Onde comer em São Paulo

Restaurante Dalva e Dito

Uma das coisas que mais gosto de fazer é sair pra comer, e se puder ser num lugar cheio de beleza, de conforto, do bom cheiro e do sabor, por que não? 🙂 Para nossa alegria, o chef Alex Atala, que comanda dois bons restaurantes em São Paulo (DOM e Dalva e Dito), pratica preços diferentes e mais acessíveis nesse último – porém não entenda isso necessariamente como barato. O Dalva e Dito é menos caro que o DOM e com foco na cozinha brasileira e com um clima mais informal. O DOM é conhecido pela alta gastronomia, altos preços e pequenas porções, e obviamente por ter sido premiado como o melhor restaurante do país e um dos melhores do mundo (para ver o ranking, clique aqui). Infelizmente vocês vão ter que se contentar em ver algumas fotos oficiais tiradas do próprio site do restaurante, pois tirei poucas fotos.

Restaurante Dalva e Dito | Foto retirada do site oficial

Restaurante Dalva e Dito | Foto retirada do site oficial

Piso inferior do restaurante

Piso inferior do restaurante

Fui em duas ocasiões ao famoso restaurante do premiadíssimo chef Alex Atala, e aqui vou discorrer um pouquinho sobre o que comi.

Da primeira vez fui somente lanchar, o local dispõe de um local próprio com sofás no Mercado Dalva e Dito para quem vai para este fim. Se quiser algo específico, telefone para o local e peça para reservarem para o horário desejado. Por exemplo, meu marido queria comer coxinha de pato no tucupi (R$6), telefonei no mesmo dia avisando a hora que iria e quando cheguei já estava prontinha me esperando. Tcharãn!

Coxinha de pato do Dalva e Dito

Coxinha de pato do Dalva e Dito

Um dos produtos vendidos no Mercado Dalva e Dito

Um dos produtos vendidos no Mercado Dalva e Dito

Além da coxinha de pato comemos um tal de bolovo (R$6), espécie de bolinho de carne com ovo. Confesso que era recheio demais e eu achei um pouco pesado. Não curti.

O atendimento do mercadinho achei que deixou a desejar, a atendente era bastante grossa e estúpida. Com certeza não estava trabalhando na profissão certa, a que lida diariamente com o público.

Na segunda visita a opinião com relação ao atendimento mudou completamente. Não precisamos de reserva para jantar e fomos prontamente atendidos ao chegar. Garçons simpáticos e atenciosos, bem dispostos em atender e explicar os pratos.

Pedimos de entrada uma porção de pastel (3 de carne e 3 de camarão). Muito bom tempero, sem ser oleoso e bom sabor.

De prato principal pedi um Pirarucu ao molho de castanha-do-Pará e ratatouille do sertão (R$92), que nada mais é do que mandioquinha, quiabo, palmito pupunha, abóbora, batata- doce roxa e banana-da-terra com um tempero delicioso. O que falar do amazônida Pirarucu? Não sei se é porque eu não o comia há muitos anos, mas estava espetacular. Postas grandes grelhadas e douradinhas que estavam de comer rezando! Ah, vale ressaltar que os pratos são individuais, e como não são muito fartos, não tem como dividir.

Meu marido pediu um prato chamado Porco na lata com purê de batata e pequi, que, segundo ele, estava excelente (faixa de R$70).

Uma amiga que estava conosco pediu uma picanha gaúcha com farofa (R$ 78/300g). Confesso que achei estranho esse prato, o único acompanhamento era realmente uma farofinha paulista, que eu particularmente não gosto. Achei que pecou no conjunto da apresentação, mas, segundo ela, a carne estava ótima (e ela é gaúcha, hein…). A carne realmente estava bonita: grossa, no ponto e com aparência de boa qualidade, mas colocar só uma carne no prato e servir com uma cumbuquinha de farofa achei esquisitão…hehe.

De sobremesa fui no carro-chefe da casa: cheesecake de requeijão, uma versão brasileira do cheesecake com farofa de castanha de caju e calda de jabuticaba (R$23). Simplesmente sensacional! Nota 10!

Para beber tomamos champagne, que eu não posso discorrer sobre porque ficou sob responsabilidade do amigo do meu marido que estava conosco, um senhor mais entendido do mundo dos champagnes.

Achei a experiência muito válida no famoso restaurante e eu certamente voltaria e recomendo. Durante o jantar o próprio Alex Atala apareceu cumprimentando vários clientes em suas mesas, e alguns deles tiraram fotos com o chef. Como já estávamos quase indo embora, não tietamos. Fica pra próxima.

Dalva e Dito

Dalva e Dito

OBS: Quem quiser conhecer o restaurante e gastar menos, saiba que é servido durante a semana um menu executivo, com preços mais baixos (faixa de R$60).

Curiosidade: Ao olhar o menu do restaurante, verifique que alguns pratos possuem o selo do Instituto Atá, do qual Alex Atala é integrante. O instituto visa incentivar o uso de ingredientes naturais pouco conhecidos e valorizar o pequeno produtor. Então ao ver no cardápio um prato com o selo quer dizer que os ingredientes são oriundos de pequenos produtores que possuem parceria com o Instituto. 🙂

Endereço: Rua Padre João Manuel, 1115 – Cerqueira César, São Paulo – SP, 01411-001, Brasil
De segunda à quinta 12h – 15h | 19h – 00h / Sexta 12h – 15h | 19h – 01h / Sábado 12h – 16h30 | 19h – 01h / Domingo 12h – 17h.

 

 

 

Brasserie des Arts – São Paulo

Conheci o Brasserie des Arts em São Paulo por acaso. Já havia ouvido falar e visto algumas fotinhos do local no instagram, mas ainda não tinha ido conhecer. Esse badaladérrimo restaurante possui a sede em Saint-Tropez (Riviera Francesa) e uma filial aqui pertinho da gente, em Sampa. O forte desse local além do ambiente delicioso são os drinks, que ficam a cargo do barman Marcelo Serrano, conhecido por elaborar os mais diversos e exóticos tipos de bebidinhas.

O ambiente requer um traje mais elegante – não por regra – mas por costume. Local de muita gente bonita, música animada na medida certa e ambiente meia luz dão um charme especial para o local. Não estranhe se de repente ver algum famoso pintando por lá.

Eu, particularmente, não fui para o local para beber, e sim para jantar (meu foco). A comida não deixou a desejar em nada, estava tudo na medida certa: pedi um Filé ao molho mostarda com risoto parmeggiano que estava sensacional. Carne no ponto, macia e suculenta, e risoto suave, daqueles que dá vontade de repetir. Ainda desejo esse prato de novo até hoje. 🙂

Filé ao molho mostarda com risoto parmeggiano

Filé ao molho mostarda com risoto parmeggiano

Meu marido pediu um magret de pato (filé de carne magra de pato) com purê de mandioquinha que gostou, mas esperava mais. Acho que a sortuda da noite foi eu mesmo! 🙂

Magret de pato

Magret de pato

Provei o drink mais famoso da casa, o Moskow Mule, drink da casa que leva vodka Grey Goose, suco de limão e gengibre. Esse drink é espetacular!. Do tipo “vale a visita”. Vocês me perdoam se eu disser que não tirei foto do drink?. (fail).

Não comi sobremesa, apenas um cafezinho. Achei que a visita valeu muito a pena, apesar do preço não ser barato. Tenho vontade de voltar lá pela comida que comi e por um drink que me chamou atenção: manauara cocktail (Vodka Stolichnaya, purê de cupuaçu, limoncello, frangélico e espuma de jambu). Não parece bom?

Carta de drinks

Carta de drinks

Quanto gastar no Brasserie des Arts

Quanto gastar no Brasserie des Arts

Onde fica? Rua Padre João Manuel, 1231 – Jardim Paulista – São Paulo – SP

Funcionamento: Segunda e terça: 19h – 00h / Quarta: 19h – 00h30 / Quinta: 19h – 01h / Sexta: 12h – 15h e também 19h – 01h30 / Sábado: 13h – 02h / Domingo: 13h – 23h30

 

Já conhece o Bar da Dona Onça?

Ótima opção de “onde comer em São Paulo” seja de dia ou seja de noite. O Bar da Dona Onça, que se destaca também como restaurante, está localizado no famosíssimo Edifício Copan, desenhado por Oscar Niemeyer. Comandado pelo casal Janaína e Jefferson Rueda, o local já ganhou inúmeros prêmios, entre eles:

Prêmios Bar da Dona Onça | Imagem retirada do site

Prêmios Bar da Dona Onça | Imagem retirada do site

Conheci a chef através de sites de gastronomia e perfil no Instagram, mas posteriormente apareceu na TV em programas como da Angélica, por exemplo.

Fui conhecer o local durante um almoço no meio da semana e não tive problemas com filas, porém estava bastante movimentado.  Fui com uma amiga e pedimos um prato pra compartilhar, o que foi suficiente, pois além dele pedimos entrada. Vou detalhar aqui pra vocês, então vamos lá. 🙂

ENTRADA

Pedimos de entrada uns bolinhos fritos de espinafre caseiro e de croquete de carne de panela (R$29,00). Como pode um simples bolinho de espinafre ser tão delicioso? Simples, sequinho e super saboroso. Até eu que não sou fã de espinafre, gostei até mais dele do que do croquete de carne de panela.

Entradinhas

Entradinhas

PRATO PRINCIPAL

De prato principal pedi uma Carne de panela com legumes e arroz soltinho, e feijão de acompanhamento. Simples né? Quem vê até se pergunta por que alguém vai para um restaurante comer uma comida tão caseira, POIS É, justamente esse o motivo. Sabor caseiro, na medida certa e espetacular. É servido numa panelinha à mesa e suficiente para duas pessoas (R$49,00).

Carne de panela com legumes e arroz soltinho, e feijão de acompanhamento

Carne de panela com legumes e arroz soltinho, e feijão de acompanhamento

SOBREMESA

Eu confesso que nem estava com fome mais, mas minha amiga e eu decidimos dividir uma sobremesa. 🙂 Pedimos então a que mais definia o nosso momento, sobremesa que recebe o nome de “Eu sou feliz”, que tem uma espuma de baunilha, caramelo, amendoim, sorvete feito na casa, banana caramelizada, chocolate ao leite, paçoca e pão de ló crocante. Uma bomba calórica né? Porém apesar de tanta coisa, não é nada pesado e nem muito doce. Mais uma vez na medida certa (R$24,00).

Cardápio de sobremesa

Cardápio de sobremesa

Você é feliz?

Você é feliz?

AMBIENTE

O ambiente é muito bem decorado e nada pesado, com caracterizações de oncinha. Até o freezer era de oncinha gente! 🙂 Achei muito agradável e limpo. Há mesas externas, porém fiquei no ambiente interno porque estava muito calor nesse dia.

Área externa do Bar da Dona Onça

Área externa do Bar da Dona Onça

Aos apaixonados por oncinha...

Aos apaixonados por oncinha…

Decor

Decor

Porta do banheiro feminino...rs

Porta do banheiro feminino…rs

ATENDIMENTO

O que dizer do atendimento? Sensacional! Não é um restaurante de luxo mas é sem dúvidas um dos melhores atendimentos que já recebi na capital paulista. Não sei se todos os garçons são simpáticos como o Sr. Felipe (Sr. nada, deve ter uns 30 anos), que é extremamente solícito, atencioso, educado e de bem com a vida. Inclusive ele nos “deu” de aperitivo pós-almoço um drink chamado “Leite de onça”, feito com 3 tipos de leite e rum. Gostei tanto que tomei dois. 🙂

Se você estiver passando pelo centro de São Paulo ou estiver desejando uma ótima comida caseira, esse é o lugar. Ficou na minha listinha de lugares para voltar em breve e sempre!

Quanto gastar no Bar da Dona Onça

Quanto gastar no Bar da Dona Onça

E pra finalizar o almoço - e o post - um cafézinho com docinho :)

E pra finalizar o almoço – e o post – um cafézinho com docinho 🙂

Horário de funcionamento: Segunda/quarta: 12h às 23:30h – Quinta/sábado: 12h às 00:30h – Domingo: 12h às 17:30h – Feriados (seg a qua) 12h às 23:30h – Feriados (12h às 00:30h).

Um abraço!