Como organizar uma viagem

Como organizar uma viagem?

Férias chegando, férias daqui a um ano, sem previsão de férias… como organizar uma viagem sem intermediação de agências e de quebra ainda economizar uma graninha?

O ideal, pelo menos pra mim, é se organizar o quanto antes, mesmo que suas férias ainda demorem a acontecer. Com o fator tempo a seu favor, você conseguirá mais ofertas de hospedagem a preços mais em conta, terá mais tempo pra se planejar financeiramente de acordo com o que pretende gastar e quando finalmente chegar o dia de viajar não estará endividado ou com parcelas pendentes no cartão de crédito. Não sei vocês, mas eu não gosto muito da ideia de parcelar coisas pro futuro que já terá até passado.

Obviamente vez ou outra aparecerá uma passagem imperdível em cima da hora e então você terá que correr contra o tempo e conseguir ajustar seu calendário pessoal e profissional pra conciliar. Uma vez comprei passagem “no escuro” pra Miami por R$900 (com taxas) e nem sabia se ia poder ir (por sorte deu certo).

Quando eu trabalhava (CLT) costumava organizar minhas férias com 6 meses de antecedência, pois era o tempo que eu conseguia negociar com meu chefe o período que eu gostaria de sair. Como hoje em dia trabalho de forma autônoma parcialmente o empecilho foi resolvido, e agora é meu marido quem precisa negociar o período. Caso o casal tenha obrigação de bater ponto, é necessário planejamento em conjunto pra ambos saírem na mesma época.

Natal/RN

Natal/RN

Caso seu empregador permita que você divida suas férias em dois períodos, não pense duas vezes. Fique atento ao calendário de feriados, para sempre que possível emendar férias e feriadão. Já pensou, por exemplo, pedir férias de 10 dias em agosto e emendar com o feriadão de 7 de setembro? Seria um período de 16 dias livre para viajar, tendo gozado apenas 10. Dá tempo de fazer uma viagem e descansar um pouquinho em casa pra voltar à labuta em seguida.

Caso você tenha escolha, fuja de meses como dezembro, janeiro, julho e agosto. Período de férias escolares, a maioria dos funcionários que tem filhos querem esses meses e consequentemente preços mais altos em tudo. As passagens aéreas ficam absurdas, hotéis também e até algumas atrações turísticas seguem um calendário de preços diferenciados para alta ou baixa temporada.

Fique atento ao clima do destino que pretende curtir seus dias de folga, pois dependendo do local pode ser muito quente ou muito frio. Ir pra Madrid é uma delícia né? “Que promoção maravilhosa encontrei pra agosto!” Vá e fique sozinho lá, provavelmente morrendo de raiva por sentir tanto calor. O verão na capital espanhola, por exemplo, é enlouquecedor. Agosto é o período de férias dos europeus e os preços na Europa toda ficam mais altos e com atrações bem mais lotadas. Caso não tenha filhos e consiga optar por outro período, fuja de Orlando nessa época também. Em uma ocasião fui em junho e mofei 2h em uma única fila no Sea World. Já quando fui em setembro achei bem mais tranquilo.

O verão em Madrid é tão legal que fugi pra Portugal!

O verão em Madrid é tão legal que fugi pra Portugal!

Caso seu destino seja no Brasil, também pode não ser uma boa ideia ir em julho/agosto curtir as praias do Nordeste, por exemplo. Período de muita chuva e clima constantemente instável. Morei em Natal e lembro que em julho e agosto chovia sem parar. Uma chuvinha chata, fina e que atrapalha o passeio de qualquer um. Meu marido uma vez foi a Noronha em agosto e as fotos dele comprovam como estava o tempo…

Ainda que belo, céu encoberto em Noronha todos os dias da estadia

Ainda que belo, céu encoberto em Noronha todos os dias da estadia

A meu ver, os melhores meses pra sair de férias são abril, maio, setembro, outubro e novembro. Você provavelmente economizará nas passagens, onde quer que você vá não estará tão lotado quanto na alta temporada, você poderá poupar uma graninha em atrações turísticas e possivelmente não morrerá nem de frio nem de calor em comparação ao auge das estações (verão/inverno).

Orlando e sua chuva de verão (look do dia) kkk

Orlando e sua chuva de verão (look do dia) kkk

Fique sempre atento às promoções de passagens aéreas e simule em diferentes sites, não apenas no da cia área. Certa vez comprei uma passagem no Decolar que estava mais em conta que no próprio site da companhia (Avianca), mesmo pagando taxas à operadora. Os sites que mais costumo pesquisar são o Maxmilhas, Viajando Barato Pelo Mundo e Melhores Destinos. Esses três são uma “constante” nas minhas buscas. 🙂

Com as passagens emitidas, o próximo passo é pesquisar o que pretende ver e fazer em determinado destino, e calcular mais ou menos a quantidade de dias que irá passar (e só então comprar os trechos internos, caso haja) e consequentemente reservar os hotéis.

Como organizar uma viagem por conta própria

Como organizar uma viagem por conta própria

Após definido isso o próximo passo é correr atrás das hospedagens. Dependendo do estilo de viagem, poderá procurar em sites diferentes. Eu costumo usar sempre o hotéis.com, pois além de ter parceria com o blog acumulo diárias pra trocar por uma grátis. Caso o estabelecimento que eu esteja procurando não esteja no hotéis.com, parto para o booking, que também é parceiro do blog. Outros conhecidos (que ainda não utilizei) são o Airbnb (locação por temporada), Priceline (possibilidade de dar lances em diárias de bons hotéis) e o Hostel World (albergues).

Fique muito atento à possibilidade de cancelamento grátis ou não quando reserva algo. Nunca sabemos o que pode acontecer e amargar um prejuízo quando algo sai dos eixos não é uma boa ideia. Só reservo sem cancelamento grátis em último caso. Certa vez uma tia minha adoeceu na véspera de uma viagem pra Europa e teve que cancelar tudo, e detalhe, muitos hotéis não tinham direito a cancelamento… além da frustração de não conseguir viajar, ainda teve que se frustrar mais com a perda financeira. Depois desse episódio, cancelamento grátis sempre! rs.

Outro ponto importantíssimo em relação à hospedagem é a localização. Particularmente não gosto de ficar em bairros afastados ou que vá demandar muito tempo de deslocamento (e consequentemente gastos extras). Sempre priorizo os bairros mais bem avaliados e tem dado certo: economia de tempo, paciência e dinheiro. Obviamente têm cidades que vale a pena um deslocamento a mais, haja vista que têm bairros muito mais caros que a média, mas cada caso é um caso e vale a pena dar atenção a isso.

Por exemplo, quando fui pra Dublin optei por um hostel muito bem localizado e foi a melhor coisa que fiz. Enquanto meus amigos intercambistas gastavam horas entre “esperar ônibus+trajeto do ônibus+caminhada até a casa” eu já estava batendo papo no hostel e bem no olho do furacão. Apesar do preço da hospedagem ter sido um pouquinho mais caro, a economia de tempo fez toda diferença e não gastei com transporte público.

Intercambistas em Dublin

Intercambistas em Dublin

Férias autorizadas, passagens emitidas, hotéis reservados… e agora?

Não ignore o seguro viagem, tenha você 20 ou 80 anos. Mais uma vez torno a dizer: nunca sabemos o que pode acontecer. Muitas vezes não é necessário pagar a mais por um seguro, pois muitos cartões de crédito fornecem o seguro ao titular e seus dependentes caso a passagem tenha sido emitida com o cartão. Assim como há seguro locação de veículos caso você alugue usando o cartão. Atenção: Verifique se seu cartão de crédito fornece esses benefícios pra você (o meu fornece).

Em uma ocasião fiz um seguro com a Assist Card e precisei usar algumas vezes durante a viagem. Achei o atendimento muito bom e não tenho nada a reclamar. Passei mal num hotel (crise de alergia, pra variar) e o médico em pouco tempo foi me atender.

Depois vem a parte mais legal: estudar o destino, pra não cair lá de “paraquedas”. Entender os costumes locais, antecipar-se com relação à gastronomia, cultura e o que você não deve fazer também são pontos interessantes. Obviamente só na prática você realmente vai saber como é, mas caso seja um destino muito exótico não custa nada pesquisar em blogs de viagens (principalmente em posts não comerciais) sobre o que espera por você lá. Utilizo também o site TripAdvisor em minhas pesquisas.

E o câmbio?

Estou morando no Rio há pouco tempo e pedi algumas dicas pros amigos daqui com relação a esse ponto. Mas de tudo que pesquisei, o que mais gostei foi de um que meu marido comentou. No site BeeCâmbio a proposta do negócio é ser totalmente online, mostrando a cotação em tempo real e muitas vezes com delivery grátis. Eles não são uma casa de câmbio, apenas intermediadores, e eles que fazem a negociação do valor com os parceiros deles. Achei muito prático e só de não ter que ficar andando com dinheiro por aí pra mim já faz toda a diferença. Além do mais, tenho gostado das cotações que tenho acompanhado.

Uma das regrinhas pra comprar moeda estrangeira a um preço “bom” é pesquisar no site do Banco Central do Brasil os valores praticados pelas instituições financeiras nos meses anteriores. Lá tem o ranking das cotações mais baratas e já serve de parâmetro para suas pesquisas. OBS: Não necessariamente a instituição que cobrou mais barato no mês anterior será a campeã em preço no mês corrente, mas é um bom sinal.

Sugiro que mantenha uma planilha com os gastos da viagem pra não se perder pelo meio do caminho e nem extrapolar os limites. A planilha vai ajudar você a ter mais controle e noção do que realmente pode e não pode fazer e depois pode até ficar de base pra outros amigos ou pra uma segunda viagem pro mesmo destino.

Caso seja uma viagem internacional fique atento à possiblidade de exigência de visto ou de certificado de vacinação pra não ter surpresas e nem ter que fazer tudo em cima da hora. A pressa é inimiga da perfeição.

Seja internacional, nacional, de busão ou avião, não deixe de tirar uns dias pra si e desbravar mundo afora (ou adentro!). Sabendo poupar, planejar e executar, a viagem com certeza será um sucesso e dará um gostinho a mais saber que foi você que planejou tudo, do início ao fim, sem contratação de agências e com a possibilidade de fazer tudo do seu jeito. 🙂

E vocês? Como costumam planejar suas viagens?