Ciência sem fronteiras

Custo de vida em Madrid – Espanha

Sempre me perguntam como é o custo de vida em Madrid e eu costumo dizer que MUITO baixo (se você ganha em euro). Apesar de viver em uma capital europeia, pagamos muito menos (em quase tudo!) do que os brasileiros das capitais e cidades grandes. Nesse post vou me basear em fazer uma comparação entre a cidade de Madrid e a cidade de São Paulo, que é onde eu morei por 5 anos antes de chegar por aqui.

Para quem vai estudar no exterior através do Programa Ciência sem Fronteiras, vale dar uma olhadinha no valor das bolsas na tabela abaixo, lembrando que além dessa bolsa, o aluno recebe outros bons auxílios como passagem aérea ida e volta, seguro saúde, auxílio instalação e em alguns casos, auxílio material didático. Para ver os valores detalhadamente, clique aqui.

Fonte: Ciência sem Fronteiras

Fonte: Ciência sem Fronteiras

A primeira coisa que costumo dizer pra quem pensa automaticamente nesses valores em reais, só digo uma coisa: não viaje na maionese! €1300,00 definitivamente não são nem de longe R$1300,00. Com R$1300,00 você mal consegue  sobreviver morando numa capital brasileira. Já aqui, com €1300,00 vive-se muito bem até. Pra vocês terem uma ideia, vou listar o preço médio de alguns produtos conhecidos pelos brasileiros:

Litro do (melhor) leite: 0,85€, Dúzia de ovos: 1,20€, Pacote de pão de forma integral: 0,79€, Kg de filé de 1º carne bovina: 10,00€, Caixa de cereal matinal Nesfit 250g: 1,00€, Pacote de macarrão integral: 0,90€, Lata de leite condensado Nestlé: 1,54€, Sabão pra lavar roupa Ariel (50 lavagens): 8,00€, Kg arroz: 0,71€, Kg banana: 1,09€, Kg batata: 0,49€, Nutella: 2,00€, Cream Cheese Philadelphia light: 1,28€

Coloquei alguns produtos semelhantes aos que eu costumava comprar em São Paulo por um preço bem mais alto, e que por aqui são super acessíveis pra qualquer um. Pra quem não sabe, o salário mínimo na Espanha é  753,00€ e no Brasil R$724,00 (dados de 2014). Ou seja, é quase a mesma coisa em termos NOMINAIS, porém, como no Brasil TUDO é caro, na Espanha o poder de compra é extremamente maior. Com um salário mínimo na Espanha você consegue ter uma vida digna, ao contrário do Brasil… e pra aquelas pessoas que dizem “mas em Madrid é euro” esqueça – mesmo sendo euro muitas coisas ainda são bem mais baratas (vale ressaltar que estou me baseando no valor dos salários mínimos entre os dois países, e os valores citados acima são válidos pra quem recebe em euro, se receber em reais talvez ache caro… ).

Transporte público em Madrid x Transporte público em São Paulo

Vou comparar com São Paulo pois eu morava lá e estou mais por dentro do que minha cidade natal, Belém. Em São Paulo paga-se caro por um transporte público de péssima qualidade, com metrôs superlotados e ônibus mais ainda. Ah, sem falar no trânsito caótico que a cidade tem…

A locomoção na cidade de Madrid é excelente, pois em qualquer buraco que você vá, sempre terá um metrô por perto. Pra quem não sabe, a rede de metrô de Madrid conta com 243km de extensão, contra aproximadamente 60km do de São Paulo (nem preciso dizer do tamanho da cidade e da população né? Ainda tornaria mais grave ainda o disparate…).

O bilhete do metrô ao qual me refiro na tabela abaixo é com base na região A e ML1 de Madrid, que é a que resido, e que está a maioria das linhas de metrô/atrações/pontos turísticos. Pra ver os preços dos bilhetes de metrô para as diversas zonas, clique aqui.

Alguns preços…

Custo de vida em Madrid (comparação)

Custo de vida em Madrid (comparação)

A comparação de aluguel de apartamento foi feita com base em um apartamento de 2 quartos totalmente mobiliado (Madrid) e um sem qualquer mobília (São Paulo), ambos localizados fora do centro da cidade e próximo às suas universidades principais (USP e Universidad Politecnica de Madrid).

Em São Paulo, em função do trabalho, nem eu e nem meu marido almoçávamos em casa e gastávamos em média R$650,00/mês com supermercado. Em Madrid, almoçamos em casa todos os dias (dá pra ir e voltar andando da universidade) e gastamos no máximo 250,00/mês.

IMG_6212

E ainda tem sobremesa Lindt BEM legal =)

Curiosidades…

  • A conta de luz de Madrid chega em nossas casas de 2 em 2 meses, ao contrário do Brasil que chega mensalmente;
  • A conta de gás também chega de 2 em 2 meses;
  • As contas (todas, obrigatoriamente) são pagas através de débito automático, “forçando” as pessoas a terem conta em banco;
  • Abrir conta bancária em Madrid é extremamente fácil. Dá pra abrir conta pela internet, o banco envia um funcionário até a sua casa pra recolher a papelada com as assinaturas. Não paga nada pra abrir e manter conta – diferentemente do Brasil que só a conta digital que é isenta de taxas (que quase não divulgam…);
  • Os bancos de uma maneira geral são bastante simples: sem fila, sem burocracia, e fácil. É impressionante como não tem fila! Eles abrem conta pra todo mundo – independente de ter nome sujo ou não. Simples;
  • Como não tínhamos NIE (RG) ainda, a conta foi aberta com o passaporte no Banco BBVA;
  • Pra quem acha que é possível se manter em Madrid com bolsa de estudos e viajar pela Europa, até dá, mas sugiro que faça uma boa poupança pra poder viajar tranquilo.

Essas são algumas das coisas que nós – brasileiros – sentimos ao nos mudar pra cá. Amo o Brasil mas infelizmente nosso país – e me refiro a São Paulo que entre as outras capitais brasileiras é a menos pior – ainda está a anos luz de um país desenvolvido que apresente boas condições de vida para seus habitantes. Algumas pessoas quando sabem que tô morando em Madrid me dizem “nossa, você é rica?“, pra essas pessoas eu digo: “rica eu deveria ser quando morava no Brasil…” (paciência). Só nos resta torcer pra que nosso país melhore e fazer a nossa parte!

Beijos!

Posts que possam interessar: Partindo para o mundo, Partir para o mundo tem suas partes chatas…

Partindo para o mundo…

Estudar no exterior ou poder morar em outro país é o sonho de muita gente, mas é necessário ter muita paciência, dedicação e planejamento. Quando meu marido foi aprovado no doutorado sanduíche da Universidad Politecnica de Madrid, através do programa Ciência sem Fronteiras, começaram as preocupações acerca de documentos para residência, quanto gastar, onde ir, etc. Tentamos procurar alguma coisa pra nos dar uma luz pela internet, mas o que encontramos foi insuficiente. Então, meu marido foi direto ao consulado da Espanha em São Paulo, pois morávamos lá. Eu não pude ir ao consulado pois meu trabalho me impossibilitava, então fiz uma procuração para que meu marido fizesse todo o processo por mim (sim, isso é possível!).

Algumas informações importantes sobre o consulado espanhol de Sampa:

Funcionamento: De segunda a sexta-feira, de 08:15 a 12:15h (horário muito ruim pra quem trabalha, né? mas não tem outro jeito…)

Localização: Avenida Brasil, 948, Jardim América – São Paulo – SP. O consulado fica na esquina da Av. Brasil com a Rua Canadá, entrada somente pela Rua Canadá.

Pagamento: SOMENTE dinheiro em espécie (real). Uma vez precisei pagar um documento e só tinha levado cartão, por sorte tem um Bradesco pelas redondezas…

Contato: cog.saopaulo@maec.es

Como eu estava vindo pra Espanha sem finalidade laboral, precisei dos seguintes documentos:

1 – PASSAPORTE;

2 – FORMULÁRIO DE VISTO NACIONAL devidamente preenchido e assinado, com uma foto 3×4, recente, de frente, com fundo branco (R$165,00 por solicitação);

3 – CERTIFICADO DE ANTECEDENTES CRIMINAIS emitido pela Polícia Federal (pode ser o expedido na Internet, acompanhado da sua autenticação), LEGALIZADO pelo Ministério das Relações Exteriores do Brasil: Como meu marido tem uma tia que mora em Brasília, ela levou  o documento no Ministério das Relações Exteriores pra gente, pois o procedimento direto no local é muito mais rápido;

4 – ATESTADO MÉDICO expedido por médico habilitado, o qual ateste não padecer de nenhuma das enfermidades que podem ter repercussões de saúde pública grave, de conformidade com o disposto no Regulamento Sanitário Internacional de 2005, com firma reconhecida em cartório: recomendo que vá a um clínico geral e explique a situação pra ele, pra que ele possa indicar qual cartório tem firma aberta – isso é imprescindível (R$4,50);

6 – SEGURO MÉDICO que cubra, durante todo o tempo da estadia no Espaço Schengen, os gastos médicos e de repatriamento ligados a um acidente, enfermidade repentina e falecimento, com uma cobertura mínima de €30.000: o meu fiz pela empresa Assist Card e saiu por R$ 3.150,08 – eu e meu marido, por 1 ano;

7 – CERTIDÃO DE CASAMENTO OU NASCIMENTO que demonstre o vínculo familiar, com data de expedição inferior a um ano, LEGALIZADO pelo Ministério das Relações Exteriores do Brasil: Como sou casada, precisei da certidão de casamento, meu marido aproveitou uma viagem que fez a Brasília e regularizou o documento diretamente no Ministério das Relações Exteriores – uma dica: caso vá direto lá, chegue cedo, pois costuma ter muita gente!;

OBS1: Para os documentos que precisam ser legalizados pelo Ministério das Relações Exteriores, NÃO é necessário ir até Brasília para legalizá-los, pode mandar por Correios, porém o procedimento é mais demorado. Optamos fazer direto em Brasília pela “sorte”que tivemos de meu marido ter uma tia lá e dele ter viajado pra lá durante a época do processo.

OBS2: Atestado médico, certidão de casamento e certificado de antecedentes criminais precisam ser legalizados pelo consulado! Na ocasião paguei R$19,00 por cada um, diretamente ao consulado (para ver preços de 2014, veja a tabela no link);

OBS3: O certificado de antecedentes criminais precisa ser traduzido para o espanhol, por uma tradutora juramentada. Na ocasião fiz através da empresa Traduzir, em São Paulo. A tradução é a última etapa, pois nela devem constar todos os carimbos que foram colocados no documento original, caso contrário não será uma tradução fiel do original, estarão faltando informações e a pessoa poderá ter problemas. Preço? R$181,76 (janeiro/2014) (salgado!)

O mais curioso é que as oficinas de extranjería em Madrid NUNCA me pediram essa tradução, o que dá uma certa sensação de “dinheiro jogado fora”. Porém, como o consulado da Espanha no Brasil pediu que eu traduzisse, então…

Pronto, feito todo esse procedimento chato é só esperar o passaporte com o visto. Desde a primeira vez que meu marido foi ao consulado até termos o passaporte conosco de volta foram quase 3 meses. Meu marido recebeu um e-mail avisando que o documento já estava pronto pra ser retirado. Nossos passaportes vieram com um visto com validade de 3 meses (a contar da data de partida do vôo), e a permissão de residência obrigatoriamente teria que ser feita em Madrid.

Para saber um pouco mais sobre como proceder para obter permissão de residência na Espanha e emissão de documento de identidade, dediquei um post só pra isso (para ler, clique aqui).

Beijos!