Onde comer em Montreux sem gastar muito

O que ver em Montreux, a queridinha de Freddie Mercury

Chegamos em Montreux no dia 25 de dezembro, ou seja, em pleno Natal. Os mercados natalinos já não estavam funcionando e a cidade estava morta, por ser um importante feriado no país.

Nos hospedamos por duas noites no J5 Hotels Helvetie Montreux, localizado muito perto do Cassino da cidade e mais ou menos perto da estação de trem. Digo mais ou menos porque a caminhada com malas pode ser desconfortável. Pra completar, ainda estava um frio intenso ocasionado pelo mau tempo.

Não gostei muito do serviço da recepção do hotel, mas o quarto em si era bom, grande e confortável. O café da manhã era caro e não estava incluso na diária.

Vista do quarto do hotel

Vista do quarto do hotel

Eu, particularmente, não me encantei com Montreux. Alguns fatores contribuíram para isso:

  • Os mercados de Natal não estavam mais funcionando;
  • Era feriado e estava tudo fechado e parado;
  • O tempo estava péssimo, com chuva todos os dias.

Apesar disso, fomos perambular pela cidade. Nosso destino foi caminhar pela Avenue du Cassino, até a Place du marché, onde está a estátua de Freddie Mercury, célebre morador e apaixonado pela cidade. Por ali também está o Marché Couvert (mercado coberto), mas estava fechado. Sinceramente não vi muita graça ali pois estava tudo muito parado, além do tempo bem feio.

Mercado de Natal em Montreux

Mercado de Natal em Montreux

Estátua do Freddie Mercury em Montreux

Estátua do Freddie Mercury em Montreux

Rumamos para o Museu Queen Experience, que por sorte estava aberto. Ótimo passeio para os fãs da banda, que poderão conhecer mais sobre sua história, ver trajes usados pelos artistas, vinis, ouvir música e conhecer algumas curiosidades. O mais bacana é a sala em que podemos simular uma mixagem num teclado, de forma bem interativa. A entrada é gratuita e o museu está localizado dentro do Cassino. Apesar de um passeio legal, trata-se de uma visita rápida, pois o museu não é grande.

Museu Queen Experience

Museu Queen Experience

Museu Queen Experience

Museu Queen Experience

Museu Queen Experience

Museu Queen Experience

O que Freddie Mercury escreveu sobre Montreux

O que Freddie Mercury escreveu sobre Montreux

No dia seguinte à noite saímos pra jantar e estava novamente tudo fechado, e o único lugar que parece que não fecha nunca é o Cassino, que tem um restaurante muito bom, onde jantamos em uma ocasião. Comida boa, atendimento ótimo e preço suíço. Ficamos no restaurante do térreo, onde pudemos ver as pessoas jogando. Eu não curto jogatina, então não é algo muito relevante pra mim, que fui ao local mais pra conhecer e jantar. OBS: Não é permitido tirar foto no Cassino e é necessário apresentar o passaporte para ter acesso ao mesmo.

O que ver em Montreux: Cassino de Montreux

O que ver em Montreux: Cassino de Montreux

Em Montreux ocorre anualmente o Festival de Jazz de Montreux (Montreux Jazz Festival), sempre no início de julho, às margens do bonito Lago Léman. É o festival de música mais famoso do país e acho que deve ser muito bacana visitar a cidade nessa época.

A atração que mais gostei de conhecer em Montreux chama-se Château de Chillon e na verdade fica em Veytaux, a 3 km de distância. Fui de ônibus, que peguei pertinho do meu hotel e desci bem em frente ao Castelo.

Château de Chillon

Château de Chillon

Château de Chillon

Château de Chillon

É o castelo mais famoso do país e é localizado às margens do Lago Léman. Ocupado desde a Idade do Bronze e que já passou por muitas restaurações, não há consenso sobre o ano de sua construção, mas sabe-se que os primeiros registros datam de 1150. A Casa mais famosa a viver no local talvez tenha sido a dos Saboias.

Château de Chillon

Château de Chillon

Château de Chillon

Château de Chillon

Château de Chillon

Château de Chillon

Célebres românticos já passaram pelo Castelo, que serviu de inspiração para vários trabalhos. De Jean-Jacques Rousseau a Victor Hugo, passando por Lord Byron, o castelo inspirou poetas do mundo inteiro. A paisagem vista do local é maravilhosa, e por dentro o mesmo é muito interessante, passando por diversas salas e subindo muitas escadas. A visita é demorada e muito gostosa de se fazer.

Château de Chillon

Château de Chillon

Château de Chillon: Que tal esse vaso sanitário? rs

Château de Chillon: Que tal esse vaso sanitário? rs

OBS: O ingresso pra visitar a atração custa 12,50€ e é gratuito com o Swiss Pass. Abre diariamente, exceto dia 1° de janeiro e 25 de dezembro.

Durante nossa viagem conhecemos um restaurante self-service de 32 CHF o kg, o que é um preço bom tratando-se de Suíça. O restaurante chama-se Paradise Montreux e fica na Gran Rue, 58. É uma boa pedida pra quem quer comer uma refeição sem gastar um rim. Certamente não será a melhor comida que você já comeu na vida, mas é bem prático e bom. Funciona até nos feriados e serve de tudo um pouco: self-service e à la carte.

Paradise Montreux

Paradise Montreux

Como dito anteriormente, a cidade não me encantou. O tempo estava ruim, achei a cidade com poucos atrativos turísticos e pra completar estava tudo fechado. Durante nossa estadia fizemos um bate-volta para Lausanne, que achei uma graça e imperdível de ir caso esteja em Montreux, pois apenas 23 minutos separam uma cidade da outra (de trem).

Contei isso pra duas amigas que conhecem a cidade e elas ficaram espantadas comigo, pois ambas adoraram! O lago realmente é lindo e proporciona belas vistas dos Alpes, mas como o tempo estava muito ruim não ficou tão bonito quanto num dia ensolarado.

Ainda durante nossa estadia conhecemos algo inusitado: um hospital kkk. Quem acompanhou nossa viagem à Zermatt sabe que meu marido quebrou um dedo, então precisava de atendimento médico. Fomos no HRC Hôpital Riviera-Chablais, que tem atendimento de emergência para ortopedia. Como tínhamos seguro saúde, não tivemos gastos com isso. Não é o tipo de coisa que pensamos numa viagem de férias, mas saibam que há essa opção na cidade.

E assim terminou minha estadia em Montreux, de onde parti para Berna. 🙂

CONTINUE LENDO:

Agradecimentos à querida Eliana, do Instagram @turistandonasuica, que muito me ajudou na elaboração do roteiro.