Home»Destinos Nacionais»Bar da Laje, bar de luxo no alto do Vidigal

Bar da Laje, bar de luxo no alto do Vidigal

3
Shares
PinterestGoogle+

Recentemente conheci o Bar da Laje com uns amigos, e foi a primeira vez na vida que entrei numa comunidade no Rio. Havia visto o Bar no programa “Pesadelo na cozinha”, da Band, em que o chef Érick Jacquin o apresenta como um case de sucesso na cidade.

COMO CHEGAR AO BAR DA LAJE

Para chegar o visitante tem duas opções:

  1. Contratar o serviço da Kombi do bar, que busca na Praia do Leblon;
  2. Subir com as vans ou motos locais, na entrada da Comunidade.

Nós optamos pela segunda opção, pois um amigo que foi conosco já havia ido e achou tranquilo. Pagamos R$5 direto pro motorista da van pela subida e R$10 pela descida. Na volta, o motorista nos deixou bem na porta do metrô. O ponto final da van é exatamente onde vai pro bar, sendo que de van comum será necessário caminhar no máximo 1 minuto por um beco pra chegar de fato ao local.

A título de informação, a Kombi oficial do bar cobra R$20 pela subida e R$10 pela descida, sendo que na ida é necessário reservar. A Kombi é personalizada e fácil de identificar, pois é toda adesivada com o nome do estabelecimento. O desembarque é exatamente na entrada do bar.

Créditos da imagem: Foto retirada do site oficial do bar
Créditos da imagem: Foto retirada do site oficial do bar

É SEGURO?

Confesso que antes de ir fiquei com certo receio, pois apesar de saber que o Vidigal é uma comunidade pacificada, ultimamente vira e mexe acontece alguma coisa por lá. Pensando nisso, perguntei pra algumas amigas o que achavam e todas responderam que não achavam um bom momento pra ir. Porém… adivinha? fui mesmo assim.

A subida foi bem tranquila e logo na entrada da comunidade ficam vários motoristas oferecendo o serviço de transporte. Ao desembarcar, o motorista sugeriu que déssemos “um trocadinho” para que uns meninos – crianças – nos levassem em segurança ao local.

O estabelecimento fica bem no alto da comunidade, e o caminho até lá se dá por uma rua super estreita e – graças à habilidade dos motoristas – não batem o carro rs. Além de estreita, fazem-na de mão-dupla, é íngreme, e o espaço é compartilhado entre veículos, motos, bicicletas e pedestres. O trajeto da subida dura em média 20 minutos.

Vi pessoas com armas? Vi. Uma? Mais. Não recomendo de modo algum, caso não sejam moradores, que subam por conta própria ou em veículos particulares. Os motoristas das vans já conhecem o local e muitas vezes são moradores, o que transmite certa sensação de tranquilidade (mesmo com pessoas armadas perto de você).

COMO É O BAR

No dia que fui, num domingo, estava tendo roda de samba e estava super animado. O ambiente é bonito, moderno, confortável e oferece uma vista deslumbrante da Cidade Maravilhosa. Sem dúvidas uma das mais bonitas que já vi até agora! 🙂

Pôr do sol no Bar da Laje
Pôr do sol no Bar da Laje

Por falar em beleza, nem só de paisagem vive o local. Achei o público muito bonito e as mulheres bem arrumadas. Eu, munida de uma sandália bem carioca, fiquei fora do padrão rs. A verdade é que tive a impressão que o que menos tinha no bar era carioca: turistas brasileiros e muitos estrangeiros pareciam a maioria.

Amigos no Bar da Laje
Amigos no Bar da Laje

Aos finais de semana e feriados a entrada custa R$50 por pessoa apenas em dinheiro. Não é um passeio barato. Além do gasto com transporte e entrada, o cardápio não tem preços muito camaradas. Apesar disso, confesso que foi lá que comi uma das melhores macaxeiras fritas da vida – e nesse momento não deu pra ligar muito pro preço. 🙂

Um pouco do cardápio
Um pouco do cardápio

Caso queira sentar, recomendo que chegue cedo, pois aos finais de semanas fica lotado e vira tipo baladinha. O ideal é chegar ainda de dia, pegar o pôr do sol e ver a noite cair.

Rio de Janeiro à noite
Rio de Janeiro à noite

O samba foi muito bom, e entre as pausas da banda, música ambiente muito animada, variando entre funk, reggaeton, pagode e até forró das antigas. Inclusive o barman é um dos integrantes do clipe “Vai Malandra”, da Anita rs. Deu até uma palinha no palco. A título de curiosidade, foi no Morro do Vidigal que foi gravado o clipe.

Troquei até umas palavrinhas com a Dona Gilda, proprietária do estabelecimento. De uma simpatia sem tamanho e sorriso no rosto o tempo todo, deu pra entender o porquê do bar fazer tanto sucesso. 🙂

Mais informações

Contato para reservar a kombi oficial: (21) 3323-5807, 99833-2386 ou 96767-0838 (whatsapp).

Funcionamento: de terça à quinta de 12h às 20h. Finais de semana e feriados de 12h às 22h.

Formas de pagamento: Cartão de crédito/débito apenas no consumo, entrada apenas em dinheiro.

Dica: Sugiro que leve um casaquinho, pois lá em cima bate muito vento e você pode sentir frio.

CONTINUE LENDO:

Post anterior

Como é o menu executivo do Sal Gastronomia, do chef Henrique Fogaça

Next post

Roteiro de 1 dia em Lugano

8 Comments

  1. Penha Pauli
    12/02/2019 at 11:01 am — Responder

    Gostei muito das informações

  2. Rafael
    24/04/2019 at 11:03 am — Responder

    Esses preços do cardápio são de 2019?

  3. 04/08/2020 at 2:59 pm — Responder

    alem da entrada no valor de 50 reais paga os 10% do garçao

    • 04/08/2020 at 9:11 pm — Responder

      Olá Isabel! Infelizmente não lembro, mas tenho impressão que não. Os R$50 eram cobrados logo na entrada, em espécie. O consumo era todo cobrado à parte, podendo pagar com cartão.

  4. Marcia
    25/09/2020 at 11:54 am — Responder

    NÃO VÁ!
    Primeiro: Preços mega salgados e demorado, atendimento é um dos piores. Pra uns dizem que aceitam cartão de crédito e para outros dizem que só no dinheiro. Atendentes ignorantes ao extremo.

    Não vale a pena! Segundo que não se consegue uber, 99 e nem taxi pra ir. Por você passar por homens com fuzil no ombro ninguém quer subir o morro. Não se consegue transporte.

    Querem te dar o golpe. Exemplo disso é o promoter Eduardo que me prometeu estorno do valor do ingresso há 3 semanas atrás e até agora nada. Só enrola.

    Credibilidade zero!!

    Tirando a vista, nada mais vale a pena nesse local!

    • 30/09/2020 at 2:02 pm — Responder

      Márcia, obrigada por compartilhar sua experiência com todos. Lembro que quando fui só não pude pagar a entrada no cartão, o resto sim. Um abraço.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.