Home»Destinos Nacionais»Alagoas»Piranhas»Passeio de barco nos Cânions do São Francisco

Passeio de barco nos Cânions do São Francisco

0
Shares
PinterestGoogle+

No último feriado de carnaval resolvemos fugir da folia e conhecer um lugar que já era um desejo antigo: os Cânions do São Francisco!

Chegamos por Aracaju, alugamos um carro na Localiza e rumamos para Piranhas, cidadezinha localizada no Estado do Alagoas a 219 km da capital sergipana.

A cidadezinha é uma ótima base para quem pretende conhecer os Cânions de forma mais tranquila, indo na contramão dos bate-voltas que partem diariamente de Aracaju, que tornam o passeio bem mais puxado e cansativo, impedindo de certa forma que o visitante consiga aproveitar da melhor maneira.

Cânions São Francisco
Cânions do São Francisco

Como era um feriadão e alta temporada na região, confesso que fiquei um pouco preocupada de ter que fazer um passeio em embarcação super lotada e sem nenhum conforto. Foi quando, pesquisando, conheci a Agência O Pioneiro, com quem tratei com a Edilene desde o início pelo WhatsApp sobre as opções disponíveis, que me respondia de maneira rápida e muito educada.

Pra quem pensa em visitar os Cânions há três opções de acesso: via Olho D’Agua do Casado – AL, Delmiro Gouveia – AL e Canindé do São Francisco – SE.

O Rio São Francisco, com seus 2.624 km de extensão, separa os Estados da Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe e nasce na Serra da Canastra, em Minas Gerais, sendo considerado, portanto, o maior rio 100% brasileiro, ficando nos limites do nosso território.

O passeio mais popular, mais barato e mais conhecido é o de Catamarã, que tem como ponto de apoio o Restaurante Karrancas, em Canindé. Exatamente por ser o mais popular e por estarmos num feriadão, não escolhi esse passeio nem vou falar dele aqui.

Passeio de Catamarã nos Cânions
Catamarã – Cânions do Xingó

Como minha ideia era exatamente fugir da muvuca das grandes embarcações, contratei o passeio de dia inteiro para os Cânions numa voadeira, mas a agência também oferecia o passeio no catamarã que falei no parágrafo anterior e em lancha. A diferença entre elas são basicamente três:

1) Tamanho da embarcação, sendo o catamarã bem maior;

2) Preço, sendo o catamarã o mais barato (R$110), seguido da voadeira (R$150) e lancha (R$200);

3) Capacidade à bordo, sendo a capacidade do catamarã de até 80 pessoas, voadeira 13 e lancha 8.

Como eu estava viajando num grupo de 4 pessoas e queríamos algo mais exclusivo, optamos pela voadeira, que apesar de pequena é bem rápida, parcialmente coberta, e possui assentos acolchoados, além de equipamentos de segurança.

Voadeira nos Cânions
Passeio de voadeira nos Cânions

Agendamos o passeio com três dias de antecedência, com saída às 10h da manhã de uma segunda-feira, com ponto de embarque no município de Olho D’Agua do Casado – AL, especialmente na Praia da Dulce, a 21 km de Piranhas. Para chegar na Prainha da Dulce, entre na cidade e siga a sinalização, são cerca de 5 km de estrada de terra. Chegando lá, há um estacionamento no local, onde é necessário pagar R$5 pelo dia todo.

Praia da Dulce
Praia da Dulce
Praia da Dulce
Bar da Praia da Dulce

Logo que chegamos nos dirigimos para o pequeno quiosque da MFtur que fica na parte baixa da escadaria, onde pudemos pagar os passeios e obter mais informações. Além disso, há também um pequeno bar onde pudemos levar um isopor sob consignação para o passeio, com bebidas que pagamos somente o que consumirmos ao retornar (água mineral, refrigerante, cerveja em lata).

Fomos acompanhados do guia Luciano, que esteve conosco durante todo o passeio e se mostrou muito profissional e simpático. Para nossa sorte, acabou indo apenas meu grupo na embarcação, o que tornou o passeio bem mais confortável, agradável e personalizado. 🙂

Passeio exclusivo nos Cânions
Nosso grupo com o guia e piloto Luciano

À medida que o barco se distanciava, o guia ia nos contando histórias sobre a região, curiosidades e respondendo meus questionamentos.

A primeira parada se deu no lugar onde anualmente é celebrada uma missa sobre as águas do São Francisco, tendo sido erguido ali um pequeno altar com a imagem do Santo por um engenheiro da Chesf, que fez uma promessa caso desse tudo certo com a barragem. Confesso que foi bem incrível imaginar a cena de um padre ali naquela área pequena, rodeado de barcos assistindo à missa.

Imagem de São Francisco
Gruta com imagem de São Francisco nos Cânions
Cânions Xingó
O lugar é muito fotogênico!
Rochas Cânions
Paisagens no meio do caminho

De lá seguimos cada vez mais impressionados com a cor da água, que mais parecia um espelho verde rodeado por paredões rochosos. Fomos então finalmente ser batizados pelas água do Velho Chico, que tem uma aura mística, misteriosa e mágica. Paramos num local com estrutura física de apoio para atracar as embarcações e recepcionar os turistas, onde o rio é cercado e telado, delimitando o espaço onde os visitantes podem tomar banho e sem que se preocupem muito com peixes e afins, por ter rede de proteção.

Cânions São Francisco
Rio São Francisco
Nordeste brasileiro
A cor da água do Rio São Francisco
Rio São Francisco
Rio São Francisco
Área permitida para banho no Rio São Francisco
Área de banho no Rio São Francisco
Apoio Passeio Cânions
Área para quem não sabe nadar
Passeio dos Cânions
Infraestrutura de apoio no passeio dos Cânions

O local conta com espaguetes e coletes de flutuação para os visitantes e se você não der o azar de chegar junto com algum catamarã acaba sendo muito tranquilo. Ficamos ali pelo menos 1 hora inteira, nadando, conversando e se deliciando num banho de rio inesquecível. Aproveite pra comprar a cocada que é vendida ali, super gostosa! 🙂

Como estávamos num barco exclusivo, nós mesmo que fazíamos nosso horário, tendo o piloto à nossa disposição. Assim que cansávamos de um lugar, seguíamos rumo a outro. 🙂

Foi quando seguimos de canoa pra outro ponto de interesse: Gruta do Talhado. O passeio de canoa tem o custo de R$10 extra, pago apenas em dinheiro diretamente no local. Esse passeio é opcional mas vale muito a pena de ser feito, apesar de super rápido (máximo 10 minutos). Como é uma embarcação menor, a canoa entra nas grutas em área que não seria possível com outro barco maior.

Gruta do Talhado
Passeio para a Gruta do Talhado
 Gruta do Talhado
Passeio de canoa para a Gruta do Talhado
Passeio de canoa para a Gruta do Talhado
Passeio de canoa para a Gruta do Talhado
Gruta do Talhado
A cor da água é impressionante!

Confesso que fiquei até triste por ter sido tão rápido, mas pelo menos rendeu boas fotos e bons momentos na memória. A beleza do lugar é algo surreal! 🙂

De lá retornamos para nossa voadeira, para onde partimos rumo ao Restaurante Show da Natureza, um dos poucos restaurantes da região com vista privilegiada para os Cânions e cenário de novela. Outro lembrado, além desse, é o Restaurante Castanho, que na ocasião só passei em frente mas não conheci.

O Show da Natureza tem boa infraestrutura, banheiro, decoração rústica, ótima vista mas confesso que esperava mais. O atendimento, apesar de ter sido cordial, foi lento de modo acima do normal, e um dos dois pratos que pedimos não estava nada legal (carne de sol). Como não estava nada bom, acabamos comendo o peixe que também tínhamos pedido, que estava bem gostoso.

Restaurante Show da Natureza
Restaurante Show da Natureza
Almoço nos Cânions
Almoço no Restaurante Show da Natureza
Cardápio Restaurante Show da Natureza
Preços no Restaurante Show da Natureza
Restaurante com vista
A vista do Restaurante Show da Natureza

Outra coisa que acho que pode melhorar – e deixo até como dica para os administradores do estabelecimento – é que imponha regras para uso de música no local. Do contrário vai acontecer o que temíamos: a pessoa da mesa do lado coloca uma caixa de som com a música x, a pessoa da outra mesa põe a música y e todo mundo paga o pato.

Esse restaurante foi muito frequentado pelos globais que frequentaram a região por ocasião de gravação de novelas e filmes, como Isis Valverde, Cauã Reymond, Camila Pitanga e o tão lembrado ator Domingos Montagner, que tragicamente morreu nas traiçoeiras águas do Velho Chico, quando foi puxado pelos redemoinhos que se formam no rio. Na entrada do restaurante há um mural com diversas fotos das celebridades que já passaram por lá.

Como não poderia deixar de citar, é preciso ter muito cuidado e não mergulhar no Velho Chico em áreas que não conhece ou sem a presença de um guia local, pois os riscos do rio não são aparentes. Como a água do rio é menos densa, a capacidade de flutuação acaba sendo menor, além de ser um rio extremamente profundo, podendo chegar a 170 metros de profundidade!

O único trecho do passeio que pudemos tomar banho fora das redes foi em nossa parada seguinte: o Vale dos Mestres. O motivo pelo qual podemos tomar banho sem a rede de proteção é porque trata-se de uma parte rasa, que facilmente damos pé. Segundo o guia, a água do local costuma ser transparente, mas quando fomos estava bem mexido por causa dos barcos que já haviam passado por lá, o que atrapalhou a visibilidade.

Passeio para o Vale dos Mestres
Vale dos Mestres
Banho no Vale dos Mestres
Ficamos de molho durante muito tempo nesse lugar!
Passeio com a agência O Pioneiro
E nos divertimos muito!

Quando chegamos haviam poucos barcos e jet-skis, mas logo logo foram embora e milagrosamente nos deparamos com o Vale dos Mestres só pra gente, em pleno feriado de carnaval! Ficamos de molho durante muito tempo, curtindo cada minuto daquele banho delicioso, com uma vista estonteantemente verde e encantadora.

Apesar de verão, o tempo não estava muito amigo no dia que fizemos o passeio, mas pelo menos ainda não tinha chovido. Foi quando começou a fechar o tempo e decidimos retornar para a Praia da Dulce. A chuva nos pegou no caminho e felizmente nosso piloto parecia ter muita segurança no que fazia, pois não ficamos nervosos (apenas encharcados!!) rs.

Cânions com agência O Pioneiro
Apreciando a paisagem enquanto o tempo estava bom!
Paisagens Cânions e Rio São Francisco
Paisagens Cânions e Rio São Francisco
Cânions São Francisco
Cânions São Francisco
Cânions
Sem dúvidas um lugar que valeu muito a pena ser visitado!

Apesar da correnteza e das ondas que se formaram por causa da agitação do rio, não fiquei enjoada em momento algum. Achei bem tranquilo quanto a isso.

Terminamos nosso passeio no mesmo ponto de onde havíamos começado, devolvemos o isopor no bar, pagamos o que consumimos e pronto.

Atenção: Apesar de informarem que aceitam cartão de débito para pagamento, recomendo que levem dinheiro, pois se fechar o tempo o sinal de telefone e de internet cai e eles ficam sem conexão na maquininha.

Esse passeio foi ótimo e superou minhas expectativas, especialmente pelo fato de termos ido de forma exclusiva num barco. Caso sua viagem seja em grupo, vale a pena desembolsar um pouco mais e ter essa experiência, que é sem dúvidas mais tranquila e especial.

Fomos embora satisfeitos e felizes de ter conhecido mais um cantinho lindo desse nosso Brasil, que quanto mais conhecemos mais queremos conhecer! 🙂

E você? Conhece os Cânions? Conta aí nos comentários!

Informações sobre a agência

O Pioneiro

Endereço: Praça Vicente de Menezes, 24, Centro – Delmiro Gouveia – AL

Telefone: (82) 98174-6206

Redes sociais: Facebook

O Passeio foi uma cortesia da Agência O Pioneiro para o blog, mas reflete inteiramente minha experiência.

Post anterior

Onde comer em Punta Del Este: Minha experiência no Parador La Huella

Next post

Sala VIP Gol Aeroporto Guarulhos

1 Comentário

  1. Carlos Mouzinho
    13/03/2019 at 2:25 pm — Responder

    minha filha é 10!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.