomo
Porta do Duomo
Detalhes do Duomo
Detalhes do Duomo
Duomo de Milão
Duomo de Milão
Órgão do Duomo de Milão
Órgão do Duomo de Milão
Cripta de São Carlos
Cripta de São Carlos
Mais detalhes da porta do Duomo
Mais detalhes da porta do Duomo
Duomo de Milão
Duomo de Milão

A entrada na Catedral é gratuita, porém se você quiser tirar foto é necessário pagar 2,00€ e pegar uma pulseirinha amarela, que deverá ficar no seu pulso durante toda a permanência na igreja. Falando sério: Se você realmente quer tirar foto, pague os 2,00€ e seja feliz! Vi tanta gente tirando foto sem a tal pulseira… e sei lá, se existe uma regra galera, vamos cumpri-la, né? 🙂

Pulseirinha que recebe ao pagar para tirar foto
Pulseirinha que recebe ao pagar para tirar foto

É possível também subir para admirar Milão do alto do Duomo, e eu aconselho que vá cedo pra não pegar tanta fila. Preço/elevador: 12,00€. Preço/escada: 7,00€. Eu não cheguei a subir, desisti por causa da lentidão da fila.

E enquanto esperava na fila...
E enquanto esperava na fila…
O que fazer em Milão
O que fazer em Milão

O próximo ponto foi a Galleria Vittorio Emanuelle, que fica bem ao lado do Duomo. Essa bela galeria, construída em 1865, foi um dos primeiros centros comerciais de luxo do mundo. Nela se podem encontrar bons restaurantes e as lojas mais luxuosas do mundo da moda (Gucci, Prada, Louis Vuitton, etc). O seu teto é de vidro e as paredes de mármore. Sem dúvidas uma das mais bonitas que já vi.

Ir em Milão e não ir nessa Galleria é inconcebível, pois Milão respira moda e nesse local você pode ver isso realmente. Por incrível que pareça, lá também tem uns “achados” bem interessantes, como gravatas 100% seda por um ótimo preço. Se estiver querendo presentear o maridão, é uma boa ideia. 🙂

Galleria Vittorio Emanuelle
Galleria Vittorio Emanuelle
Galleria Vittorio Emanuelle
Galleria Vittorio Emanuelle
Galleria Vittorio Emanuelle
Galleria Vittorio Emanuelle
Não entendeu essa foto aí? Calma, você já vai entender.
Não entendeu essa foto aí? Calma, você já vai entender.
Lendas de Milão
Lendas de Milão

Pra quem quer saber que foto de retardada é essa aí de cima eu posso explicar:  Reza a lenda que se você girar o calcanhar direito três vezes nas genitais do touro, é sinônimo de sorte! Então vamos lá!! 🙂

Gire 3 vezes o calcanhar direito e boa sorte!
Gire 3 vezes o calcanhar direito e boa sorte!

A fome estava batendo e nesse dia eu resolvi enfiar o pé totalmente na jaca. Não fui almoçar comida e sim o famoso panzerotti do Luini, uma casa especializada em fazer as pessoas saírem da dieta desde 1888. No local vendem panzerotti (uma espécie de calzone) e outras guloseimas com diversos recheios: queijo, presunto italiano, tomate seco, etc. Difícil é escolher só um!

Não se assuste com a fila que se forma no local, pois até que anda rápido. E se estiver pretendendo comer sentadinho, esqueça, a casa funciona no esquema pagou, levou. Eu comi ali pela frente mesmo, sem qualquer conforto, mas valeu a pena porque adorei o tal panzerotti!

E já que eu estava jacando, tem uma gelateria bem em frente ao Luini que a fila enroooola de tanta gente (Cioccolati Italiani), apesar de demorar bastante pra ser atendida, fiquei por lá. No final achei que não valeu a pena, pois não era tão bom: meu gelato além de não ser tão gostoso não estava na temperatura ideal.

Fila no Luini
Fila no Luini
Opções do Luini
Opções do Luini
Cioccolati Italiani
Muvuca na Cioccolati Italiani

Depois de jacar, segui para deixar meus sogros no ponto do táxi, pois estavam cansados. De lá fui passar pela frente do Teatro alla Scalla, um dos teatros de ópera mais famosos do mundo. Eu estava curiosa para vê-lo por se tratar da inspiração para o Teatro da Paz, em Belém do Pará. E realmente a semelhança é gigantesca! (apesar de achar o de Belém mais bonito por fora). Bem em frente ao Teatro tem um monumento a Leonardo da Vinci, mas quando fui estava sendo restaurado. Curiosidade: Em 1870 o compositor Carlos Gomes estreou o ópera O Guarani neste teatro.

Teatro alla Scalla
Teatro alla Scalla
Monumento a Leonardo da Vinci
Eu nem queria ver o monumento mesmo…

Já estava na hora de encontrar a prima do meu marido e fomos atrás dela. Passeamos de bondinho (por que eles são tão lindos?) e seguimos até a Pinacoteca Ambrosiana, um importante museu da cidade. Nele você poderá ver obras de artistas como Leonardo da Vinci, Botticelli, Bramantino, Tiziano e Caravaggio. Recomendo fortemente a visita! Infelizmente quando eu cheguei não podia mais entrar por causa do horário, então tive que me contentar só com o pátio do museu. Endereço: Piazza Pio XI, 2. Preço: 15,00€.

Bonde de Milão
Fotinho dentro do bonde, como um bom turista
Pinacoteca Ambrosiana
Pinacoteca Ambrosiana

De lá seguimos para caminhar no bairro de Brera, e de cara caí de amores! Quantas ruelas lindas, românticas, sem tumulto… simplesmente adorei! Nos anos 50 esse bairro era povoado pelos artistas e prostitutas, e atualmente se converteu em um dos metros quadrados mais caros da cidade, repleto de restaurantes, bares e lojinhas. Ah, mas o que mais me encantou não foi isso não, foram as ruas estreitas e as janelinhas das casas cheia de flores. 🙂

Brera
Brera
Brera
Simpático garçom! rs
Para os mais românticos...
Para os mais românticos…
Não é fofo?
Não é fofo?
Brenda querida
Brenda querida
Via Monte Napoleone
Via Monte Napoleone e uma das sedes da Armani em Milão. Reza a lenda que quando Giorgio Armani quer trabalhar, ele trabalha daí.

Depois de caminhar um bocadão pelo bairro de Brera, chegava a hora de tomar um aperitivo milanês. E nada melhor que aproveitar pra conhecer Naviglio, né?  Pegamos o metrô e rumamos para Naviglio, onde encontramos um outro primo do meu marido, que apesar de ter nascido no Brasil, se mudou pra Itália ainda criança e fala português com sotaque italiano (Felipe, se você estiver lendo isso, saiba que eu acho lindo, confesso).

Encontramos também um amigo deles italiano, que conseguíamos conversar um pouco se falássemos beeeem devagar. Rumamos para um dos bares/restaurantes do Naviglio para tomar um aperitivo, para os brasileiros mais conhecido como happy hour. Funciona de forma muito semelhante com o Brasil: numa determinada faixa de horário o valor é fixo e você pode comer à vontade, somente a bebida que é controlada, sendo uma para escolher.

Naviglio
Aperitivo milanês em Naviglio
:)
🙂
Naviglio
Pós-trabalho a galera costuma ir pra Naviglio para encontrar os amigos, comer e beber.
Naviglio Grande
Naviglio Grande

Navigli foi o principal porto fluvial da Itália no final do século XIX, quando no ano de 1300, o mármore para construir o Duomo navegava sobre ele. Não deixe de percorrer a região entre Naviglio Grande e Naviglio Pavese, onde tem grande concentração de bar e vida noturna. Por lá também têm várias discos, mas não sei discorrer sobre nenhuma porque não fui. Como chegar: Metrô linha 2 (verde) – Estação Porta Genova.

Gostei muito de Milão e achei dois dias suficientes pra percorrer a cidade sem pressa. E uma das coisas que mais me chamou atenção foi como o cenário da moda e do design respira nessa cidade: homens e mulheres extremamente fashions, lojas de móveis bonitas e modernas, e às vezes parecia que eu estava num desfile de moda.

Milão não é uma cidade limpa, nem cheia de pessoas simpáticas, talvez o fato de eu estar com pessoas que falavam italiano  ajudou. Uma das coisas que me chamou atenção em Milão foi o fato de muita gente não falar inglês (mas sou brasileira, e no Brasil também não falam, então tudo bem).

Galleria Vittorio Emanuelle
Galleria Vittorio Emanuelle ao fundo

Recomendo atenção redobrada em ambientes muito movimentados, como a Estação Central de trem. Vigiem seus pertences e verifiquem quanto receberam de troco. Não que eu queira assustar, mas deram troco errado pro meu sogro numa cafeteria da Estação Central – por sorte ele percebeu e reclamou na hora (em português mesmo!). Então, não descuidem pensando que porque estão na Europa estão no paraíso, porque não é bem assim.

E como se locomover em Milão? A melhor opção que encontrei foi comprar o abono de transporte público de 48h ilimitado. Paguei 8,25€ pelo bilhete e pude utilizá-lo tanto no metrô como no bondinho. É super fácil se locomover na cidade, pois sempre tem metrô próximo aos pontos turísticos.

E vocês? Já foram a Milão?

Um beijo!

Se você gostou desse post faça sua reserva de hotel pelo meu link do booking: você paga em reais, foge do IOF, não paga nada a mais por isso e ainda ajuda o blog a se manter vivo. :)

Tá planejando uma viagem para a Europa? Não esqueça que o seguro viagem lá é obrigatório. Compre seu seguro com a Seguros Promo e tenha 5% de desconto com o cupom RAFAPELOMUNDO5 no banner abaixo:

43.jpeg

CONTINUE LENDO:

Post anterior

O que fazer em Milão em 2 dias: Roteiro do dia 1

Next post

Onde ficar em Milão sem gastar uma fortuna

Sem comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.