Brazilian wine

Cave Nacional: Autêntica experiência com vinhos brasileiros

Semana passada fui em um evento super legal e diferente, em que pude conhecer um Restobar especializado em vinhos brasileiros, a Cave Nacional, localizada na Rua Dezenove de Fevereiro, um dos burburinhos de Botafogo.

Diferente do que vemos com frequência no bairro, que atualmente apresenta um leque enorme de opções de hamburguerias e cervejarias, a Cave Nacional oferece aos clientes uma proposta diferenciada, oferecendo bons rótulos de vinhos nacionais, com destaque para os oriundos de pequenos produtores de diversas regiões do Brasil.

No estabelecimento você não encontrará os vinhos comerciais que estamos acostumados a ver nos grandes supermercados, encontrará apenas produtos selecionados minuciosamente por uma equipe especializada em vinhos de alta qualidade. Outro diferencial é que além das bebidas poderem ser consumidas no local, são vendidas pra levarmos pra casa  com um preço mais em conta, fato esse pensado propositalmente de modo a incentivar os clientes a consumirem mais vinho em casa, o que culturalmente ainda é incomum em nosso país.

O restobar possui três ambientes: no térreo, o restaurante, nos fundos, a adega climatizada, e no andar superior uma ampla sala para degustação e eventos afins, cuja capacidade máxima é de até 16 pessoas para degustação e 18 para jantar. Caso queira fazer algum evento privado, saibam que com 12 pessoas já é possível reservar o ambiente, que sempre terá os vinhos como foco.

Adega climatizada da Cave Nacional

Adega climatizada da Cave Nacional

Espumante, Rosé, Branco ou Tinto, a Cave Nacional possui produtos de ótima qualidade e que na ocasião tive o privilégio de degustar três de maneira bem informal e descontraída, sem as grandes formalidades e protocolos que envolvem o mundo do vinho. De maneira alegre e clara, uma das sócias da Cave Nacional apresentou os vinhos com bastante paixão e propriedade, demonstrando muito conhecimento, o que resultou em uma noite super agradável.

Primeiro nos foi servido o Azzul Cattacini, espumante feito com a Peverella, a primeira uva plantada no Brasil, que eu particularmente desconhecia. Produzida pelo método champenoise (método tradicional de Champagne), envelhece-se a bebida por um ano e meio sobre as próprias leveduras da fermentação. O resultado é um espumante refrescante, delicado, com sabor seco e equilibrado, excelente para os dias mais quentes que se aproximam.

Azzul Cattacini

Azzul Cattacini

Curiosidade: Algo que me chamou atenção durante a degustação foi o fato de "escutar" o espumante na taça. Caros leitores, façam isso e depois voltem aqui pra me contar o que acharam. É um barulhinho tão relaxante que não sei como nunca tinha pensado nisso antes...kkk.

O segundo vinho servido foi o Fabian, vinho branco jovem, oriundo do Rio Grande do Sul, especificamente da região de Nova Pádua. Produzido com a uva Chardonnay, a segunda mais cultivada uva no Brasil, a bebida possui sabor frutado e aroma de frutas cítricas, bom frescor e é levemente doce.

Vinhos Fabian e Enoteca

Vinhos Fabian e Enoteca

Entre um vinho e outro, pudemos degustar também diversos queijos, presunto parma, bruschettas clássicas e torradinhas, mas tudo de forma bem leve, sempre respeitando a harmonização dos sabores.

Cave Nacional

Cave Nacional

Cave Nacional

Cave Nacional

O terceiro e último vinho servido foi o tinto Enoteca, da marca dos vinhos premium da Dal Pizzol Vinhos Finos. Produzido com as uvas Cabernet Franc, Merlot e Cabernet Sauvignon, é bom para acompanhar carnes vermelhas, pratos com molhos exóticos e condimentados e queijos como Manchego, Grana Padano, Pecorino, Provolone, entre outros. Esse tinto tem uma cor super bonita (vermelho escuro), apresenta sabor agradável e é bem encorpado.

Vinhos nacionais

Vinhos nacionais

Adorei a experiência e achei que a Cidade Maravilhosa ganhou uma opção incrível para quem pretende conhecer mais os vinhos brasileiros sem precisar se deslocar tanto pra isso. É interessante começar a ver o Brasil com outros olhos, que apesar de caminhar a passo de formiguinha frente aos países vizinhos, como Argentina e Chile, possui potencial para crescer tanto quanto os hermanos.

Como funciona

Caso haja interesse em degustação privada, elas devem ser agendadas com pelo menos 2 dias de antecedência. Por serem experiências personalizadas o estabelecimento cobra pelos itens consumidos (vinhos da degustação, outras bebidas e comidas) pelo preço de cardápio.

Ambiente para degustação privada

Ambiente para degustação privada

Geralmente às terças, quartas ou quintas são realizados eventos abertos, sempre uma vez por semana. Os preços partem de R$55,00 por pessoa e pode variar, dependendo dos vinhos que serão servidos na degustação. O valor geralmente inclui os vinhos da prova e água. Com duração de aproximadamente 1 hora, as pessoas costumam descer para o bar para petiscar algo ou jantar e então pagam à parte o que consumirem.

O Rio sem dúvidas ganhou um estabelecimento de peso, principalmente considerando que é a cidade que mais recebe estrangeiros no país – principalmente os que vem com fins de lazer – e que chegam ao Brasil com “sede” de conhecer o que é típico, e que agora têm a possibilidade de conhecer diversos vinhos em um só local.

Além disso, a Cave Nacional é uma opção ótima para quem busca uma programação diferenciada e a dois, pois trata-se de um ambiente com decoração rústico-chique, intimista e com música ambiente super agradável, que juntos fazem do local algo diferenciado. Pra ficar ainda melhor, a casa pratica preços super justos, como pode ser visto no cardápio abaixo,  impresso no jogo americano:

Cardápio da Cave Nacional

Cardápio da Cave Nacional

Caso você não seja do Rio mas queira ter experiência com vinhos brasileiros, a Cave Nacional vende os produtos na loja virtual, com entrega para todo Brasil.

Informações adicionais – Cave Nacional

Endereço: Rua Dezenove de Fevereiro, 151, Botafogo (350 metros da Estação de metrô Botafogo).

Funcionamento: Terça à quinta – de 17h às 00h – Sexta e sábado de 17h às 01h.

Telefone: (21) 2146-5334

A experiência foi uma cortesia da casa para o Apaixonados por Viagens, do qual sou colaboradora, mas reflete inteiramente minha experiência pessoal no estabelecimento.