Onde comer

Lançamento da cerveja B.R.U 39: O inédito rótulo do Bar Urca

Semana passada tive o privilegio de acompanhar a Lily do blog Apaixonados por Viagens em mais um lugar bacanudo no Rio. E quando digo bacanudo me refiro a tudo: qualidade dos produtos, vista incrível, bom atendimento e preço justo. A bola da vez foi o lançamento da cerveja B.R.U 39, o inédito rótulo do Bar Urca, clássica opção no bairro do Rei Roberto Carlos rs. Esse consagrado bar está em funcionamento desde 1939 e é opção certeira pra quem deseja comer e beber bem.

Conto nesse post em primeira mão sobre o lançamento da cerveja B.R.U 39, que numa parceria inédita com a Cervejaria Bohemia, de Petrópolis, trouxe aos clientes do Bar uma ótima opção de cerveja pros dias mais quentes. Com teor alcoólico de 4,8%, a cerveja é tipo Pilsen e puro malte. Ainda que eu só beba cerveja socialmente e não seja uma grande entendedora, a nova bebida agradou muito meu paladar, já que não sou fã das cervejas estilo American Lager, que geralmente são mais aguadas.

Ponte Rio-Niterói ao fundo vista do Bar Urca

Ponte Rio-Niterói ao fundo vista do Bar Urca

Com nível médio de amargor, a receita pensada e desenvolvida pela Bohemia utilizou a técnica de Dry Hopping, que consiste em acrescentar uma dose extra de lúpulo visando intensificar os aromas da bebida. O resultado é uma cerveja de sabor leve, suave e refrescante, que harmoniza muito bem com frutos do mar, especialidade da qual o Bar Urca entende bem.

Bar Urca: Lançamento da cerveja B.R.U 39

Bar Urca: Lançamento da cerveja B.R.U 39

Por falar em frutos do mar, nada melhor pra acompanhar a nova cerveja que os petiscos da casa, que são igualmente incríveis. A empada e o pastel de camarão são de pedir de monte: sequinhos e com recheios generosos. Além desses petiscos, o bolinho de bacalhau merece destaque, pois diferente de muitos que encontramos por aí, o de lá tem recheio generoso de bacalhau. E já que estamos em dezembro, tem algo que combine mais com essa época do que o famoso peixe do Atlântico Norte? 🙂

Outra novidade do cardápio é a Canoa de Verão de nome Salada de bacalhau ao Grão, que promete ser a aposta da vez. Essa salada, que vem acompanhada de azeitonas pretas e grão de bico, é uma ótima pedida pra quem não quer sair de forma e também para quem pretende compartilhar um petisco com outra pessoa, pois é bem farta.

Petiscos do Bar Urca: tanto os pastéis quanto as empadas são excelentes!

Petiscos do Bar Urca: tanto os pastéis quanto as empadas são excelentes!

Canoa de Verão: Salada de bacalhau ao Grão

Canoa de Verão: Salada de bacalhau ao Grão

Fartura e bacalhau são duas palavras que nos fazem pensar em uma coisa: é caro. Porém, para minha surpresa, não é não: o preço é bem convidativo. Vendida por apenas R$26, a salada tem ótimo preço, que também acompanha o da nova cerveja: R$10, e que está sendo comercializada apenas no Bar Urca.

Pretendo voltar o quanto antes para experimentar as outras Canoas do cardápio, entre elas o bobozinho (bobó de camarão), risotinho (risoto de camarão) e o Brazinho (Bacalhau ao Bráz). Os “inhos” são propositais, pois tratam-se de porções pequenas em relação aos pratos principais do restaurante. Todas têm o mesmo preço: R$26.

Caso queira curtir o pôr do sol da Mureta consumindo os produtos do bar, é necessário que vá diretamente ao balcão, efetue seu pedido e pague o que consumir na hora, pois os garçons não atendem na Mureta.

Fim de tarde na Mureta em frente ao Bar Urca

Fim de tarde na Mureta em frente ao Bar Urca

Eu e a amiga Lily curtindo o fim de tarde!

Eu e a amiga Lily curtindo o fim de tarde!

O trabalho de criação do rótulo da B.R.U 39 foi feito pelo Estúdio Colletivo de Design, e a ilustração retrata bem o cotidiano do Bar Urca: paisagem com barquinhos, cerveja gelada, diversos petiscos, e, ao fundo, a Baía de Guanabara refletindo o pôr do sol. À direita do rótulo merece destaque também o “selo” do Seu Gomes, uma homenagem ao fundador da casa. Adorei a originalidade, criatividade e a alegria que o rótulo transmitiu.

Rótulo da B.R.U 39, não ficou lindo?

Rótulo da B.R.U 39, não ficou lindo?

A título de curiosidade, o nome B.R.U. 39 remete às iniciais do nome do estabelecimento, seguido do ano de fundação do mesmo. Caso queira saber um pouco mais sobre o local, sugiro que leia esse post, em que a Lily contou de forma clara e detalhada sobre a experiência de jantar no andar superior do estabelecimento, que funciona no sistema à la carte.

Bar Urca: O andar superior funciona no sistema à la carte

Bar Urca: O andar superior funciona no sistema à la carte

A vista maravilhosa do Bar Urca

A vista maravilhosa do Bar Urca

Como chegar:

  • Uber ou Cabify: Caso queira combinar metrô com um carro particular dessas empresas, a melhor estação é Botafogo, e a corrida até o destino dará mais ou menos R$12,00.
  • Táxi: Há muitos taxistas no local, inclusive em frente ao Restaurante.
  • Metrô: Não existe estação de metrô na Urca, mas você pode ir até a estação de Botafogo e lá pegar o ônibus de integração da Linha 513 que faz a rota Botafogo – Urca (na hora de comprar seu bilhete, informe que você quer pegar o ônibus de integração para a Urca).
  • Ônibus: 
  • Linha 581 – Linha Circular 1: Leblon x Cosme Velho (via Copacabana, Urca, Largo do Machado)
  • Linha 582 – Linha Circular 2: Urca – Leblon (via Jardim Botânico, Rebouças e Laranjeiras)
  • Linha 107: Central – Urca

Bar Urca: Mais informações

  • Endereço: Rua Candido Gaffrée, 205, Urca.
  • Tel.: 2295-8744
  • Instagram: @barurca
  • Não aceitam reservas aos finais de semana e feriados
  • Aberto diariamente

CONTINUE LENDO:

Inauguração do novo Corredor da Pérgula, no Copacabana Palace

Quem circulou essa semana pelas redondezas da piscina mais famosa do Rio deve ter visto o novo corredor da Pérgula, localizado em frente à piscina do Copacabana Palace e que conecta a Pérgula com o Restaurante Cipriani. Sempre de olho nas novidades, fui conhecer e representar o blog @apaixonadosporviagens, do qual sou atualmente colaboradora,  na inauguração do espaço.

Evento de inauguração do novo corredor da Pérgula

Evento de inauguração do novo corredor da Pérgula

Caro leitor, você pode está se perguntando o que teria de interessante em um corredor, mas tratando-se de Copacabana Palace sugiro que não subestime rs. Ter o potencial de apresentar um lugar bonito, agradável e que faz as pessoas se sentirem confortáveis, pensando sempre nos mínimos detalhes, faz da inauguração do corredor um evento. Evento esse que ocorre uma vez ao ano, que é a frequência com que mudam a decoração do ambiente.

O novo corredor, integrado à piscina e aos restaurantes, ganhou nova cara dia 28 de novembro com o projeto que contou com o trabalho da designer de interiores Paola Ribeiro, convidada pelo curador do espaço Arnaldo Danemberg, e em uma parceria de sucesso conseguiram transformar o ambiente num lugar contemporâneo e mais convidativo, tanto para os hóspedes que por ali circulam quanto para os não-hóspedes.

A designer, com carreira brilhante resultado de 20 anos de experiência, tem o dom de repaginar móveis antigos e rústicos em decoração contemporânea, e, junto com Arnaldo Danemberg, profissional ávido por encontrar peças interessantes em leilões, feiras e fazendas no interior da Europa, onde adquire boa parte das peças de seu Antiquário, fizeram do ambiente algo brasileiríssimo, alegre e a cara da estação que se aproxima.

Apesar de não ser da área, confesso que me encanto cada vez mais com os projetos de designers de interiores, profissional que tem a  capacidade de recriar e reaproveitar um móvel ou objeto que para muitos não tem mais utilidade. Pude ver isso na prática, por exemplo, com um sofá de madeira maciça que antes era uma mesa de centro e que foi ‘ressuscitada’ ao colocar diversos futons com estampas diversas por cima. Entre um petisco e outro, servido pelo Restaurante Pérgula, pude notar algumas particularidades como essa.

Comidinhas do Restaurante Pérgula

Comidinhas do Restaurante Pérgula

A dupla de peso escolheu criteriosamente os móveis que tornaram a área mais charmosa do que já era. O resultado foi uma reinvenção com história que faz alusão a uma memória de trabalho, repleta de antigos móveis que pertenceram anteriormente a um curtume, a uma boulangerie, a um florista, a uma tecelagem e a uma marcenaria, por exemplo.

Fazendo sua reserva de hospedagem no Belmond Copacabana Palace por esse link, você não paga nada a mais por isso e ainda ajuda o blog a se manter vivo! :)

Vale destacar os gaveteiros que pertenceram a uma tecelagem, duas bancadas portuguesas usadas por floristas, estrados de curtume e caixas oriundas de uma típica boulangerie francesa, além de baús diversos, que são a marca registrada do Arnaldo Danemberg Antiquário.

Confesso que fiquei encantada com as poltronas que ornaram o ambiente. Revestidas em charmosos tecidos com estampas modernas, as poltronas foram assinadas pela dupla Gregório Kramer e Attilio Baschera para a Donatelli, referência na área de tecidos e decoração. Segundo a designer Paola, ela escolheu a Coleção Brasiliana da dupla, pois de forma casual e elegante a coleção transmite bem as riquezas culturais do nosso país, o que podemos notar claramente nas fotos abaixo:

Novo corredor da Pérgula - Copacabana Palace

Novo corredor da Pérgula – Copacabana Palace

Novo corredor da Pérgula - Copacabana Palace

Novo corredor da Pérgula – Copacabana Palace

Para fechar com chave de ouro e enriquecer ainda mais o ambiente, belos abajures antigos, cestas de uvas portuguesas da região do Douro, mesas de vinhedo francesas, as ‘Table de Vendange’ – que servem também de mesas laterais – além de tapetes da Phenicia Concept para áreas externas. Os quadros da área levaram a assinatura da artista plástica Anamelia Moraes e contou com paisagismo de Christina Mendes, além de flores da Cultura Flor. Tudo isso, necessariamente, para compor o cenário alegre, despojado, leve e praiano que tem nosso Rio de Janeiro.

Caso curta decoração e design de interiores, uma ida ao Copacabana Palace é uma ótima pedida, e ao contrário do que possam pensar por aí eles são super abertos a não-hóspedes, que podem escolher um dos três restaurantes que o interior da casa abriga. É tudo muito refinado, clássico e de bom gosto. Quem topa? 🙂

CONTINUE LENDO:

Restaurante Pérgula, o reformadíssimo do Copacabana Palace

Pérgula: do italiano pergola, do latim pergula: construção saliente, balcão, varanda, latada. Procurar no dicionário o significado da palavra foi a primeira coisa que fiz ao receber o irrecusável convite pra cobrir um almoço maravilhoso no Restaurante Pérgula, pro blog Apaixonados por Viagens, que contou com a presença de outros três blogs do Rio de Janeiro.

Logo eu, que nunca havia ido ao hotel e que até hoje ouço as histórias do meu avô sobre o Copacabana Palace, onde ele adorava se hospedar quando vinha ao Rio. Poder ver de perto pelo menos um pouquinho do que o patriarca da minha família conta com saudades foi muito especial.

Após passar por uma reforma milionária, o restaurante, que não passava por uma grande reforma há 24 anos, finalmente reabriu suas portas todo reformulado: do teto ao chão, dos drinks aos pratos principais. O famoso picadinho que outrora foi o prato mais pedido do local, deu espaço a outras invenções criativas do chef Fillipe Rizzato, que aproveitou o período que o restaurante esteve fechado pra buscar inspirações em Londres, onde passou por uma reciclagem.

Apesar de ter buscado inspirações em terras britânicas, o cardápio é bastante enxuto e tem foco na comida brasileira, fresca, com ingredientes de qualidade e da estação. A ideia até então é poder mudar pelo menos 30% do menu a cada dois meses pra ter sempre produtos sazonais e frescos à mesa, e sempre com a mesma proposta: ser sofisticado, mas ao mesmo tempo descomplicado.

Interior do restaurante e ao fundo o bonito painel

Interior do restaurante e ao fundo o bonito painel

O projeto da reforma foi assinado pelo escritório de arquitetura Muza Lab, em Londres, o enorme painel foi desenhado pela artista francesa Dominique Jardy, que é impossível passar despercebido, e móveis com pedras brasileiras e cadeiras conceito do designer Sérgio Rodrigues. No chão, um belo trabalho de revestimento feito pela mosaicista Marinella Spadon em mármore branco Paraná e granito preto.

Restaurante Pérgula: Detalhes do novo piso

Restaurante Pérgula: Detalhes do novo piso

A Pérgula existe desde 1949 e já foi palco de grandes encontros desde então. Pessoas da alta sociedade brasileira e celebridades internacionais já chamaram de casa o hotel por uns dias, arrancando suspiros de quem passa por fora. Entre essas celebridades, uma curiosidade: Vocês sabiam que foi sentado na varanda do restaurante que Walt Disney se inspirou pra criar o famoso personagem Zé Carioca? 🙂

A piscina mais icônica do Rio de Janeiro: Copacabana Palace

A piscina mais icônica do Rio de Janeiro: Copacabana Palace

Localizado dentro do majestoso Hotel Copacabana Palace, o restaurante pode ser apreciado de diferentes ambientes: da parte interna, refrigerada e com vista para a Avenida Atlântica, da parte externa, coberta e com vista pra piscina e de outra área mais próxima à piscina ainda, bom para aqueles que estão realmente curtindo esse espaço do hotel.

Vista pra Avenida Atlântica

Vista pra Avenida Atlântica

Imaginem quantas crises nosso país já enfrentou desde 1949, quantos estabelecimentos abriram e fecharam, quantas mudanças de tendências tanto na gastronomia quanto na área de design e decoração já passamos. E imaginar que o restaurante não desce do salto por todo esse tempo é realmente de aplaudir de pé: ter a capacidade de se reinventar, atender às mais exigentes demandas e formular cardápios novos são desafios pelo qual o restaurante passou e passa e que felizmente dá um show.

Fazendo sua reserva de hospedagem no Belmond Copacabana Palace por esse link, você não paga nada a mais por isso e ainda ajuda o blog a se manter vivo! :)

Por falar em arquitetura e decoração, outra novidade é que a piscina do hotel também foi reformada durante o inverno e, apesar de não ter mudado seu clássico conceito, teve todo o mobiliário atualizado e contou com o paisagismo de Burle Marx e uma Pool Bar, que antes não existia. Como dica, sugiro que curtam o Pool Bar aos goles de Mojito Carambola, o drink que ganhou meu coração: leve, suave e refrescante, ótima opção para o verão que se aproxima.

Ou que tal esse drink na beira da piscina?

Ou que tal esse drink na beira da piscina?

Por falar em bebidinhas, a carta de drinks está incrível e diferente. Na ocasião pudemos experimentar alguns deles, em especial os “coconuts”, que são drinks servidos dentro de um coco fresco com as bebidas favoritas de antigos famosos do hotel. O nome dos drinks faz referência ao nome dos famosos, como Edith Piaf, Mary Pickford, etc.

Mojito Carambola no centro

Mojito Carambola no centro

Pudemos percorrer todo o cardápio e provar praticamente tudo, mas os meus destaques vão para o tempura de camarão e aspargos como entrada, risotto de beterraba e queijo de cabra e não menos interessante o Carré de cordeiro com salada de couscous marroquino. E como não podia faltar: a sobremesas são maravilhosas! Sinceramente não consegui eleger uma favorita. Ponto alto para a apresentação, beleza e sabor dos pratos, com destaque para o “cacau de chocolate”, recheado com sorbet de cupuaçu e 53% de cacau brasileiro e chocolate. Sou paraense né gente? De cupuaçu eu entendo! 🙂 Além disso, vale destacar também que a de ovos nevados com purê de frutas vermelhas estava de comer rezando!

Opções de entrada do Restaurante Pérgula

Opções de entrada do Restaurante Pérgula

Tempura de camarão e aspargos

Tempura de camarão e aspargos

Pratos principais: À esquerda o carré de cordeiro e à direita (à frente) o bife ancho angus com feijão cavalo e farofinha (carne super macia!)

Pratos principais: À esquerda o carré de cordeiro e à direita (à frente) o bife ancho angus com feijão cavalo e farofinha (carne super macia!)

Opções maravilhosas para sobremesa: Leves, saborosas e brasileiríssimas!

Opções maravilhosas para sobremesa: Leves, saborosas e brasileiríssimas!

Outra coisa legal do novo restaurante é que tem uma “show kitchen” integrada ao salão, onde podemos interagir com o chef e vê-lo preparando e finalizando os pratos, em um grande balcão e ambiente com churrasqueira à lenha e carvão.

Nova Show kitchen do Restaurante Pérgula

Nova Show kitchen do Restaurante Pérgula

Preciso voltar a falar do curioso risotto de beterraba, que não é algo que normalmente eu pediria ao ir num restaurante, mas que me surpreendeu muito. Já tinha ouvido falar que era bom, mas ao provar realmente tive a certeza. A combinação do risotto com queijo de cabra harmonizou perfeitamente e é algo que certamente eu pediria na minha segunda ida ao local.

Risotto de beterraba, queijo de cabra e agrião

Risotto de beterraba, queijo de cabra e agrião

O tempura de camarão é servido em porção pequena e individual pela quantidade que serve. Por ser muito bom, também não dá vontade de dividir com ninguém rs. Camarão bem grande, empanado, crocante, nada oleoso e bastante sequinho. De comer rezando com os deliciosos aspargos e purê de batata roxa.

E pra alegria dos vegetarianos uma das opções de prato principal é a moqueca de shitake, arroz basmati e caju caramelado que sem dúvidas fica até fácil ser vegetariano assim rs. O aroma do caju aliado às porções generosas de shitake combinaram bem e a apresentação do prato estava impecável. Por falar em pessoas com restrições alimentares, o cardápio atende bem todo mundo: vegetarianos, celíacos e pessoas com intolerância à lactose, além dos carnívoros, claro.

Moqueca de shitake, arroz basmati e caju caramelado

Moqueca de shitake, arroz basmati e caju caramelado

Após muitas taças de espumante e comidinhas deliciosas, fomos conhecer os bastidores da Pérgula e tivemos o prazer de percorrer a cozinha com o chef e ver de perto onde os 38 funcionários do espaço ficam a topo vapor. A cozinha funciona nos três turnos de maneira muito otimizada e confesso que fiquei impressionada com o tamanho, que é relativamente pequeno frente à demanda que tem. E funciona tudo de maneira bastante organizada e eficiente, cumprindo de maneira louvável aquilo que se comprometem a entregar para os clientes.

Cozinha da Pérgula

Cozinha da Pérgula

Após provarmos de quase tudo, sinceramente posso dizer que adorei a experiência. Achei a apresentação dos pratos impecável, sabor excelente, todos servidos na temperatura ideal e em louças super bonitas e com toque contemporâneo, ambiente com decoração moderna, alegre e clean, e não menos importante tem um atendimento 5 estrelas, desde a equipe da cozinha, garçons, bar, hostess, como um hotel Belmond não poderia deixar de ser. Certamente é um local que voltarei com meu marido, especialmente pro brunch, que ainda não conheci. 🙂

Deixo-os agora com mais fotinhos para que fiquem babando:

Opção de entrada: Vieiras grelhadas, salada de feijões, creme de abóbora, farofinha e molho de maracujá

Opção de entrada: Vieiras grelhadas, salada de feijões, creme de abóbora, farofinha e molho de maracujá

Opção de prato principal: Polvo grelhado, batatas ao murro e molho romesco

Opção de prato principal: Polvo grelhado, batatas ao murro e molho romesco

Opções de sobremesa: Ovos nevados com purê de frutas vermelhas e atrás sorbet de sorvete de frutas diversas, em especial frutas brasileiras

Opções de sobremesa: Ovos nevados com purê de frutas vermelhas e atrás sorbet de sorvete de frutas diversas, em especial frutas brasileiras

Informações importantes:

O restaurante funciona diariamente para café da manhã, almoço, jantar, drinks e para o brunch aos domingos nos seguintes horários:

Café da manhã: Segunda à sexta – 6:30 às 10:30h / Sábados, domingos e feriados – 7:00 às 11:00h

Almoço: Segunda a Sábado – 12:00 às 17:00h

Brunch: Domingos – 13:00 às 16:00h

Jantar: Domingo a quarta – 18:00 à 00:00h / Quinta a Sábado – 18h às 02:00h (cozinha fecha à 00:00h)

Horários de funcionamento: Pool Bar / Bar da Piscina

Domingo à quarta de 12:00 às 19:00h (exceto domingo que abre às 10h)

Quinta a Sábado de 10:00 à 00:00h

Endereço: Belmond Copacabana Palace – Av. Atlântica nº 1702, Copacabana.

Reservas: (21) 2545-8787

Email: reservations.brazil@belmond.com

Wi-fi: Sim

Valet: Sim

Onde comer em Cape Town: Minhas experiências

Frutos do mar, ótimas carnes, bons doces e vinhos, o que não vai faltar são opções de onde comer em Cape Town. Durante minha estadia de 7 dias, conheci muitos bons restaurantes que valem a pena contar pra vocês.

Pra quem está hospedado nas redondezas do Victoria & Alfred Waterfront, saiba que terá à sua disposição uma variedade enorme de bons restaurantes, bares e lanchonetes no complexo. Como era relativamente perto do hotel onde me hospedei, comi em diversas ocasiões lá.

Dentre os restaurantes que mais gostei na cidade e que merecem atenção:

  • GIBSON’S GOURMET BURGERS & RIBS

Especializado em hambúrguer e costela de porco, pedi um cheeseburger de queijo gorgonzola com bacon (jaquei). Assustadoramente grande, ainda veio acompanhado de batata doce frita. A propósito, eles comem muita batata doce por lá e ficam muito saborosas quando fritas. Eu não sou o tipo de pessoa que come pouco, mas confesso que não consegui comer todo o sanduíche, pois era realmente MUITO grande. O pão era macio, a carne gostosa e com bastante gorgonzola, que pode ser forte pra quem não é fã do queijo.

Além dos sanduíches, eles tem uma variedade enorme de milk-shake, mas não posso opinar pois não tomei. Não é a hamburgueria mais barata que você vai encontrar, mas certamente vale a pena.

Endereço: Shop 157 Lower Level, V&A Waterfront

GIBSON'S GOURMET BURGERS & RIBS

GIBSON’S GOURMET BURGERS & RIBS

  • V&A WATERFRONT FOOD MARKET

Mercado imperdível de conhecer em Cape Town, pois lá você encontra de tudo e dificilmente sairá insatisfeito. Além de muito bonito e com boas instalações, há uma variedade enorme de tudo: pizza, comida africana, vinhos, doces diversos, cervejarias, sanduíches e lojinhas diversas. É do tipo que compra e come em pé, ou encostado em algum balcão, de forma bem descontraída. Na ocasião compramos carne seca de gnu, que eles costumam comer como um snack. Particularmente o sabor não me agradou, mas meu marido gostou e trouxe até pro Brasil.

As pessoas costumam ir pra lá pra fazer um happy hour e beliscar alguma coisa, o que pareceu bem legal.

Endereço: Dock Rd, Victoria & Alfred Waterfront.

V&A WATERFRONT FOOD MARKET

V&A WATERFRONT FOOD MARKET

Carne seca de gnu

Carne seca de gnu

V&A WATERFRONT FOOD MARKET

V&A WATERFRONT FOOD MARKET

  • BEERHOUSE

Num dia que havíamos almoçado tarde e não estávamos com fome, fomos à noite pra Beerhouse, onde pudemos conhecer algumas boas cervejas sul-africanas. O lugar, como o próprio nome sugere, tem 25 torneiras de chopp e 99 tipos de cerveja, com destaque para as locais.

O ambiente é bem descontraído, e como a maioria dos bares e restaurantes da Long Street, fica nos altos, não no térreo. Há outros atrativos no local, como karaokê, DJ e música ao vivo. A área externa (que tem vista pra Long Street) é reservada aos fumantes. O cardápio de comida é bem restrito, mais voltado para petiscos e alguns hambúrgueres. Ficamos nos petiscos e nas cervejas e achamos que valeu muito a pena!

Endereço: 223, Long Street.

BEERHOUSE CAPE TOWN

BEERHOUSE CAPE TOWN

Onde comer em Cape Town

Onde comer em Cape Town

  • THE BUTCHER

Localizado no Shopping Promenade, uma espécie de galeria com vista pro mar, é uma boa pedida pra almoçar olhando o mar e todo o burburinho da badalada Camps Bay. Na ocasião pedimos o “week special”, em que comi um contra-filé saboroso e meu marido frutos do mar, acompanhado de um bom vinho Shiraz e malva pudding de sobremesa. A conta ficou em R440, sendo que tomamos uma garrafa de vinho enquanto apreciávamos um belo pôr do sol.

A propósito, Malva pudding é algo que sempre estará presente nos cardápios do país (vide foto de capa). É a sobremesa queridinha dos sul-africanos e tem toda razão de ser. É um tipo de bolo esponjoso e fofinho servido sempre morno e às vezes com uma bola de sorvete. É super gostoso e comi em quase todos os restaurantes que fui rs.

Endereço: Victoria Road, Promenade, Camps Bay.

  • OCEAN BLUE

Outro restaurante localizado em Camps Bay, exatamente do lado do restaurante do tópico anterior. Restaurante muito bonito, decorado com orquídeas brancas e bastante clean, casando perfeitamente com o charme da famosa praia.

Pedi uma massa com salmão defumado que estava ótima, assim como o vinho. Pra ser mais exata, gostei de todos os vinhos que tomei nessa viagem, o que me surpreendeu. O restaurante é uma boa pedida pra quem está na praia e quer almoçar com direito a uma vista bonita.

Endereço: Shop 3, The Promenade, Camps Bay.

Cardápio Ocean Blue Cape Town

Cardápio Ocean Blue Cape Town

  • MARCH OF TIME: AFRICAN CUISINE AND LIVE MUSIC

No dia que fomos nesse restaurante estávamos na verdade indo no Mama África, outro restaurante famosinho da cidade e que serve além da comida típica, a experiência em um restaurante africano. Infelizmente o Mama África estava fechado por uns dias, pois havia ocorrido um incêndio na cozinha e estava interditado.

No entanto, partimos em busca de outro restaurante nas redondezas em que pudéssemos ter uma experiência semelhante e então entramos no March of Time, que nos chamou atenção pela bonita decoração. Ainda era cedo, então o restaurante estava vazio e ainda não tinha começado a música ao vivo que costuma tocar à noite num palquinho instalado dentro do local.

MARCH OF TIME: AFRICAN CUISINE AND LIVE MUSIC

MARCH OF TIME: AFRICAN CUISINE AND LIVE MUSIC

O atendimento sem dúvidas foi um dos melhores de nossa viagem. O garçom, um rapaz muito simpático que adotou o nome de “Richard” ao chegar em Cape Town, é na verdade do Zimbabue e nos deu muitas dicas sobre a cidade, nos contou muitas curiosidades sobre seu país, além de nos ajudar a escolher o prato. A comida chegou com ótima apresentação e sabor forte, e com as características dos pratos sul-africanos: apimentado, aromático e muito farto.

Onde comer em Cape Town: Papa típica sul-africana

Onde comer em Cape Town: Papa típica sul-africana

Não pude deixar de notar que as mesas nesse restaurante são super baixas. Se você como eu não é a pessoa mais baixa do mundo, pode estranhar. Perguntei pro garçom e ele curiosamente disse que muitas pessoas preferem comer sentadas no chão.

Onde comer em Cape Town

Onde comer em Cape Town

Achei esse local o mais “autêntico” no que tange à originalidade dos pratos e sem parecer pega-turista. Na África do Sul costumam comer carne de animais de caça, como avestruz, javali e gnu, o que pode soar exótico para brasileiros. Resolvemos provar carne de avestruz e gostamos. Um acompanhamento muito comum é a papa, feita da farinha de milho. Além da papa, costumam comer arroz do tipo soltinho e gostoso, mas não colocam sal, o que podemos estranhar.

Onde comer em Cape Town: Comida típica sul-africana

Onde comer em Cape Town: Comida típica sul-africana

Esse restaurante tem preço um pouco acima da média, mas achei que valeu a pena e por isso incluo aqui no post.

Decoração

Decoração

Endereço: 89, Long Street.

  • MARCOS AFRICAN PLACE

Fomos jantar nesse local por indicação do garçom Richard, do tópico anterior. O ideal é que se faça reserva antes de se dirigir ao local, pois é muito procurado e lota, apesar de ser bem amplo. Como não sabíamos, enfrentamos uma fila de espera grande, e ficamos no bar pra passar o tempo.

Esse restaurante também é de comida típica e tem música ao vivo, o que faz toda diferença. A banda era muito animada e interagiam bastante com os clientes, o que fez eu adorar a experiência. O atendimento também era ótimo, além da decoração. Apesar de tantos prós, a comida achei que podia melhorar. Comi uma espécie de strogonoff e meu marido carne de javali, e achei que o prato dele estava melhor que o meu. Mas pela experiência e diversão, valeu. 🙂

Prato do marido

Prato do marido

Música ao vivo em Cape Town

Música ao vivo em Cape Town

Endereço: 15, Rose Street, Schotsche Kloof, Cape Town.

  • HARBOUR HOUSE

Há uma história por trás de nossa ida a esse restaurante. Era meu aniversário, meu marido fez uma reserva com uma semana de antecedência e fez algumas solicitações especiais, que até então eu não sabia pois seria surpresa. Ao chegar no local fomos surpreendidos por um péssimo atendimento, não no sentido de terem nos tratado mal, mas de não atenderem às solicitações. Na verdade nem ligaram que ele já tinha uma reserva, apenas nos alocaram em uma mesa qualquer e pronto.

Visivelmente decepcionado, acabei ficando triste também. Mas como já estávamos lá e estávamos com fome, só nos restou comer. Por sorte a comida era muito boa, e esse é o único motivo pelo qual o restaurante está no post. Vá com fome, não com expectativa de bom atendimento. Pedimos uma massa com diversos frutos do mar: amêijoas, camarão e lula. O sabor estava ótimo, assim como o vinho servido.

Harbour House Cape Town

Harbour House Cape Town

O restaurante contraditoriamente ao serviço prestado é meio chique, tem preço acima da média e fica no complexo de Waterfront. Deixamos bem claro nosso descontentamento e não pagamos gorjeta alguma.

Zero de gorjeta

Zero de gorjeta

Como comida não é tudo num local e era uma ocasião super especial (celebração dos meus 30 anos) acabamos saindo de lá pra ir pra outro restaurante que conhecemos no início da viagem e amamos. No próximo tópico conto o porquê.

Endereço: Quay 4 Pierhead, Waterfront.

  • THE DECKHOUSE CRAB SHACK

O restaurante que mais gostei de conhecer em Cape Town, longe do burburinho turístico mas que vale muito a pena pagar um Uber pra ir. Durante o dia tem vista pra Table Mountain, o que não acontece à noite, turno em que fomos nas duas vezes. O ambiente é super agradável, lindamente decorado, com direito a luz de velas e atendimento excepcional. Música ambiente agradável, aliada a ótima qualidade da comida, nos fizeram morrer de amores pelo local.

THE DECKHOUSE CRAB SHACK

THE DECKHOUSE CRAB SHACK

O que vou falar é meio arriscado e ousado, mas lá comi a melhor lula frita da vida, que vinha acompanhada de molho tártaro e fritas. Sabemos que lula não é algo fácil de preparar, pois facilmente passa do ponto e fica borrachuda. A de lá era perfeita: extremamente sequinha, crocante e saborosa.

Restaurante Deckhouse Cape Town

Restaurante Deckhouse Cape Town

Em nossa primeira visita ao restaurante além da lula pedimos um balde de caranguejo, servido de forma bastante diferente do que estamos acostumados no Brasil. O caranguejo, como o nome sugere, é o carro-chefe da casa e é servido com um molho maravilhoso. O acompanhamento que a garçonete sugeriu que pedíssemos soou estranho no primeiro momento, pois era uma torta de batata doce que mais parecia uma sobremesa. Apesar de ter estranhado, não sobrou nada.

Onde comer frutos do mar em Cape Town

Onde comer frutos do mar em Cape Town

O restaurante nos surpreendeu positivamente e por esse motivo resolvemos voltar na noite do meu aniversário pra comer mais uma vez a lula, apesar de já estarmos sem fome rsrs. Em determinado momento me ausentei pra ir ao banheiro e meu marido ‘armou’ com a garçonete, que trouxe um bolinho com vela e cantou “happy birthday” com a gente. Foi lindo e inesquecível, e depois de uma noite que havia começado com chateações, fechamos com chave de ouro! 🙂

Comemoração de aniversário no Deckhouse Cape Town

Comemoração de aniversário no Deckhouse Cape Town

Endereço: 108 Kloof Street, Gardens.

Outras sugestões de onde comer em Cape Town

Outros restaurantes bem conhecidos na cidade, mas que acabei não indo e que incluiria facilmente numa próxima viagem são:

  • Gold (comida africana);
  • The Test Kitchen (considerado o melhor restaurante do continente africano – necessário reservar com meses de antecedência);
  • The Butcher Shop and Grill: apesar de eu não ter ido na unidade de Cape Town fui na de Joanesburgo e gostei bastante.

Comemos em outros lugares durante nossa estadia, mas os que acredito que merecem citação no post são esses aqui.

E vocês? Já foram em algum desses? 🙂

4 lugares pra comer no Rio sem gastar uma fortuna

Tratando-se de Rio de Janeiro, o post torna-se desafiador. Em tempos de preços estratosféricos na capital carioca, comer fora geralmente não é uma boa ideia dependendo do orçamento da pessoa. Muitas vezes não estamos com a menor vontade de cozinhar ou então queremos comer algo gostoso sem ir à falência, e pensando nessas pessoas escrevi esse post com opções de 4 lugares pra comer no Rio sem gastar uma fortuna.

Vale ressaltar que nenhum lugar aqui vai ser de fato uma pechincha, mas mais barato do que a média do mesmo nível levando em consideração comida pra duas pessoas ou individuais em bairros com apelo turístico.

A ideia do post é atualizá-lo à medida que eu for conhecendo mais lugares interessantes e que tenham a mesma proposta.

Stalos Copacabana

Esse lugar, em funcionamento 24h por dia, serve bem que não está de dieta rsrs. As vitrines coloridas e chamativas saltam os olhos dos mais esfomeados. Porém, nem só de lanche vive o Stalos, as refeições são boas e MUITO bem servidas. A lógica lá é a seguinte: um prato individual serve bem duas pessoas. O prato pra duas, serve bem até quatro (e assim por diante). Gasta-se em média R$70 pra comer algum prato de filé mignon no local (sem bebida alcoólica, que costuma ser cara no estabelecimento).

Foto retirada do site oficial do Stalos

Foto retirada do site oficial do Stalos

Onde: Av. Nossa Senhora de Copacabana, 986.

Galeto Liceu

Outro restaurante que costuma ter porções generosas em suas mesas é o Galeto Liceu. Em funcionamento desde 1943, é possível dividir um galeto desossado que teoricamente seria pra uma pessoa, mas que serve muito bem duas ao ponto de repetir. Gasta-se em média R$60 (sem bebida alcoólica). Há uma unidade no centro da cidade e outra no burburinho da Rua Nelson Mandela, em Botafogo.

Da Silva

Especializado em comida portuguesa, a área do buffet oferece uma vista de tirar o fôlego. No almoço funciona no esquema self-service e apesar de não ser dos mais baratos, a dica de ouro é ir a partir de 14h, quando o valor do kg cai pra R$79,90. Continua não sendo uma pechincha, mas tratando-se da qualidade da comida e do ambiente, acho que vale a pena incluir aqui.

Diversas receitas de bacalhau são servidas diariamente, com destaque para os bolinhos de bacalhau (bacalhau mesmo, não batatal rs). As sobremesas também ganham destaque: variadas e gostosas (com amores pelo creme de nozes). Meu gasto médio lá (por pessoa) é de R$35,00 (normalmente com sobremesa rs).

OBS1: Como sempre vou no self-service, não há cobrança dos 10% de gorjeta.

OBS2: A promoção é válida apenas durante a semana. Aos finais de semana o preço é sempre o mesmo.

Onde: 5º andar do Botafogo Praia Shopping.

Vista do Da Silva: Lugares pra comer no Rio sem gastar uma fortuna

Vista do Da Silva: Lugares pra comer no Rio sem gastar uma fortuna

Da Silva: Restaurante Português

    Da Silva: Restaurante Português

Tomate

Localizado em plena Av. Lúcio Costa, em meio a prédios elegantes e luxuosos, o Tomate chama atenção justamente pelo oposto: é super pequeno, simples, cadeiras e mesas de plástico na estreita calçada e fila de espera por uma mesa. O que contrasta com os restaurante vizinhos, que, pelo menos das vezes que fui, não tinham muita gente.

O Tomate é um pequeno restaurante de administração familiar cujos donos são portugueses. Como não podia deixar de faltar, servem deliciosos bolinhos de bacalhau que são vendidos por unidade, não porção (R$3/cada).

Só abre para o almoço e está estrategicamente localizado em frente à Praia da Barra, ótima opção pra quem quer comer bem na região sem gastar muito. A comida é farta, o atendimento uma simpatia, o preço justo. Além de servirem comida caseira, sem frescura e com sabor. Caso você não abra mão de boas louças e frufrus, não é o ambiente certo pra você.

Espeto de carne e seus acompanhamentos (R$25)

Espeto de carne e seus acompanhamentos (R$25)

Não deixem de pedir esse pudim: é maravilhoso!!! (R$9)

Não deixem de pedir esse pudim: é maravilhoso!!! (R$9)

Endereço: Avenida Lúcio Costa, 2860 – Barra da Tijuca, Rio de Janeiro – RJ.

Onde comer em Belém

Opções de onde comer em Belém não faltarão, e vou compartilhar com vocês 5 opções que adorei incluir em minha última viagem à cidade das mangueiras. Alguns já conhecia, outros ainda não.

Apesar de ser da cidade, já me mudei de lá há mais de 8 anos, mas sempre que vou tem algo a conhecer quando o assunto é gastronomia. Sempre que me perguntam qual o meu tipo de comida preferida, respondo com orgulho que a brasileira, mais especificamente a paraense. E só quem conhece sabe porquê. 🙂

Sushi Ruy Barbosa

Não lembro ao certo se já tinha falado aqui no blog, mas é meu restaurante favorito na cidade, mais especificamente o meu prato preferido. Além da música ambiente deliciosa e ambiente super confortável, a comida é muito boa. O prato do qual me refiro é o Filhote Ruy Barbosa: Filhote em crosta de castanha-do-Pará com risoto de jambu e queijo coalho. É divino! Pra acompanhar sugiro pedir um dos drinks que o restaurante oferece como diferencial. Média de R$100 por pessoa. Onde: Tv. Rui Barbosa, 1816 – Batista Campos.

Filhote Ruy Barbosa

Filhote Ruy Barbosa

Amazon Beer

Num fim de tarde fui com meus amigos pra Estação das Docas, clássico lugar de encontro de locais e turistas e que não perde a qualidade. Nessa ocasião pedi uma porção de 6 unhas de caranguejo servidas quentinhas e sequinhas, como gosto. Apesar do preço super salgado (R$49) achei muito bom. Pra acompanhar, peça um chopp próprio da cervejaria. Ainda não tinha tomado o de cupuaçu e gostei. Bom pra tomar só um, pois por ser muito exótico pode ser que fique enjoativo. Apesar de não ter comido dessa vez, recomendo a linguiça de metro pra petiscar. Onde: Rua Boulevard Castilhos França,, s/n – Estação das Docas.

Unha de caranguejo do Amazon Beer

Unha de caranguejo do Amazon Beer

Portinha

Com funcionamento apenas de sexta a domingo, a Portinha é um clássico da Belém antiga que eu nunca havia experimentado nada. Fizemos uma festinha na casa de um amigo e encomendamos salgadinhos de lá e pude provar vários de uma tacada só.

Como o próprio nome já diz, o local trata-se de uma portinha minúscula em que as pessoas fazem fila pra comer na calçada. Sem luxo, apenas uma mesa, três cadeiras e muito sabor. Vendem salgados feitos com produtos regionais, nada de coxinha com catupiry rs. Esfiha de pato com jambu, pastel com bacon, lombinho, camarão com jambu etc. Abre a partir das 17h e se quiser encomendar o cento de salgadinhos, custa R$70. Onde: Rua Dr. Malcher, 436 – Cidade Velha.

Roxy Bar

Em funcionamento há mais de 25 anos, por incrível que pareça eu nunca tinha ido ao Roxy. Não por falta de vontade, mas sim por falta de paciência de esperar tanto por uma mesa devido às longas filas. Nessa ocasião fui numa segunda-feira e passei direto pra uma mesa, mas mesmo em plena segunda o restaurante estava bem cheio.

A decoração é bem temática com grandes nomes do cinema e da televisão, assim como o nome dos pratos que leva o nome de pessoas famosas. O prato mais pedido é o filé saddam hussein, que é um medalhão de filé-mignon alto, coberto por presunto e queijo, acompanhado por arroz à piemontesa, batatas francesas e farofa de ovo.

Fui na contra-mão do mais pedido e optei pelo Filé Charlton Heston: pedaços de filé refogados com temperos e cobertos por densas camadas de requeijão e batata palha, acompanhados de arroz à piemontesa. Pasmem: um prato serviu meu irmão, minha mãe e eu. Entrou pra lista de opção boa e barata em Belém. Média de R$50 por pessoa. Onde: Av. Senador Lemos, 231 – Umarizal e Rod. Transmangueirão, 1754 (Shopping Center Bosque Grão-Pará).

1 minuto de silêncio por essa sobremesa

1 minuto de silêncio por essa sobremesa

Largo da Palmeira

Localizado no centro da cidade, bem no meio do vucu-vucu da área comercial, o restaurante oferece opções à la carte e self-service, com opções de pratos tradicionais e regionais. Na ocasião comi um camarão empanado maravilhoso que pedi à la carne e também camarão à baiana no self-service.

Além do buffet de comida, as opções de sobremesa também são ótimas, com destaque para o creme de bacuri com pedaços da fruta. O restaurante é bem amplo, bem decorado, refrigerado e com estacionamento bem ao lado. Vovô praticamente tem carteirinha de lá e é o ponto de encontro dos meus familiares rsrs. Onde: Rua Senador Manoel Barata, 719 – Campina.

Onde comer em Belém: Largo da Palmeira - ótima opção de self service no centro da cidade

Onde comer em Belém: Largo da Palmeira – ótima opção de self service no centro da cidade

Outros lugares que recomendo:

  • Remanso do Bosque, do chef Thiago Castanho (restaurante requintado de comida regional)
  • Manjar das Garças (restaurante requintado de comida regional contemporânea)
  • Tomaz Culinária do Pará (comida regional)
  • La Traviatta (destaque para a lasanha)
  • Doceria Abelhuda (doces diversos, destaque para as tortas e bolos)
  • Xícara da Silva (destaque para a casquinha de caranguejo)

E você? Conhece algum deles?

CT Boucherie, um restaurante de peso no Rio

As iniciais CT do nome do restaurante remetem às iniciais dos nomes dos fundadores, os chefs franco-brasileiros Claude e Thomas Troisgros. Aliás esse sobrenome tem peso, já que Claude ano passado foi homenageado pela revista britânica “Restaurant”, que elege os melhores restaurantes do mundo. Em breve pesquisa na internet descobrimos que a palavra “boucherie” significa “açougue” em francês. CT Boucherie: um restaurante tipicamente de carne, com toques franceses claramente adaptados ao paladar brasileiro. Uma combinação dessa tem como dar errado?

A fila de espera frequente já transmite a mensagem que não. E a boa e velha publicidade do boca-a-boca me fez querer conhecer o restaurante, do qual todos falavam muito bem, inclusive conhecidos franceses que estão morando no Brasil. Num sábado frio e preguiçoso na capital carioca me dei folga da cozinha e fui almoçar na unidade do Leblon (além dessa unidade, estão também no Jardim Botânico e na Barra da Tijuca). Fila de mais ou menos 40 minutos de espera e lá estávamos nós. 🙂

O ponto alto do restaurante é a carne bovina, mas servem também peixe, camarão, polvo, etc. O local funciona no sistema de rodízio inverso, no qual os acompanhamentos são servidos a todo momento e você escolhe um prato de carne (muito bem servido). Ao escolher um prato de carne grelhada, está incluso um molho, farofinha, rodízio de acompanhamento e batatas chips. Tudo, simplesmente TUDO que eu comi estava maravilhoso.

Pedi um filé mignon em crosta de ervas que estava divino, perfeitamente no ponto, temperatura ideal e com sabor muito equilibrado das ervas. Em poucos minutos após servirem a carne, não paravam de servir os acompanhamentos, entre eles: purê de batata baroa, risoto de quinoa, brócolis refogados, ratatouille, arroz colorido, purê de maçã com maracujá (amei), etc, etc, etc. As opções de acompanhamentos são muitas e atenderão bem certamente todos os paladares.

Filé mignon em crosta de ervas 

Filé mignon em crosta de ervas

Farofeira de carteirinha, sinto dificuldade em gostar de farofas por aí, geralmente acho sem graça, murcha ou sem sabor. A desse restaurante tirei o chapéu. Feita com farinha de rosca japonesa na manteiga de ervas e castanha de caju, é do tipo que comemos pura, sem acrescentar nada (sou dessas!). Temperada na medida certa, crocante na medida certa, conquistou meu coração na primeira garfada. 🙂

O atendimento é outro diferencial, do tipo que faz valer a pena os 12% de gorjeta cobrados no final da brincadeira. A garçonete que nos atendeu foi solícita do início ao fim, atenciosa em relação aos pratos, não deixava faltar nada de acompanhamentos e ainda palpitou no molho que combinava mais com minha carne, que foi o Bordelaise, que tem como base vinho tinto. Certeiro!

Meu marido pediu um Bife de Ancho Black Angus e também adorou. Dos restaurantes de carne que já fomos no Rio foi o que ele mais gostou até agora.

Bife de Ancho Black Angus

Bife de Ancho Black Angus

Acabei pulando a entrada e o couvert, e ainda bem que pulei… pois saímos mais que satisfeitos do restaurante após pedir a sobremesa, claro. Minha escolha preferida em restaurantes franceses, não deixaria escapar por nada a mousse de chocolate na colher. Mousse de chocolate meio amargo que não deixou o prato enjoativo em momento algum, acompanhada de lascas de amêndoas torradas. Como é muito bem servido, dividi com meu marido e foi uma ideia ótima. 🙂

Mousse de chocolate do CT Boucherie

Mousse de chocolate do CT Boucherie

A arquitetura do ambiente é muito similar aos bistrôs franceses, com janelinhas com vista pra rua e mesas externas, além de mesas super próximas uma das outras e com muitos detalhes em madeira de demolição, além de peças de presuntos expostas e peças vintage de decoração. Fotos antigas em preto e branco completam o local.

CT Boucherie

CT Boucherie

CT Boucherie

CT Boucherie

Fomos de carro e não tivemos dificuldade em estacionar nas redondezas da unidade do Leblon, mas antes tínhamos tentado ir na do Jardim Botânico e achar uma vaga foi missão impossível. Como a fome já estava grande, fomos de lá pra unidade do Leblon. O local conta com serviço de valet.

Durante a semana o restaurante oferece um menu executivo com um prato específico com rodízio de acompanhamentos a um preço mais acessível, na faixa de R$75. Ótima opção pra fugir da rotina durante a semana e presentear seu paladar.

Para consultar o cardápio completo e preços atualizados, eles disponibilizam no site oficial.

Amei e certamente vou voltar! 🙂

Onde: Rua Dias Ferreira, 636 – Leblon.

Telefone: (21) 2529-2329

Quanto gastar: Em média R$150 por pessoa

Funcionamento: Segunda à sexta 12:00 às 16:00/19:00 às 24:00 – sábado e domingo 12:00 às 24:00.

Não aceita reservas

Almoço especial de Páscoa do Restaurante Vizta

Nosso almoço de Páscoa esse ano teve um sabor diferente. Como estamos morando há pouco tempo no Rio e nossos pais não moram aqui, acaba que em ocasiões especiais ficamos um pouco “órfãos” e casa cheia de familiares não é uma realidade. Mas, pra nossa alegria e distração, fomos representar os amigos do @apaixonadosporviagens no almoço de Páscoa do Vizta, localizado nada mais nada menos que no 2º andar do Marina Palace, bem de frente pra praia. Se estiver procurando restaurante com vista no Rio, continue lendo! 🙂

Restaurante com vista no Rio de Janeiro

Restaurante com vista no Rio de Janeiro

Optamos por ir de carro, mas o restaurante tem fácil acesso de metrô (Estação Antero de Quental – linha 4). Caso vá de carro, tem estacionamento rotativo na rua (R$2/2h) ou algumas opções de estacionamento privado. Acabamos guardando o carro no Supermercado Pão de Açúcar (R$30/3h), mas depois descobri que tem um estacionamento da Usa Park muito próximo ao hotel, basta colocar no gps o endereço Rua João Líra, 95.

O Restaurante ofereceu um almoço especial de Páscoa para hóspedes e não hóspedes, e cumpriu muito bem o que se propôs. O almoço funcionou no esquema de buffet livre e podíamos nos servir à vontade. Já posso adiantar que comi muito e me esforcei ao máximo pra poder provar um pouquinho de cada coisa e contar aqui pra vocês (não que isso seja necessariamente um esforço kkk).

O estabelecimento ofereceu uma programação especial pra criançada, em que as próprias crianças prepararam cupcakes do jeito que queriam (com acompanhamento de uma funcionária muito simpática da equipe). Além de preparar os doces, tinham à disposição desenhos para colorir, tudo visando maior distração dos pequenos e oportunidade dos pais relaxarem mais no ambiente.

Por falar em simpatia, o atendimento merece destaque. Durante toda nossa permanência todos da equipe foram muito cordiais e solícitos. Pra ter uma ideia, pedi um suco de uva integral que estava no cardápio e o garçom disse que estava em falta, mas que podia fazer um suco de uva natural se eu quisesse (e não estava no cardápio). Achei muito legal da parte dele, e claro que não pude recusar. 🙂

Quanto às bebidas, fiquei só no suco de uva mesmo, não consumi bebida alcoólica pelo fato de meu marido ter que dirigir depois e eu não achar tão legal beber sozinha, mas nos foi apresentada uma carta de vinhos com opções tanto em garrafa quanto em taça (preços variam de R$38 a R$1150).

Pra começar, uma saladinha pra enganar o estômago, e como era Páscoa nada melhor que uma salada de bacalhau regada a muito azeite. Além da salada de bacalhau, mixei algumas opções mais tradicionais de folhas verdes e outros vegetais.

Salada de bacalhau

Salada de bacalhau

Bacalhau assado ao tomate confit, vagem e azeitonas

Bacalhau assado ao tomate confit, vagem e azeitonas

Mini penne com funghi e camarões salteados

Mini penne com funghi e camarões salteados

Como era buffet livre, tinham muitas opções disponíveis, e claro que bacalhau não podia faltar. Além da salada, tinha bacalhau assado ao tomate confit, vagem e azeitonas, como também outra opção de pescado, como Dourado ao molho de alcaparras e ervas frescas.

Os mais carnívoros não foram esquecidos, e serviram Mignon ao molho de chalotas e Parma crocante. Apesar de tentador, deixei a carne vermelha pra outro dia, mas não deixei pra outro dia o maravilhoso mini penne com funghi e camarões salteados. Gente, esse penne tava maravilhoso! O molho ótimo, camarão tamanho médio super suculento e com sabor acentuado do funghi (amei a combinação!).

Buffet do Restaurante Vizta

Buffet do Restaurante Vizta

Os acompanhamentos também mereceram destaque. A combinação de arroz com passas e pistaches harmonizou muito bem com o bacalhau, assim como a batatas assadas ao alho poró e cenoura ao mel e tomilho. Gostei muito da criatividade das combinações, que fugiram do óbvio e trouxeram mais protagonismo para o que seriam simples acompanhamentos.

Difícil foi ter que parar de comer pra guardar espaço pras sobremesas, pois tinham opções para todos os gostos! E o melhor, dava pra sentir que foi tudo feito naquele dia, especialmente pra aquela ocasião. Bati o olho e escolhi a primeira: torta de nozes com damasco, que estava divina. Açúcar no ponto, boa quantidade de nozes e damasco e maciez na massa. Como boa formiguinha que sou, não parei por aí. Peguei também um copinho de brigadeiro com uva que também estava ótimo, afinal, não podemos esquecer do protagonista das mesas de Páscoa: o chocolate. Ainda consegui espaço para as mini tarteletes e provei a de morango e maçã.

Mini tarteletes

Mini tarteletes

Além dessas opções que comi, haviam outras como torta floresta negra, colomba pascal e torta de dois chocolates. Como podem ver, um buffet muito farto e com ingredientes de qualidade. Pra completar, é possível usufruir de toda esse banquete acompanhado de uma vista espetacular que o ambiente proporciona: Praia do Leblon. Com janelões de vidro pra facilitar a visão, entre uma garfada ou outra podíamos acompanhar a movimentação num domingo ensolarado de feriado.

Almoço de Páscoa do Restaurante Vizta

Almoço de Páscoa do Restaurante Vizta

Conversando com a Milena, que nos recebeu na ocasião, ela contou que o restaurante sempre oferece menus especiais em ocasiões especiais, como Dia das Mães, Dia dos Namorados e Dia dos Pais. Cada um com uma programação diferente e voltada para o que está sendo comemorado. Adorei a novidade, imagina que luxo um jantar romântico no Dia dos Namorados com a vista maravilhosa do Leblon? 🙂

Decoração com muitos detalhes em madeira de lei e utilização de luz natural

Decoração com muitos detalhes em madeira de lei e utilização de luz natural

Confesso que ainda estou turistando na cidade onde moro, e algumas vezes desde que cheguei procurei na internet “restaurante com vista”, pelo fato de realmente apreciar momentos assim. Sou do tipo que “se tem vista, tem um tempero a mais”. Fiquei muito feliz e satisfeita com a experiência, que não poderia ter sido melhor, graças ao convite dos amigos Júlio e Lily, e à competência da equipe do Restaurante em caprichar no almoço.

Informações adicionais:

  • Endereço: Av. Delfim Moreira, 630, Leblon
  • Aberto ao público todos os dias
  • Horário: 6:30h às 23h
  • Aceita todos os cartões de crédito
  • R$105 por adulto. Crianças de 6 a 12 anos pagam meia. Crianças até 5 anos não pagam.
  • Reservas: (21) 2529-5700

Um lugar pra amar em Botafogo: Casarão 1903

O que seria o Casarão 1903? Um bar? Uma hamburgueria? Um restaurante? Pra nossa felicidade uma mistura de tudo isso, e ao contrário da maioria, consegue sim apresentar um ótimo trabalho fazendo um pouco de cada.

Eu já havia ido uma vez ao Casarão por morar bem perto, mas voltar lá nunca é demais! Ainda mais na companhia de blogueiros queridos que se uniram pra apresentar pra vocês o novo cardápio da casa, que fiz questão de destrinchar e voltar rolando pra casa.

Estavam presentes os seguintes blogueiros: Lily e Julio (Apaixonados por Viagens), Ana Paula e Diana (Viagens Imperdíveis), Lu e Vini (Te Vejo Pelo Mundo e @Amo_RiodeJaneiro), Maurício (Aventureiros), Zelinda (EmCantosFotográficos), Carlos (FanTrip), Camila (Coletivo de Viagem), Jéssica e Bruno (Deixa de Frescura), Tati (Cheap Trip), Mari (Mariana Viaja), Raquel e Oliver (UmaVoltaeMeia), Rafael (Para Viagem) e Di (Histórias da Di).

Encontro Casarão 1903 - Foto: Júlio (@apaixonadosporviagens)

Encontro Casarão 1903 – Foto: Júlio (@apaixonadosporviagens)

O atrativo do Casarão 1903 não é apenas a comida, mas sim um conjunto de coisas indispensáveis para que um estabelecimento seja um sucesso: bom atendimento, ambiente confortável, decoração linda, variedade gigantesca de bebidas e boa localização.

Casarão 1903

Casarão 1903

Construção datada de 1903 (o nome não é em vão), o casarão possui fachada tombada pelo Patrimônio Histórico, e conserva até hoje em seu interior resquícios originais, como as altas paredes em pedra que harmonizam suavemente com a decoração rústica focada em ferro, madeira e muitos objetos retrôs. Tudo isso acompanhado de boa refrigeração, essencial pra quem vive aqui na cidade dos 40 graus e não abre mão de um pouco mais de conforto.

Casarão 1903

Casarão 1903

Pra quem é do time das boas cervejas, a casa possui uma carta com mais de 200 rótulos de cervejas de todas as partes do mundo, especialmente artesanais carioquíssimas. Eu bebi um chopp Octopus (R$14), que foge do tradicional com sua leve amargura. A propósito, cervejas populares não são o foco do estabelecimento e por isso não vendem.

A primeira entrada foi a Spanish Eyes (Madonna) (R$36,90), que é simplesmente uma porção com 4 unidades de empanadas de mignon em tamanho ideal. Estava ótima, mas pode ser que pro meu paladar tenha faltado um pouquinho de sal, mas ainda assim muito boa! 🙂

Empanadas de mignon

Empanadas de mignon

Note que o nome dos pratos é uma homenagem aos clássicos musicais de vários ícones. Uma maneira bem divertida de, mesmo sem querer, lembrar de boas músicas…rsrs.

E quem aí gosta de James Brown? A segunda entradinha foi a The Chicken: drumetes crocantes de frango com molho bem apimentado e palitos de legumes (R$36,90). Essa porção é bem servida, com 10 unidades. Pra quem gosta de pimenta, uma boa pedida. Achei os drumetes bem saborosos e apesar de ser fritura, não tinha aquela pegada melequenta de óleo, sabe? Comi que repeti…rs.

Segunda entradinha

Segunda entradinha

E a terceira e que pra mim virou minha favorita (não só pela música!) foi a Live and Let Die (Gun’s and Roses): porção com 8 unidades de anéis de cebola doré recheadas com cheese de frango defumado (R$29,90). Ameeeeei essa entrada! Pena que não vou poder pedir quando voltar com meu marido, que é totalmente anti-cebola rsrs. Ou então como as 8! Que tal? 🙂

 Live and Let Die

Live and Let Die

Conhecemos também os drinks da casa, que na minha primeira visita não conheci. Meu marido pediu o Tutti Frutti (Elvis Presley) feito com vodka, morango, mix de limão e açúcar mascavo (R$32). Eu fui de Coldplay, ops, Yellow, feito com vodka, licor 43, suco siciliano, polpa de maracujá, xarope de açúcar, sementes de cardamono e club soda (R$32). Dos dois que provei, apesar de ter ficado em dúvida, acho que gostei mais do meu! Tanto que foi o primeiro a acabar na mesa…kkk.

Duelo de drinks!

Duelo de drinks!

E então chegara a hora dos sanduíches! Pedi o My generation (The Who): 180g de hambúrguer de fraldinha, patinho e bacon moído juntos, queijo cheddar e molho especial de cebolete (R$32,90). Meu sanduíche estava divino! Carne no ponto em que havia pedido, temperatura ideal, molho saboroso e pão super macio. Quem me conhece, sabe o quão importante pão é pra mim…rs. Pra completar, ainda veio acompanhado de uma saladinha da casa e chips de aipim, que adorei também. Achei o acompanhamento bem equilibrado e com porções bastante generosas.

My generation

My generation

Meu marido foi de Sultains of swing (Dire Straits): 180g de hambúrguer de cordeiro, maionese agridoce, queijo de cabra, grafite de bacon e crocante de banana da terra (R$34,90). Gente, tem como ser ruim? kkkk. Ele amou e não sobrou nada. Os acompanhamentos dele foram salada da casa e batata canoa.

Sultains of swing

Sultains of swing

A propósito, todos os sanduíches tem esse acompanhamento padrão: salada da casa, chips de aipim ou batata rústica ou batata canoa. Adorei a batata de lá, bem sequinha e saborosa. 🙂

Ainda sonhando com essas batatinhas!

Ainda sonhando com essas batatinhas!

Vale ressaltar que os sanduíches são muito bem servidos e quem come pouco pode não conseguir comer todo. Mas quem come muito… aí são outros quinhentos.

E quem disse que acabou?

A formiga que vive dentro de mim não poderia se empolgar menos com a sobremesa, né? Pedi a sobremesa dos deuses, ops, Paint it, black (Rolling Stones): Petit gateau 80% kumabo servido com sorvete de creme aliado a uma bela apresentação e explosão de sabor (R$26,90). Não sobrou. Aquele tipo de petit gateau que quando você corta o bolinho derrete um chocolate de dentro… maravilhoso!

Sobremesa

Sobremesa

E pra ficar ainda melhor, toda terça-feira tem música ao vivo com a banda Gui Lopes Trio, que tem em seu repertório clássicos como Legião Urbana, Cássia Eller, Beatles, etc. Ótima pedida pra quem quer comemorar um aniversário com algo mais animado e tem receio de não ter nada interessante em plena terça-feira. Agora você sabe que tem sim! 🙂

Nessa altura do campeonato eu realmente não conseguia mais nada, e não consegui provar outras sobremesas, mas oportunidades não faltarão. Aproveito e incluo aqui a informação de que é um estabelecimento bem democrático: oferece cardápio kids e sanduíches vegetarianos, ótimo pra quem tem mais restrições. E, por fim, agradeço ao Casarão 1903 a receptividade e parabenizo pela ótima opção de lazer na minha BotaSoho.

Onde é? Rua Marquês de Olinda, 94, Botafogo.

Como chegar? Indo de metrô, desça na Estação Botafogo e pegue a saída Muniz Barreto. Siga direto na Muniz Barreto até chegar na Marquês de Olinda, onde dobrará pra esquerda.

Dica de ouro pra quem vai de carro:

Reservas: Highlights info row image (21) 2551-9749 e 3085-6594

Funcionamento: Terça a domingo, a partir de 17:30h.

OBS: A visita ao estabelecimento foi uma cortesia para o blog, porém reflete inteiramente minha experiência pessoal.

Restaurante Gero, puro requinte no Rio

Esse fim de semana* fomos jantar no Restaurante Gero, do luxuosíssimo Grupo Fasano. Decidimos ir em cima da hora e fiquei com certo receio de não ter mesa disponível, então liguei pra fazer uma reserva e dei sorte de ter conseguido. Sugiro que faça uma reserva sempre, pois o restaurante só tem capacidade para 60 pessoas.

O Gero é um restaurante italiano sofisticado cuja matriz é em São Paulo e tem uma filial aqui no charmoso bairro de Ipanema. Utilizamos o serviço de valet (R$18), pois é bem complicado achar uma vaga disponível nas redondezas em pleno sábado à noite. Recomendo que vá de táxi ou utilize o serviço de valet caso não queira perder horas procurando uma vaguinha e se estressando…rs.

De cara notamos que o atendimento seria maravilhoso, do tipo que tem um garçom sempre a postos pro cliente, sorriso no rosto e muita discrição. A decoração é rústica, com paredes de tijolinhos e piso em madeira, mas tudo muito bem projetado por algum arquiteto de bom gosto.

Restaurante Gero

Restaurante Gero

Coisa feia né? Chegamos com fome e não resistimos ao couvert servido, com diversos pães morninhos, patês e grissinis. Tudo muito gostoso e irresistível. Um deleite pra mim, que amo pão… rsrs (R$30 por pessoa). Vale destacar também as deliciosas abobrinhas fritas! Meu marido não gosta de abobrinha mas não resistiu a essas.

Couvert

Couvert

Pedi a bebidinha do verão para acompanhar, um aperol sptriz muito bem apresentado. Papo vai, papo vem, e então chegara a hora do prato principal: minha escolha foi a lasanha de bacalhau e brócolis, que é do tipo que derrete na boca e muito, mas MUITO boa! Temperos na medida, sal na medida, massa na medida e temperatura também. Pena que custava R$109,00 e não dá pra comer todo dia…rsrs.

Prato principal

Prato principal

A escolha do meu marido foi talvez o prato mais refinado do restaurante, uma costela de cordeiro com arroz de açafrão, molho de trufas negras e foie gras frito por cima. Divino! A carne veio extremamente suculenta, no ponto em que havia sido pedido, temperatura ideal e bela apresentação. A brincadeira desse prato mais metido à besta custou R$198,00.

Prato principal

Prato principal

A quantidade é algo interessante de comentar. Como vocês podem notar, os pratos são realmente apenas para uma pessoa, mas pra comer muito bem. Como havíamos comido couvert, nem conseguimos encarar as sobremesas. Passamos direto pro cheiroso chá de hortelã que nos foi servido com biscoitos.

Apesar de não ter comido sobremesa, vi opções como Tiramisú, suflê de chocolate, torta de limão, etc. As sobremesas tem um preço médio de R$43,00.

Jantar no Gero não é apenas um jantar, e sim uma experiência em um dos grupos de luxo de mais sucesso no país e que, apesar das altas cifras, vale a pena se presentear, especialmente a dois. O ambiente requintado, excelência no atendimento, temperatura agradável e meia luz, são ideais para quem quer curtir um clima mais romântico (um pedido de casamento, aniversário de casamento ou apenas um casal casado que quer sair pra fazer o que mais gosta: comer kkk).

Uma coisa chamou atenção na hora da conta, pois notamos que a gorjeta cobrada foi de 12%, e que obviamente vale lembrar que é facultativa. Notei que os restaurantes mais sofisticados aqui do Rio têm cobrado esse percentual de gorjeta, o que acho no mínimo duvidoso, já que em qualquer lugar do país que se vá, é cobrado 10%. Apesar do atendimento não ter deixado a desejar em nada, acho no mínimo abusivo cobrar 12% de uma conta que, como vocês podem imaginar, é altíssima. Mas isso não é bem uma questão pontual do restaurante em si, pois já vi algumas vezes essa prática.

E vocês? Das experiências gastronômicas no Rio, qual gostaram mais?

*Janeiro de 2017.

Restaurante Colina Verde, em Nova Petrópolis/RS

Se teve um restaurante que adorei conhecer durante minha viagem pelo Rio Grande do Sul, o Restaurante Colina Verde é um. Com predominância na culinária alemã e italiana com um toque da gaúcha, funciona no esquema de preço fixo por pessoa pra comer MUITO bem (R$62/bebidas à parte)*.

Cardápio do Colina Verde

Cardápio do Colina Verde

A quantidade e variedade de comidas que servem é absurda. Logo de cara servem uns pães de batata caseiros super quentinhos e maravilhosos que só de pensar dá água na boca. Em seguida uma salada (que não comi porque tinha pimentão) e uma sopa de capeletti muito boa.

Em seguida começam a chegar os pratos principais, que vou listar aqui pra vocês:

Bolinhos de Aipim,  Lombo à Milanesa “Schnitzel”, Frango ao Forno com Maçãs, Nhoque recheado com Queijo e Bacon “Knödel”, Carré Suíno Defumado “Kassler”, Repolho Roxo Agridoce “Rotkohl”, Chucrute “Sauerkraut”, Salsicha Bock “Bockwurst”, Joelho de Porco “Eisbein”,  Almôndegas ao Forno “Frikadellen”, Matambre Enrolado “Rinderrouladen”, Massa Caseira, Molho com Moelas de Frango, Panqueca de Maçã “Apfelpfannkuchen”, Purê de Batatas e Arroz. SIM, VEM TUDO ISSO!

Colina Verde

Colina Verde

Já posso adiantar pra vocês que mesmo indo com muita fome, é impossível comer tudo. Tentei ao máximo ao menos provar os principais, mas não consegui. Porém, o que pude comer, adorei! Os bolinhos de aipim estavam ótimos, a massa caseira, o joelho de porco, o frango ao forno com maçãs, o matambre enrolado, as almôndegas e a panqueca de maçã.

Colina Verde

Colina Verde

Outro diferencial do restaurante, além da boa comida, é o atendimento. Garçonetes caracterizadas com trajes típicos da Alemanha e um sorriso estampado no rosto, sempre. Prontidão, agilidade e simpatia definem o atendimento nesse lugar, desde a entrada até a saída.

Restaurante Colina Verde

Restaurante Colina Verde

O local e a música ambiente também é um charme, e se você já foi à Alemanha vai morrer de nostalgia rsrs. Adoro aquelas musiquinhas que ficam tocando na Oktober Fest, confesso. 🙂

Pois bem, voltando ao assunto comilança, o buffet de sobremesa é liberado pra você se servir do quanto quiser. E gente, é muita variedade! Apenas o apfestrudel não está incluído no buffet de sobremesa.

Buffet de sobremesa

Buffet de sobremesa

Após comer dê uma pausa no banquinho maravilhoso que tem na área externa (estacionamento), com uma vista espetacular. Como o próprio nome do restaurante já diz, ele está localizado no alto de uma Colina e o visu é de tirar o fôlego!

Me diz se não é apaixonante?

Me diz se não é apaixonante?

O restaurante está listado no Tripadvisor como número 2 de Nova Petrópolis e super recomendo se você quiser ter uma experiência tipicamente ítalo-germânica-tupiniquim.

No elegante hall de entrada tem diversos prêmios que o restaurante já ganhou, assim como fotos de celebridades que já passaram por lá. Se você quiser pagar um miquinho, as garçonetes tiram foto com você lá também rsrs.

E claro que tirei!

E claro que tirei!

E vocês? Já foram lá?

Onde? Rua Felippe Michaelsen, 160, Vila Olinda – Nova Petrópolis – RS.

Como chegar: Acesso pela BR-116, Km 185,5 (3 km do centro da cidade).

*Valores de novembro/2016.

Para continuar lendo sobre minha viagem pro Rio Grande do Sul, clique aqui ou aqui. 🙂

Onde comer fondue em Gramado

Opções de fondue em Gramado não faltarão, pois logo ao chegar na cidade você com certeza tropeçará em inúmeros restaurantes de todos os preços possíveis, alguns bem baratinhos e suspeitos, e outros horripilantes de caros, o que particularmente contribuiu para aumentar meu receio em visitar um lugar do tipo pega-turista.

A fondue é um prato tipicamente suíço, mas em Gramado você encontrará uma versão brazuca que não deixa a desejar em nada. Normalmente servida em três etapas e com valor fixo por pessoa, sendo a primeira etapa queijo, a segunda carne e a última chocolate.

Fomos fazer umas comprinhas na Chocolateria Caracol, e a vendedora comentou que a Caracol tem um restaurante chamado El Fuego que serve fondue à noite, e adivinha qual o chocolate servido lá? 🙂 Geralmente faço uma lista dos restaurantes que leio que são bons, mas desse ainda não tinha ouvido falar, então resolvi arriscar.

Ao chegar no restaurante já vi que ia me dar bem. Ambiente lindinho, decoração rústica e requintada, romântico, atendimento nota 10 e preços nem tanto, afinal nem tudo é perfeito rsrs.

El Fuego

El Fuego

Na primeira etapa serve-se queijo, normalmente emmental ou gruyère derretido, com batatinhas, pães, cenouras, polentas e até goiabadas rsrs (confesso que amei essa combinação tipicamente brazuca). Sugiro que não se empanturre de pão, pois é apenas a primeira fase, sugiro que acompanhe com um bom vinho tinto, uma temperatura mais amena e uma música ambiente agradável, além da boa companhia 🙂 . Não tem como dar errado. 🙂

Fondue em Gramado - Etapa 1

Fondue em Gramado – Etapa 1

Na segunda fase é servida a carne, e você geralmente tem a opção de escolher carnes mais nobres ou menos nobres. Escolhemos as mais porque meu marido queria cordeiro. A carne chega à mesa crua, em fatias, e você mesmo coloca na pedra que vem pra sua mesa. É tipicamente uma carne na chapa, em que você escolhe o ponto. Basta acrescentar uma pitadinha de sal e pronto! A variedade das carnes foi boa, assim como a quantidade, e confesso que nem conseguimos comer tudo. Filé mignon, picanha, peito de frango e cordeiro completaram nosso pedido, e diversos molhos pra acompanhar também. Alguns dos molhos maravilhosos, inclusive.

Fondue em Gramado - Etapa 2

Fondue em Gramado – Etapa 2

Após se empanturrar, claro que ainda havia espaço pro açúcar da noite: o bendito chocolate. Gente, como é bom!!!! Deu água na boca só de escrever o post aqui rs. Os acompanhamentos da fondue de chocolate eram frutas diversas como morangos, uvas,  bananas, etc.

Fondue em Gramado - Etapa 3

Fondue em Gramado – Etapa 3

Fondue em Gramado - Etapa 3

Fondue em Gramado – Etapa 3

Amei o restaurante e o atendimento, com a equipe de garçons muito ágeis, bem preparados e entendidos do assunto, assim como do vinho que indicaram, que harmonizou muito bem.

Dica do século: Não sei se o ano inteiro funciona assim, mas ao fazer umas comprinhas na Caracol ganhei um voucher de 30% da sequência de fondue. O preço normal é R$88,00 por pessoa, então acabei pagando R$61,60*, o que ainda é um preço um pouco elevado, levando em consideração que ainda tem 10% e bebidas à parte. Porém, achei que valeu a pena.

Em Gramado há opções para todos os gostos e bolsos, e se você tiver alguma dica de outro bom restaurante coloca aí nos comentários pra ajudar os outros leitores, ok? 🙂

Onde? Rua Garibaldi, 20 – Centro, Gramado – RS.

Para continuar lendo sobre minha viagem pro Rio Grande do Sul, clique aqui

*Valores de novembro de 2016.

Pão de queijo em Tiradentes

Conheci um lugarzinho muito peculiar em Tiradentes. O Na venda Pão de queijaria agrada gregos e troianos servindo o clássico pãozinho mineiro e ao mesmo tempo foge do tradicional que estamos acostumados, servindo sanduíche no pão de queijo, com recheios e acompanhamentos diversos, também um pouco diferentes.

Eu estava zanzando e procurando onde comer pão de queijo em Tiradentes (que não fosse o do hotel) e que pudesse conhecer algo diferente. Encontrei bem no Centro histórico, no coração da cidade. 🙂

Na ocasião pedi um de peito de peru com queijo minas padrão, maionese, alface e tomate. No início a gente estranha um pouco a ideia de um sanduíche dentro de um pão que imaginamos ser pesado, e na verdade é balela… é uma delícia! Se estiver com muita fome, pode ser que não fique satisfeito ao pedir apenas um. O acompanhamento também era curioso: ketchup de goiaba com chips de banana. Se era bom? era ótimo! (e eu não gosto de goiaba!).

Sanduíche no pão de queijo

Sanduíche no pão de queijo

Pedi também o pão de queijo tradicional, que chegou na medida e na temperatura certa:

Pão de queijo tradicional

Pão de queijo tradicional

O atendimento é outro diferencial. Por ser pequeno, é um ambiente que soa familiar em que a dona atende individualmente cada um dos clientes. A cozinha é exposta e dá pra ficar tanto na área interna, quanto externa. É possível comprar doce de leite de Viçosa no local, um dos poucos lugares em que vi pra vender na cidade. Se ainda não experimentou esse doce de leite, saiba que até hoje é o melhor que já comi na vida…rs. Outras guloseimas também estão disponíveis pra compra, como goiabada, pimentas, geleias, etc. Adorei! 🙂

Guloseimas

Guloseimas

A decoração também é bem bonitinha, em estilo colonial, como quase tudo na cidade. 🙂

Ótima opção de onde comer pão de queijo em Tiradentes

Ótima opção de onde comer pão de queijo em Tiradentes

 

Onde é?

Rua Ministro Gabriel Passos, 212. Centro Histórico de Tiradentes.
Telefone: (32) 3355-1467

L’Entrecôte de Paris – unidade Natal

Sou fã desse prato desde a primeira vez que comi, no L’Entrecôte D’Olivier, do chef Olivier Anquier, em São Paulo. Em outra ocasião tive o privilegio de conhecer o renomado Le Relais de L’Entrecôte, em Paris, e o prato ganhou meu coração de vez. Ao saber que tem um restaurante da rede de franquias L’Entrecôte de Paris em Natal deixei de lado o camarão e a carne de sol pra me render a esse típico prato da culinária francesa que, apesar de simples, tem um sabor maravilhoso.

Afinal, o que é um entrecôte? Tradicionalmente o corte da parte superior do contra-filé, super macio e cortado em pedaços, servido com um molho especial cuja receita original é um guardada a sete chaves, mas cujo ingrediente principal é a mostarda Dijon. De acompanhamento batatas fritas cortadas bem fininhas, sequinhas e servidas à vontade. SIM, você leu certo! Enquanto você se delicia da sua carne o garçom fica passando pra lá e pra cá com uma bandeja cheia de batatinhas pra você se servir do quanto quiser. 🙂

Antes disso, e não merecendo ser atropelada, é servida uma salada verde divina que sempre como duas vezes, já que meu marido não come alface (uhuuu). Alface, nozes, tomate cereja e um molhinho maravilhoso cujo ingrediente principal também é mostarda.

IMG_7969

Por incrível que pareça, o restaurante só possui esse prato. O máximo de variações que você vai conseguir é sobre o ponto da carne: mal passada, ao ponto e bem passada. Pedi a minha ao ponto e estava maravilhosamente ao ponto mesmo! A estratégia adotada pelos restaurantes do gênero é a seguinte: “Já que o prato é tão bom, pra que servir outro?”

Tradicionalmente é servido de sobremesa uma mousse de chocolate, mas no L’Entrecôte de Paris optei por um Classic Crème Caramel, que nada mais é do que o pudim mais lindinho que já vi na vida. Apresentação nota 10.

Tem coisa mais linda no mundo?

Tem coisa mais linda no mundo?

O atendimento também foi bom, apesar de não ser espetacular. Além dessas comidinhas citadas ainda pedi um couvert pois cheguei no restaurante morrendo de fome. Achei que o couvert não valeu a pena. Uma cestinha de diversos pães que visivelmente haviam sido aquecidos no micro-ondas, o que particularmente não gosto. Apesar disso, o patê de azeitonas que acompanhava era ótimo.

O restaurante é confortável, música ambiente agradável e tem boa localização, dentro do Natal Shopping. Fui num feriado e não tinha filas, o que em Natal é um milagre tratando-se de um bom restaurante.

L'Entrecôte de Paris

L’Entrecôte de Paris

Na comparação dos três restaurantes notei que o sabor dos molhos são realmente diferentes, apesar de todos bons. Pelo visto não conseguiram replicar mesmo a receita do Le Relais De L’Entrecôte, mas fizeram boas variações (o que é bom!).

Quanto gastar?

Quanto gastar?

O L’Entrecôte de Paris tem unidades em todas as capitais do Sudeste (exceto Vitória) e em várias cidades do Nordeste, como Fortaleza, João Pessoa, Natal e Salvador. Tem também em Brasília, e em outras cidades menores do Sudeste.

Saí rolando do restaurante e com vontade de voltar! E vocês, já conhecem algum restaurante da rede?

UPDTATE: Em julho/2016, infelizmente, como muitos restaurantes em Natal em meio à crise econômica, este foi mais um que fechou as portas. Porém, deixarei o post no ar por ser franquia e seguir um padrão.

Beijos!

 

Tempero da Ângela, em Bichinho-MG

Se estiver passeando por Tiradentes vale muito a pena dar uma voltinha nas cidades vizinhas, especialmente em Prados (mais conhecido como Bichinho), a aproximadamente 10 km de distância. Como já tínhamos zanzado muito por Tiradentes optamos por almoçar nessa cidade de nome engraçado, e o lugar escolhido da vez foi o Restaurante Tempero da Ângela. 🙂

IMG_4946

Com acesso um pouco difícil, entre estradas com buracos, curvas sinuosas e ladeiras, vale a pena separar uma pitada de paciência e um bom espaço no estômago pra se empanturrar da simples e boa comida mineira. O restaurante costuma ficar lotado e tem até uma área pra espera, em que já servem as bebidas. O restaurante funciona no esquema preço fixo de comidas e sobremesas inclusas, em que paga-se R$25 por pessoa pra comer à vontade. Bebidas à parte.

Tempero da Ângela

Tempero da Ângela

O restaurante é grandinho e bem simples, e conta com uma equipe muito simpática e cozinha com gosto de “fazenda” ou “casa de vó”. Pegue seu prato, esbanje-se entre tutu de feijão, muita couve refogada, torresmo, carne de porco, peixe frito saindo na hora, calabresa, carne de panela com chuchu, e toooooda aquela comida gordinha mineira que tanto gostamos. Se está de dieta, é um tiro no pé.

Tempero da Ângela

Tempero da Ângela

Área do buffet e uma das cozinheiras simpáticas que conheci :)

Área do buffet e uma das cozinheiras simpáticas que conheci 🙂

Faz um calor extremo na área do buffet pois é tudo servido ali nos dois fogões à lenha que tem por lá, nada de rechauds ou coisas similares. É tudo bem quentinho. 🙂

Curioso que eles produzem muitos dos próprios ingredientes da grande horta que tem ao fundo. É tudo muito simples, e muito bom. Variedade de salada fresquinha também merece atenção.

Se ainda sobrar um espaço pros doces, e comigo sempre sobra, esbalde-se nos doces de leite variados, goiabadas cascão, queijo minas e cafézin coado com rapadura, só pra tentar mantê-lo acordado depois de tanta comilança.

Sobremesa simples e divina!

Sobremesa simples e divina!

Vai um cafézin aí?

Vai um cafézin aí?

O único contra, e acho que deveriam melhorar isso, é que não aceitam cartão nenhum, só dinheiro. Recomendo que não esqueçam desse detalhe pois não tem nem caixa eletrônico por perto.

Tempero da Ângela

Tempero da Ângela

E vocês? Conhecem algum restaurante pra indicar em Bichinho?

Beijos!

Onde comer em Natal: Restaurante Nau

Restaurante da mesma família do famoso Mangai, o Nau teve origem em João Pessoa e já foi exportado para Natal e Brasília, conquistando cada vez mais os paladares mais exigentes.

Com foco na culinária nordestina, ingredientes como manteiga da terra, queijo coalho e muito camarão marcam presença por quase todo o cardápio, mas para quem não gosta (existe alguém?) também oferece opções mais tradicionais como carne bovina, carne de frango e de porco. Eu, particularmente, sempre opto pelos frutos do mar, a especialidade da casa.

No primeiro momento ao chegar no Restaurante você tem um choque e a impressão de que gastará uma pequena fortuna para comer lá. Ledo engano. O lugar, considerado o maior restaurante do Nordeste, tem capacidade pra atender 600 pessoas simultaneamente sem descer do salto. Nas duas vezes em que estive no local havia bastante gente e a qualidade do atendimento não caiu em nada. Pelo contrário, achei um diferencial.

Sorriso de orelha à orelha :D

Sorriso de orelha à orelha 😀

A arquitetura do local é minimalista e super elegante, com tudo pensado nos mínimos detalhes. Conforto, beleza e aconchego, tudo no mesmo lugar. Esse se tornou um dos meus preferidos da cidade, já que é bom em tudo: qualidade do atendimento, acessibilidade, qualidade dos pratos, limpeza e alto padrão em conforto. Além de claro, um ótimo preço para o que se propõe a oferecer.

ATENDIMENTO

Crachás de identificação sempre visíveis, os garçons rapidamente atendem à mesa se apresentando pelo nome e informando que será o responsável pelo atendimento da mesa. Rapidamente traz os cardápios e a carta de vinhos, assim como oferece alguma bebida. No decorrer do atendimento, mantém-se sempre à disposição e com simpatia, porém sem se tornar efusivo. Do início ao fim, não tenho o que reclamar. 🙂

AMBIENTE

Música ambiente agradável, ambiente decorado com muita madeira e planta, estilo rústico-chique e ambiente refrigerado. Cozinha com janelas de vidro, o que possibilita ver os cozinheiros fazendo nossa comida. Eu, particularmente, tiro o chapéu pra restaurantes que se dispõe a mostrar a cozinha pra clientela. Não deve ser fácil! rs.

IMG_4747

Para quem vai com crianças, existe uma brinquedoteca bem bonitinha que infelizmente não tirei fotos por um motivo óbvio: havia muitas crianças no local e os pais poderiam não gostar que eu fotografasse.

Como dito no início do post, o restaurante é gigante e comporta até 600 pessoas, além de um salão para eventos fechados. O que colabora para a redução das filas de espera na entrada e ganha pontos comigo… rs.

ENTRADA

Pedi de teimosa pois estava azul de fome, mas pra quem vai em casal para dividir 1 prato é muito exagero pedir entrada. Porém, a experiência foi boa mesmo assim. Pedimos uma entrada que dá pra dividir pra duas pessoas. Potinho de camarão foi o escolhido (R$15). Muito bom, mas ainda assim um exagero…

Potinho de camarão

Potinho de camarão

PRATOS

Na minha primeira visita pedi o Camarão Naveta (R$89) e na segunda o Camarão Nau (R$88), e ambos estavam deliciosos, porém se for pra escolher o que gostei mais, opto pelo Naveta, pois vinha com bastante queijo coalho e arroz de queijo coalho (amo!). Já o Camarão Nau são camarões refogados na manteiga aromatizada, arroz cremoso de manjericão gratinado no queijo mussarela. Difícil o duelo, hein? 🙂

Camarão Naveta

Camarão Naveta

Camarão Nau

Camarão Nau

Vale lembrar que ambos pratos são extremamente fartos e recomenda-se dividir pra pelo menos 3. Comemos, comemos de novo e de novo e aí sim acabou…

SOBREMESA

Infelizmente não consegui comer toda, haja vista o tanto que já havia comido… pedi um duo de cocada (R$11,90), suficiente pra dividir pra duas pessoas também, principalmente por se tratar de algo muito doce e que pode se tornar enjoativo. Eu amo cocada, então adorei! Muito cremosa e no ponto. Pena que meu marido não gosta e eu não consegui comer tudo (ah se arrependimento matasse)

IMG_0919

Fiz esse post para compartilhar minha experiência pessoal no restaurante e para dar mais opções para os visitantes de onde comer em Natal. Objetivo também mostrar que em Natal não existe apenas o Restaurante Camarões (mais famoso da cidade). Apesar de eu também amar o Camarões, acho que o Nau não fica atrás. 🙂

Um beijo!

OBS: Foto de capa gentilmente autorizada pela Equipe do Nau. Foto do site oficial.

 

Onde comer em Orlando – Red Lobster

Se você está procurando onde comer em Orlando e não aguenta comer junk food todos os dias, sugiro que dê uma chance para o Restaurante Red Lobster, especializado em frutos do mar e presente em várias cidades nos Estados Unidos. Aos curiosos de plantão que não têm viagem marcada pros EUA, saibam que o restaurante aterrissou no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo e em Brasília.

Onde comer em Orlando: Restaurante Red Lobster

Onde comer em Orlando: Restaurante Red Lobster

ENTRADA

Pedimos baby baker potato, que são pães de batata com alho divinamente quentinhos e excelentes, na medida certa. Porção muito bem servida com 4 unidades de tamanho médio. Nota 10.

Baby baker potato

Baby baker potato

OBS: Mesmo que você não peça essa entradinha, eles servem à mesa.

PRATO PRINCIPAL

Eu pedi o Salmon New Orleans, salmão fresco enegrecido e coberto por camarões e molho de manteiga Cajun, servido com brócolis e outra guarnição à sua escolha – eu optei por purê de batatas. O prato chegou com ótima apresentação, e quando comi tive a certeza de que não era só aparência, o sabor também estava delicioso e levemente picante, excelente pra quem não quer jacar fast food o dia inteiro.

Salmon New Orleans

Salmon New Orleans

Meu marido pediu um Lobster Shrimp & Salmon, uma mistura deliciosa de lagosta com camarão e salmão fresco grelhado e finalizado com manteiga marrom, que nada mais é que manteiga dourada na frigideira. O acompanhamento foi batatinha assada com brócolis.

Lobster Shrimp & Salmon

Lobster Shrimp & Salmon

Ambos pratos estavam ótimos, porém muito fartos. Particularmente não consegui comer todo o meu, nem meu marido o dele. Vale ressaltar que fomos para o restaurante com bastante fome, depois de um dia inteiro de parque. Caso eu volte ao restaurante, pedirei somente uma entrada e um prato principal, que seguramente será suficiente para meu marido e eu.

Como estávamos muito satisfeitos não pedimos sobremesa, pois não faria sentido. Ficou pra próxima. Buááááá!

Um pouco do cardápio

Um pouco do cardápio

ATENDIMENTO

Gostei muito do atendimento, porém achei um pouquinho demorado. Como estávamos num momento de lazer e sem pressa, não achamos ruim. Além do atendimento bom, o ambiente é bastante confortável. 🙂

ONDE COMER EM ORLANDO E QUANTO GASTAR NO RED LOBSTER

O prato do meu marido custou US$27,49 e o meu US$18,99, com o dólar do jeito que está não é baratinho, mas também está longe de ser um dos mais caros da cidade. Achei o preço justo, ainda mais considerando o que comemos. Se está procurando onde comer em Orlando, com US$70 um casal come tranquilamente (gorjeta inclusa). Não esqueça dela, hein? Em Orlando é no mínimo 15% do valor total da conta.

Onde comer em Orlando e quanto gastar

Onde comer em Orlando e quanto gastar

Recomendo o restaurante e pretendo voltar!

Beijos!

Continue lendo: Sugestão de roteiro pra curtir bem Orlando, Compras nos EUA, O que fazer em Miami

Onde comer comida baiana em Salvador

Pelo fato de Salvador ser uma cidade super turística e pela culinária ser um dos principais atrativos, não dificilmente você encontrará pega-turistas na cidade. Eu estava procurando onde comer comida baiana em Salvador e uma amiga de lá indicou o Ki-Mukeka da unidade de Armação. E lá fomos nós! 🙂 

Estacionamento no local, valet e muita fila de espera pra saborear as delícias da Bahia. Aguardamos aproximadamente 40 minutos em um dos muitos sofás de espera, com garçonetes servindo cervejas e entradinhas.

Decoração do Ki-Mukeka

Decoração do Ki-Mukeka

Decoração do Ki-Mukeka

Decoração do Ki-Mukeka

Roupa das garçonetes

Roupa das garçonetes

Eu, particularmente, gostei muito do atendimento do local, e uma garçonete simpaticíssima ficou praticamente à nossa disposição o tempo inteiro. De entrada pedimos uma porção de acarajé e de abará, que é semelhante ao acarajé, mas é envolto em uma folha de bananeira e cozido, em vez de frito. Acabei gostando mais do acarajé mesmo, mas confesso que não morri de amores por nenhum. Sorry.

Onde comer comida baiana em Salvador: Ki-Mukeka

Onde comer comida baiana em Salvador: Ki-Mukeka

OBS: Se perguntarem para você se quer acarajé “quente” ou “frio” cuidado. Isso nada tem a ver com a temperatura e sim com a quantidade de pimenta que você quer. Se não é fã de pimenta, não peça quente… rs.

Outro destaque além do atendimento foi o prato principal, que estava de comer rezando. Pedimos uma moqueca baiana de camarão e gente… quanto camarão! Um prato de moqueca serve bem até 4 pessoas, pois tem vários acompanhamentos e é muito farto. O prato é servido bem quente em panelas de barro com muito leite de coco e azeite de dendê, além, claro, de muito camarão. 🙂 OBS: Destaque para o pirão que é servido como acompanhamento (e olha que não sou fã de pirão, hein!).

Moqueca baiana de camarão

Moqueca baiana de camarão

Por falar em moqueca, você sabe a diferença entre ensopado e moqueca? Pois bem, moqueca é feita com azeite de dendê e ensopado com extrato de tomate. O resto dos ingredientes permanece igual. No restaurante é servido os dois pratos.

O Ki-Mukeka já ganhou prêmios na cidade de “Melhor cozinha baiana” e “Melhor moqueca de Salvador” e a moqueca fez jus ao título.

Prêmios

Prêmios

Como eu já estava super satisfeita, não pedi sobremesa. Mas tirei uma fotinho do cardápio pra vocês verem o que eles oferecem:

Cardápio Restaurante Ki-Mukeka

Cardápio Restaurante Ki-Mukeka

Quanto gastar?

A moqueca está na casa dos três dígitos, custando R$109,00 (valores de 2015). Porém, como é muito farto e dá pra dividir, acaba não saindo caro. A conta deu aproximadamente R$160,00 com direito a entrada, prato principal e umas cervejas.

Se estiver em Salvador, Lauro de Freitas, Feira de Santana ou Brasília, não deixe de conferir e se deliciar. 🙂

Onde comer comida baiana em Salvador?

End: Avenida Otávio Mangabeira n°136 – Jardim Armação.

Continue lendo: Roteiro de 1 dia em Salvador

Restaurante Camarões – Natal/RN

O Restaurante Camarões é um clássico em Natal, tanto para os turistas quanto para os natalenses. Quando ainda vinha a Natal a passeio e comentava com alguém que iria para a cidade, não raramente escutava as frases “vá comer no Camarões”, “você já foi no Camarões?”. Então, já fui lá algumas vezes sim, e nunca me decepcionei com absolutamente quase nada no local. 🙂

Quantos têm?

Têm 4 unidades na cidade de Natal, que se dividem entre: Camarões Potiguar, Camarões Restaurante, Camarões Midway Mall e Camarões Natal Shopping. Eu, particularmente, fui nos três primeiros e ainda não conheci a unidade do Natal Shopping, porém é uma boa opção pra quem prefere o estilo buffet e não à la carte.

Dica: Caso vá para a unidade da Ponta Negra, peça para ir para o segundo piso, pois tem vista parcial pro mar.

Unidades do restaurante Camarões| Foto retirada do perfil do Facebook do estabelecimento

Unidades do restaurante Camarões| Foto retirada do perfil do Facebook do estabelecimento

Ambiente do Camarões Potiguar | Foto retirada do Trip Advisor

Ambiente do Camarões Potiguar | Foto retirada do Trip Advisor

Atendimento

Apesar da fila poder alcançar o tempo de 1:30h de espera, vale a pena mofar. Delicie-se na espera com o pastel de camarão e orégano, considerado o melhor da cidade (R$12,00) (sim, enquanto você espera você pode pedir bebidas e entradinhas como o bendito pastel).

Fila de espera: dentro e fora do restaurante

Fila de espera: dentro e fora do restaurante

Pastel de camarão | Foto retirada do Instagram oficial do restaurante

Pastel de camarão | Foto retirada do Instagram oficial do restaurante

Gosto muito do atendimento e da rapidez a partir do momento em que fazemos o pedido. Nunca esperei mais de 30 minutos pro prato principal chegar, e após ser servido, os garçons preocupam-se em perguntar se estava tudo bem, se ocorreu algum problema e coisas do tipo. Ponto alto pro atendimento.

O que comer?

Apenas uma vez pedi uma entrada diferente, além do pastel de camarão. E me dei bem de novo! Estou atualizando esse post meses após ter voltado ao restaurante e não consigo me recordar o nome da entrada, mas é muito boa, à base de chips de batata doce e frutos do mar. Se algum leitor souber o nome da entrada, agradeço se colocar nos comentários! 🙂

Entrada do Restaurante Camarões

Entrada do Restaurante Camarões

Eu já comi 4 pratos diferentes na casa e, sinceramente, não sei eleger o melhor. TODOS que eu comi estavam maravilhosamente deliciosos, bem servidos e regados a muito camarão. Os acompanhamentos também não deixam nada a desejar. Vou descrever um pouquinho sobre cada prato que já pedi:

– Dijon: Salteado com azeite, vinho branco, molho branco, palmito e mostarda Dijon em grãos. Servido sobre arroz cremoso com alho poró, cenoura, abobrinha e ervilha. Preço: R$106,00. Serve bem 2 pessoas.

– Internacional: Salteado com azeite, molho branco e servido com arroz cremoso com ervilha e presunto. Gratinado com queijos mussarela e parmesão e acompanha batata palha. Preço: R$106,00. Serve bem 3 pessoas ou até 4 se não repetir. Prato ideal pra quem não gosta de legumes e nada do tipo.

Foto tremida, mas valeu a intenção...

Foto tremida, mas valeu a intenção…

– Do chef: Esse é o mais pedido da casa e também, pudera… esse prato é espetacular e extremamente farto. Camarão à milanesa sobre arroz cremoso de manjericão, gratinado com molho de tomate, azeitona preta, óregano e queijo mussarela. Acompanha batata palha. Preço: R$107,00. Serve até 4 pessoas. 🙂

– Parisiense: Salteado com azeite, vinho branco, champignon, molho branco e manjericão. Servido sobre arroz cremoso com alho poró, cenoura, abobrinha e ervilha. Gratinado com queijos mussarela e parmesão. Acompanha batata palha. Preço: R$107,00. Serve bem 2 pessoas ou até 3 se não repetir.

Pra quem não gosta de camarão ou quer comer algo diferente, dêem uma olhadinha no cardápio das carnes, parece ótimo né? (Preços de 2015)

Pra quem não gosta de camarão ou quer comer algo diferente, dêem uma olhadinha no cardápio das carnes, parece ótimo né? (Preços de 2015)

E pras formiguinhas de plantão…

O preço das sobremesas não passa de R$19,00. Eu comi o Mil Folhas de doce de leite (R$18,00) que é servido com sorvete artesanal de creme. Achei bom, mas nada de outro mundo. O meu preferidinho do restaurante é a mousse de 3 chocolates, que se dividem em camadas de chocolate branco, chocolate meio amargo e chocolate ao leite. Divino.

Mil folhas com chocolate e sorvete de creme, um dos mais pedidos do local | Foto retirada do facebook do restaurante

Mil folhas com chocolate e sorvete de creme, um dos mais pedidos do local | Foto retirada do facebook do restaurante

Mousse de 3 chocolates (foto tremida, preciso voltar e pedir a sobremesa de novo!)

Mousse de 3 chocolates (foto tremida, preciso voltar e pedir a sobremesa de novo!)

Provei o sorvete de tapioca também e sinceramente foi a única coisa que achei ruim até hoje no restaurante. Eles podem e devem melhorar. Mas também né gente, não me levem a mal mas sou da terra da Cairu

UPDATE: Na minha última visita ao estabelecimento comi a sobremesa Romeu e Julieta (R$19,00), que, como o nome já sugere, tem como base goiaba e queijo, mousse de queijo, queijo coalho ralado e castanha de caju. Divino! OBS: Essa sobremesa é grande e dá tranquilamente pra dividir.

Sobremesa Romeu e Julieta

Sobremesa Romeu e Julieta

Outros

Caso você esteja de dieta recomendo fortemente a salada de camarão, que apesar de não ser a mais fit do mundo, é extremamente deliciosa! 🙂 Serve muito bem 2 pessoas.

A melhor salada de camarão da vida!

A melhor salada de camarão da vida!

O Camarões tem estacionamento próprio e bem amplo. Ah, e o melhor, é grátis. 🙂

É possível fazer reserva, mas não recomendo que se atrasem nem 1 minutinho.

E vocês? Já conhecem alguma  das unidades?

OBS: Preços verificados em de 2017.

 

Onde comer em Mônaco sem gastar uma fortuna

Faço esse post em homenagem a todos os viajantes do Brasil que partem para o mundo com a grana um pouco apertada e recebem em reais brasileiros. Não é fácil encontrar onde comer em Mônaco gastando pouco e com qualidade, mas saiba que não é impossível. Apesar de não ser um local realmente barato, você dificilmente conseguirá preços mais em conta que os apresentados aqui nesse post e com a mesma qualidade.

Em minha viagem a Mônaco conheci um restaurante que além de bom, não é tão caro (tratando-se de Mônaco rs). No caminho para o Palais Princier e em frente à Place du Marché está situado o Monte Carlo Bar, um bar e restaurante que vende comida francesa e que pelo que me pareceu, não é muito frequentado por turistas.

O bar é decorado com artigos de esporte como camisas de times, fotos, troféus, etc. Arrisco um palpite de que em dia de jogo ali é o point dos monegascos, pois conta com várias televisões no ambiente e atendimento bom.

Para comer pedi uma massa com salmão defumado (13,50€) que estava no ponto e muito saborosa. Meu marido pediu um mega hambúrguer e foie gras com fritas, que segundo ele, estava ótimo (18,00€) e nosso amigo pediu uma carne bovina ao molho roquefort, queijo de ovelha típico do Sul da França e MUITAS fritas pra acompanhar (17,50€). Para beber pedimos uma jarra de vinho da casa que pasmem, custava 9,00€ e era muito bom!

O que comer no Monte Carlo Bar

O que comer no Monte Carlo Bar

Hamburguer gourmand com foie gras

Hamburguer gourmand com foie gras

Sou o tipo de pessoa que pode até está bem satisfeita, mas sempre deixa espaço pra sobremesa 🙂 . E nesse lugar não poderia ser diferente. Confesso que a apresentação da sobremesa era melhor que o sabor em si, que apesar de ser bom, não era nada de outro mundo. Dica: Melhor a mousse de chocolate (5,70€) que a torta de frutas vermelhas (6,80€).

IMG_3289

Gorjeta: Nao é obrigatória em Mônaco, mas se você for bem atendido é de bom senso deixar 10% ou arrendondar pra cima o valor da conta. No nosso caso, demos 80€.

Quanto gastar num almoço pra 3 pessoas com gorjeta: 80,00€

Quanto gastar num almoço pra 3 pessoas com gorjeta: 80,00€

E vocês? Tem outro restaurante pra sugerir em Mônaco?

Um beijo!

Endereço: 1 Avenue Prince PierreLa Condamine 98000Mônaco.

Continue lendo: Todo luxo de Mônaco

Restaurante Dalva e Dito

Uma das coisas que mais gosto de fazer é sair pra comer, e se puder ser num lugar cheio de beleza, de conforto, do bom cheiro e do sabor, por que não? 🙂 Para nossa alegria, o chef Alex Atala, que comanda dois bons restaurantes em São Paulo (DOM e Dalva e Dito), pratica preços diferentes e mais acessíveis nesse último – porém não entenda isso necessariamente como barato. O Dalva e Dito é menos caro que o DOM e com foco na cozinha brasileira e com um clima mais informal. O DOM é conhecido pela alta gastronomia, altos preços e pequenas porções, e obviamente por ter sido premiado como o melhor restaurante do país e um dos melhores do mundo (para ver o ranking, clique aqui). Infelizmente vocês vão ter que se contentar em ver algumas fotos oficiais tiradas do próprio site do restaurante, pois tirei poucas fotos.

Restaurante Dalva e Dito | Foto retirada do site oficial

Restaurante Dalva e Dito | Foto retirada do site oficial

Piso inferior do restaurante

Piso inferior do restaurante

Fui em duas ocasiões ao famoso restaurante do premiadíssimo chef Alex Atala, e aqui vou discorrer um pouquinho sobre o que comi.

Da primeira vez fui somente lanchar, o local dispõe de um local próprio com sofás no Mercado Dalva e Dito para quem vai para este fim. Se quiser algo específico, telefone para o local e peça para reservarem para o horário desejado. Por exemplo, meu marido queria comer coxinha de pato no tucupi (R$6), telefonei no mesmo dia avisando a hora que iria e quando cheguei já estava prontinha me esperando. Tcharãn!

Coxinha de pato do Dalva e Dito

Coxinha de pato do Dalva e Dito

Um dos produtos vendidos no Mercado Dalva e Dito

Um dos produtos vendidos no Mercado Dalva e Dito

Além da coxinha de pato comemos um tal de bolovo (R$6), espécie de bolinho de carne com ovo. Confesso que era recheio demais e eu achei um pouco pesado. Não curti.

O atendimento do mercadinho achei que deixou a desejar, a atendente era bastante grossa e estúpida. Com certeza não estava trabalhando na profissão certa, a que lida diariamente com o público.

Na segunda visita a opinião com relação ao atendimento mudou completamente. Não precisamos de reserva para jantar e fomos prontamente atendidos ao chegar. Garçons simpáticos e atenciosos, bem dispostos em atender e explicar os pratos.

Pedimos de entrada uma porção de pastel (3 de carne e 3 de camarão). Muito bom tempero, sem ser oleoso e bom sabor.

De prato principal pedi um Pirarucu ao molho de castanha-do-Pará e ratatouille do sertão (R$92), que nada mais é do que mandioquinha, quiabo, palmito pupunha, abóbora, batata- doce roxa e banana-da-terra com um tempero delicioso. O que falar do amazônida Pirarucu? Não sei se é porque eu não o comia há muitos anos, mas estava espetacular. Postas grandes grelhadas e douradinhas que estavam de comer rezando! Ah, vale ressaltar que os pratos são individuais, e como não são muito fartos, não tem como dividir.

Meu marido pediu um prato chamado Porco na lata com purê de batata e pequi, que, segundo ele, estava excelente (faixa de R$70).

Uma amiga que estava conosco pediu uma picanha gaúcha com farofa (R$ 78/300g). Confesso que achei estranho esse prato, o único acompanhamento era realmente uma farofinha paulista, que eu particularmente não gosto. Achei que pecou no conjunto da apresentação, mas, segundo ela, a carne estava ótima (e ela é gaúcha, hein…). A carne realmente estava bonita: grossa, no ponto e com aparência de boa qualidade, mas colocar só uma carne no prato e servir com uma cumbuquinha de farofa achei esquisitão…hehe.

De sobremesa fui no carro-chefe da casa: cheesecake de requeijão, uma versão brasileira do cheesecake com farofa de castanha de caju e calda de jabuticaba (R$23). Simplesmente sensacional! Nota 10!

Para beber tomamos champagne, que eu não posso discorrer sobre porque ficou sob responsabilidade do amigo do meu marido que estava conosco, um senhor mais entendido do mundo dos champagnes.

Achei a experiência muito válida no famoso restaurante e eu certamente voltaria e recomendo. Durante o jantar o próprio Alex Atala apareceu cumprimentando vários clientes em suas mesas, e alguns deles tiraram fotos com o chef. Como já estávamos quase indo embora, não tietamos. Fica pra próxima.

Dalva e Dito

Dalva e Dito

OBS: Quem quiser conhecer o restaurante e gastar menos, saiba que é servido durante a semana um menu executivo, com preços mais baixos (faixa de R$60).

Curiosidade: Ao olhar o menu do restaurante, verifique que alguns pratos possuem o selo do Instituto Atá, do qual Alex Atala é integrante. O instituto visa incentivar o uso de ingredientes naturais pouco conhecidos e valorizar o pequeno produtor. Então ao ver no cardápio um prato com o selo quer dizer que os ingredientes são oriundos de pequenos produtores que possuem parceria com o Instituto. 🙂

Endereço: Rua Padre João Manuel, 1115 – Cerqueira César, São Paulo – SP, 01411-001, Brasil
De segunda à quinta 12h – 15h | 19h – 00h / Sexta 12h – 15h | 19h – 01h / Sábado 12h – 16h30 | 19h – 01h / Domingo 12h – 17h.

 

 

 

Brasserie des Arts – São Paulo

Conheci o Brasserie des Arts em São Paulo por acaso. Já havia ouvido falar e visto algumas fotinhos do local no instagram, mas ainda não tinha ido conhecer. Esse badaladérrimo restaurante possui a sede em Saint-Tropez (Riviera Francesa) e uma filial aqui pertinho da gente, em Sampa. O forte desse local além do ambiente delicioso são os drinks, que ficam a cargo do barman Marcelo Serrano, conhecido por elaborar os mais diversos e exóticos tipos de bebidinhas.

O ambiente requer um traje mais elegante – não por regra – mas por costume. Local de muita gente bonita, música animada na medida certa e ambiente meia luz dão um charme especial para o local. Não estranhe se de repente ver algum famoso pintando por lá.

Eu, particularmente, não fui para o local para beber, e sim para jantar (meu foco). A comida não deixou a desejar em nada, estava tudo na medida certa: pedi um Filé ao molho mostarda com risoto parmeggiano que estava sensacional. Carne no ponto, macia e suculenta, e risoto suave, daqueles que dá vontade de repetir. Ainda desejo esse prato de novo até hoje. 🙂

Filé ao molho mostarda com risoto parmeggiano

Filé ao molho mostarda com risoto parmeggiano

Meu marido pediu um magret de pato (filé de carne magra de pato) com purê de mandioquinha que gostou, mas esperava mais. Acho que a sortuda da noite foi eu mesmo! 🙂

Magret de pato

Magret de pato

Provei o drink mais famoso da casa, o Moskow Mule, drink da casa que leva vodka Grey Goose, suco de limão e gengibre. Esse drink é espetacular!. Do tipo “vale a visita”. Vocês me perdoam se eu disser que não tirei foto do drink?. (fail).

Não comi sobremesa, apenas um cafezinho. Achei que a visita valeu muito a pena, apesar do preço não ser barato. Tenho vontade de voltar lá pela comida que comi e por um drink que me chamou atenção: manauara cocktail (Vodka Stolichnaya, purê de cupuaçu, limoncello, frangélico e espuma de jambu). Não parece bom?

Carta de drinks

Carta de drinks

Quanto gastar no Brasserie des Arts

Quanto gastar no Brasserie des Arts

Onde fica? Rua Padre João Manuel, 1231 – Jardim Paulista – São Paulo – SP

Funcionamento: Segunda e terça: 19h – 00h / Quarta: 19h – 00h30 / Quinta: 19h – 01h / Sexta: 12h – 15h e também 19h – 01h30 / Sábado: 13h – 02h / Domingo: 13h – 23h30

 

Já conhece o Bar da Dona Onça?

Ótima opção de “onde comer em São Paulo” seja de dia ou seja de noite. O Bar da Dona Onça, que se destaca também como restaurante, está localizado no famosíssimo Edifício Copan, desenhado por Oscar Niemeyer. Comandado pelo casal Janaína e Jefferson Rueda, o local já ganhou inúmeros prêmios, entre eles:

Prêmios Bar da Dona Onça | Imagem retirada do site

Prêmios Bar da Dona Onça | Imagem retirada do site

Conheci a chef através de sites de gastronomia e perfil no Instagram, mas posteriormente apareceu na TV em programas como da Angélica, por exemplo.

Fui conhecer o local durante um almoço no meio da semana e não tive problemas com filas, porém estava bastante movimentado.  Fui com uma amiga e pedimos um prato pra compartilhar, o que foi suficiente, pois além dele pedimos entrada. Vou detalhar aqui pra vocês, então vamos lá. 🙂

ENTRADA

Pedimos de entrada uns bolinhos fritos de espinafre caseiro e de croquete de carne de panela (R$29,00). Como pode um simples bolinho de espinafre ser tão delicioso? Simples, sequinho e super saboroso. Até eu que não sou fã de espinafre, gostei até mais dele do que do croquete de carne de panela.

Entradinhas

Entradinhas

PRATO PRINCIPAL

De prato principal pedi uma Carne de panela com legumes e arroz soltinho, e feijão de acompanhamento. Simples né? Quem vê até se pergunta por que alguém vai para um restaurante comer uma comida tão caseira, POIS É, justamente esse o motivo. Sabor caseiro, na medida certa e espetacular. É servido numa panelinha à mesa e suficiente para duas pessoas (R$49,00).

Carne de panela com legumes e arroz soltinho, e feijão de acompanhamento

Carne de panela com legumes e arroz soltinho, e feijão de acompanhamento

SOBREMESA

Eu confesso que nem estava com fome mais, mas minha amiga e eu decidimos dividir uma sobremesa. 🙂 Pedimos então a que mais definia o nosso momento, sobremesa que recebe o nome de “Eu sou feliz”, que tem uma espuma de baunilha, caramelo, amendoim, sorvete feito na casa, banana caramelizada, chocolate ao leite, paçoca e pão de ló crocante. Uma bomba calórica né? Porém apesar de tanta coisa, não é nada pesado e nem muito doce. Mais uma vez na medida certa (R$24,00).

Cardápio de sobremesa

Cardápio de sobremesa

Você é feliz?

Você é feliz?

AMBIENTE

O ambiente é muito bem decorado e nada pesado, com caracterizações de oncinha. Até o freezer era de oncinha gente! 🙂 Achei muito agradável e limpo. Há mesas externas, porém fiquei no ambiente interno porque estava muito calor nesse dia.

Área externa do Bar da Dona Onça

Área externa do Bar da Dona Onça

Aos apaixonados por oncinha...

Aos apaixonados por oncinha…

Decor

Decor

Porta do banheiro feminino...rs

Porta do banheiro feminino…rs

ATENDIMENTO

O que dizer do atendimento? Sensacional! Não é um restaurante de luxo mas é sem dúvidas um dos melhores atendimentos que já recebi na capital paulista. Não sei se todos os garçons são simpáticos como o Sr. Felipe (Sr. nada, deve ter uns 30 anos), que é extremamente solícito, atencioso, educado e de bem com a vida. Inclusive ele nos “deu” de aperitivo pós-almoço um drink chamado “Leite de onça”, feito com 3 tipos de leite e rum. Gostei tanto que tomei dois. 🙂

Se você estiver passando pelo centro de São Paulo ou estiver desejando uma ótima comida caseira, esse é o lugar. Ficou na minha listinha de lugares para voltar em breve e sempre!

Quanto gastar no Bar da Dona Onça

Quanto gastar no Bar da Dona Onça

E pra finalizar o almoço - e o post - um cafézinho com docinho :)

E pra finalizar o almoço – e o post – um cafézinho com docinho 🙂

Horário de funcionamento: Segunda/quarta: 12h às 23:30h – Quinta/sábado: 12h às 00:30h – Domingo: 12h às 17:30h – Feriados (seg a qua) 12h às 23:30h – Feriados (12h às 00:30h).

Um abraço!

Restaurante Paris 6 – São Paulo

Olá gente, pra quem não sabe voltei para São Paulo. Pra não ficar muito triste, logo no meu primeiro dia de volta ao Brasil fui matar meu desejo de comer o famoso “Grand Gateau” do restaurante Paris 6, o SUPER badalado da capital paulista.

Fui almoçar num domingo e havia fila de espera, porém não demorou quase nada. Ah, não fiz reserva. 🙂

IMG_3808

Fila ainda pequena…

ATENDIMENTO

O atendimento é bom mas nada excepcional. Garçons eficientes e aptos para dar qualquer sugestão acerca dos pratos.

ENTRADA

Pedimos de entrada uma porção de queijo brie que estavam divinas! Sinceramente gostei mais da entrada do que do prato principal. Pena que não vinham muitos em uma porção, e quando comi fiquei com vontade de “quero mais”. 🙂 Quantidade ideal de recheio, quentinhos e sequinhos. Pra repetir.

PRATO PRINCIPAL

Pedi um Risotto de Morue à Fernando Meireles (risotto de lascas de bacalhau ao alho, azeite, ervas e amêndoas) e meu marido pediu um Truite aux amandes à Vanderlei Luxemburgo (filé de truta grelhado com molho de amêndoas com manteiga e purê de batatas).

O meu prato era bastante farto e possível de dividir com outra pessoa, porém o do meu marido servia bem apenas uma.

Sinceramente achei a comida cara demais pro que é: sem muito sabor, mais pra sem graça do que pra gostosa. Aquele tipo de comida que não vale a pena ir pra um restaurante comer… achei isso tanto do meu prato quanto do meu marido – e ele compartilhou da mesma opinião que eu.

Dica: Peça uma boa entrada e esqueça os pratos principais.

Risotto de Morue à Fernando Meireles

Risotto de Morue à Fernando Meireles

Truite aux amandes à Vanderlei Luxemburgo

Truite aux amandes à Vanderlei Luxemburgo

SOBREMESA

A estrela do meu almoço e o motivo principal da minha ida pra esse restaurante. Pedi o mais clássico e o mais pedido de todos: Grand Gateau au Eskimo de chocolat au lait à la creme de noisette à Paloma Bernardi. Pedi apenas um e dividi com meu marido, pro meu azar, pois ele AMOU e queria comer tudo…hahaha.

Vou traduzir do que se trata essa sobremesa: Um picolé Diletto de chocolate italiano, calda de creme de avelã francês ao leite condensado e morangos picados com avelãs granulados. Simplesmente DIVINO. Ainda tinha uma massa de bolo quentinha de comer rezaaaaando! A sobremesa desse restaurante ganhou meu respeito e meu paladar. Minha visita ao restaurante valeu toda a pena quando provei a sobremesa carro-chefe da casa. 🙂

Grand Gateau au Eskimo de chocolat au lait à la creme de noisette à Paloma Bernardi

Grand Gateau au Eskimo de chocolat au lait à la creme de noisette à Paloma Bernardi

PREÇO

Por ser muito popular entre as celebridades, o restaurante é extremamente disputado tanto na unidade do Rio de Janeiro quanto de São Paulo. É o típico lugar pra ver e ser visto, e, consequentemente o preço não é barato. A entradinha que citei aqui no post custou R$32,00,  meu prato principal R$69,00, do meu marido R$56,00 e sobremesa R$26,00. Fora o suco que pedi, que custou R$8,00/cada.

No fim das contas achei que valeu a pena mais pela sobremesa e entrada, pelo prato principal não.

Quanto gastar no Paris 6

Quanto gastar no Paris 6

Quanto gastar no Paris 6

Quanto gastar no Paris 6

OBS: Como vocês podem ver na nota, tem um prato principal e uma sobremesa a mais, pois meu primo estava comigo.

Dica: Verifique no instagram oficial do Paris 6 se não tem alguma promoção, pois de vez em quando eles fazem umas promos do tipo “poste sua sobremesa no instagram e ela sairá de graça” ou “apresente o post do instagram pro garçom e ao consumir um prato principal a sobremesa sairá de graça“. Economizar nunca é demais, não é? Aos interessados, o perfil deles é @paris_6.

Um beijo!

Onde comer comida alemã em Berlim

Por acaso em uma de minhas andanças pelo bairro Alexanderplatz encontrei esse restaurante. Havia ouvido que a tal zona de Alexanderplatz era uma boa opção para jantar, mas confesso que demorei um pouquinho a achar uma opção interessante de onde comer comida alemã em Berlim.

Se em sua viagem pra Alemanha não der pra encaixar Munique (como a minha) saiba que há um pedacinho da Bavária em Alexanderplatz! Ele se chama Hofbräu Munchen Berlin e você encontrará comida típica, salsichas, música regional e trajes típicos (dirndl e lederhosen). Um pedaço da Bavária do Oktober fest e das salsichas brancas bem ali, no famoso bairro. Assistam um pouquinho do que tinha lá:

Não sei se foi o fato de estar na Alemanha, de querer ouvir uma musiquinha alemã, de querer tomar cerveja alemã que me fez gostar desse lugar. Pois tudo que eu estava buscando naquela noite, eu encontrei. 🙂 O ambiente é super animado e  diferente dos ambientes formais da capital germânica. Bom não somente pra quem quer comer, mas para quem quer conhecer um pouco mais da cultura do país. O restaurante tem capacidade pra 3 mil pessoas e se você realmente quiser ir, faça uma reserva antes. Já li relatos de pessoas que não conseguiram entrar (mesmo tendo tanto espaço!).

Hofbräu Munchen Berlin

Hofbräu Munchen Berlin

Hofbräu Munchen Berlin

Hofbräu Munchen Berlin

Meu marido pediu o clássico joelho de porco com repolho, molho de cerveja e bolas de batata (15,90€) e eu um frango assado – que apesar de ser frango, estava uma delícia (10,90€). Pra acompanhar, umas cervejinhas (que de inhas, não tinham nada).

IMG_0480

Hendl (Frango assado)

IMG_0479

Resche Haxe (joelho de porco)

Onde comer comida alemã em Berlim

Onde comer comida alemã em Berlim

IMG_0483

Quanto gastamos? 3 cervejas + 3 pratos

IMG_0481

Berlim

Dica: Se você não estiver com vontade de beber muito, atente para o tamanho da cerveja que pede, pois os copos são gigantes. Pode ser que você inocentemente peça uma Maß, cujo volume é de 1 litro (7,90€).

Funcionamento: Sexta e sábado, de 10h às 2h – Domingo à quinta, de 10h às 01h (pra quem estranhou o horário cedo, saibam que no local eles também servem café da manhã).

Se quiser fazer uma reserva, é possível fazê-la por e-mail: reservierung@berlin-hofbraeu.de.

Um beijo!

Continue lendo: O que fazer em Berlim em 2 dias, Campo de Concentração próximo a Berlim

Onde comer em Florença (bem!)

De todas as cidades que visitei na Itália, finalmente pude encontrar uma com excelente comida, sem ter tido muitas experiências do tipo pega-turista. Procurar onde comer em Florença foi um tiro no escuro que deu muito certo. Ah, como eu comi bem! Costumo sempre pesquisar os lugares antes de ir, mas nessa ocasião foi muito engraçado. Eu havia lido sobre um restaurante em uma determinada rua e falei pro meu marido, que prontamente procurou no mapa pra irmos. Ok, lá fomos nós.

Ao nos deparar com o restaurante simples, entramos mesmo assim. No final do post conto pra vocês a “surpresa” de ter ido a esse lugar.

O nome da trattoria é Trattoria Pizzeria Sara, e sem dúvidas de todas as minhas viagens pela Itália, é onde eu comi a melhor comida e recebi o melhor atendimento, apesar de não ser nenhum restaurante de luxo. Fomos atendidos por uma super simpática garçonete cubana que aterrisara na Itália há pouco tempo.

IMG_9159

Trattoria Pizzeria Sara

Pedi pra comer uma bisteca alla fiorentina com gnocchi 4 formaggio, um vinho tinto Chianti, e meu marido uma cotoletta de vitello com molho de trufas que estava simplesmente di-vi-no! (vide menu abaixo, o da última linha). Meus sogros pediram um risotto e um spaghetti alla carrettiera.

Onde comer em Florença?

Onde comer em Florença?

IMG_9140

Pra começar…

IMG_3428

Pão italiano morninho

IMG_9148

Gnocchi 4 formaggio

IMG_9150

Bistecca alla Fiorentina

Cotoletta de vitello com molho de trufas - o acompanhamento eram batatas assadas com alecrim, que não tirei foto.

Cotoletta de vitello com molho de trufas – o acompanhamento eram batatas assadas com alecrim, que não tirei foto.

A bistecca alla fiorentina é um dos pratos mais pedidos da região da Toscana, e geralmente aparece no cardápio com o preço por 100g. Então, tome cuidado ao ver por exemplo 3,99€ e pensar que é o valor do prato, pois não é (a que eu pedi, por exemplo, custou 19,00€, essa quantidade aí da foto de cima).

Quanto gastar? Aproximadamente 76€ + gorjeta (4 pessoas)

Quanto gastar? Aproximadamente 76€ + gorjeta (4 pessoas)

Após ter comido muito, ainda nos mimaram com um digestivo da região da Itália muito bom – e nem cobraram a mais por isso. Inclusive a garçonete falou que era um presentinho para nós provarmos. 🙂

IMG_9153

Digestivo Limoncello | Licor típico da Itália

No outro dia voltei novamente, e dessa vez pedi um entrecôte que também estava muito bom, mas no duelo, o do dia anterior saiu melhor. Ah, destaque para essas batatinhas assadas, são perfeitas! Belisquei a do meu marido no dia anterior e pedi uma pra mim nos segundo dia. 🙂 Parece não ser nada demais né? Afinal é só uma batata – mas não.

IMG_9364

O atendimento foi tão bom, fomos tão bem tratados, que deixamos uma boa gorjeta, apesar de não ser obrigatório. Ah, e além disso tirei até foto com umas funcionárias EXTREMAMENTE simpáticas que trabalham lá.

IMG_9158

Funcionárias da Trattoria Sara

Curiosidade: Depois que acabamos de comer, vimos que estávamos num restaurante diferente do que tínhamos pesquisado inicialmente antes de ir. Eu acabei trocando os números e falei errado o endereço pro meu marido, que nos levou até esse. Ainda bem né?? 🙂 Depois passamos na frente do restaurante que íamos inicialmente, e não tinha quase ninguém… Pra não errar e ir no certo (que é o que fomos), anota aí: Via Rosina, 7, Florença.

E vocês? Sabem indicar outro lugar onde comer em Florença?

Um beijo!

Onde comer pizza em Florença?

Típica pergunta que todo brasileiro se faz ao desembarcar em terras italianas. No Brasil temos o hábito de comer pizza em todo final de semana momentos de lazer e encontramos pizzas excelentes, e ao chegar na Itália temos a grande expectativa de que vai ser bem melhor né? Pois não é bem assim. Na Itália tem muito pega-turista e  encontrar uma boa pizzaria não é tão simples como parece. Porém, vou contar pra vocês um lugar que foi um verdadeiro achado na minha viagem, e se quiser saber onde comer pizza em Florença, segue comigo! 🙂

Eu geralmente procuro na internet sobre lugares para comer, mas dessa vez foi diferente. Quem encontrou a pizzaria não foi eu, foram meus sogros. E que maravilha! O local chama-se Il Giardino di Barbano e fica na Piazza Indipendenza, bem perto do Plus Florence Hostel, onde me hospedei.

O ambiente é agradável mas não requintado, porém aconchegante e podemos ver o pizzaiolo fazer manobras com a massa bem na nossa frente. Ele faz a massa, prepara a pizza e assa pra quem quiser ver.  Eu pedi uma pizza de gorgonzola e meu marido uma de Prosciutto Crudo, e dividimos. A massa não é pesada, não é alta, mas também não é fininha como a romana. Os ingredientes utilizados são frescos e no verão é possível comer na área aberta do restaurante, onde estão as plantações. No dia que eu fui (outono) só estava aberto o salão interno.

IMG_9518

Pizza de Prosciutto Crudo

IMG_9517

Pizza de Gorgonzola

IMG_9522

Il Giardino di Barbano: O ambiente interno

IMG_9525

Colocando literalmente a mão na massa!

O atendimento também foi bom, e o preço também! Pagamos 7,50€ em cada pizza. Comi rezando! Pena que encontrei essa pizzaria somente na minha última noite em Florença, se não com certeza teria voltado pra provar a comida. Muito bom!

IMG_9519

Menu

IMG_9521

Il Giardino di Barbano: Quanto gastar? | Antes que pensem que meu marido e eu comemos muito, essa conta aí foi pra 4 pessoas, pois meus sogros estavam conosco.

Como saí satisfeita com o local, depois fui pesquisar na internet sobre ele e vi que ganharam certificado de excelência no Trip Advisor e têm muitas avaliações positivas (ainda bem né? já pensou se só eu tivesse gostado? Iam dizer que é porque eu estava com fome…).

Ah, antes que eu me esqueça de citar isso, na Itália quase todas as pizzas (obviamente) tem queijo. Caso você peça uma pizza de Prosciutto, por exemplo, ela terá queijo também. Acho que as exceções são mais pra pizzas dietéticas. Mas vocês devem estar se perguntando por que estou citando uma coisa tão óbvia? Simples, porque em São Paulo nem sempre a pizza terá queijo. Então quem mora ou frequenta as pizzarias paulistas pode achar que na Itália é igual – e  não é. 😀 Em São Paulo se você pede uma pizza de calabresa, prepare-se para comer só a calabresa… sem queijo… questão de costume né? 🙂

Nessa mesma viagem também fui para Milão, e aos que querem dicas de pizzaria boa lá, nos próximos posts falo sobre uma que gostei.

E vocês? Tem alguma sugestão??

Um beijo!

Onde comer em Fátima – Portugal

Os italianos que me desculpem, mas a melhor comida da Europa pra mim é a portuguesa. Não sei se porque na casa da minha família prezam muito mais um bom bacalhau do que um prato de massas, cresci assim e a influência da cozinha portuguesa pesou bastante. Em Fátima não poderia ser diferente e comi muito bem lá em dois lugares que foram uns “achados”, pois são simples por fora e não chama atenção de quem passa, mas que ao conhecer superam bastante as expectativas. Na realidade descobrir onde comer em Fátima não é trabalho nenhum. 😀

IMG_8300

Logo ao chegar estacionamos o carro perto do Monumento aos Pastorinhos e logo encontramos o Só na Brasa Restaurante. Esse simpático lugar, gerido por administração familiar, é um ótimo lugar para quem quer desfrutar da legítima comida portuguesa feita por portugueses. Como não poderia deixar de ser, pedi bacalhau, que estava ótimo: nem salgado nem sem sal, posta grossa e regada no azeite português. Para acompanhar, legumes no vapor. Porém, antes que vocês pensem que minha comida estava muito saudável, chegou uma cestinha de pães quentinhos e macios tão bons que comprei pra levar. 😀 (onde vejo pão bom compro e levo pra Madrid, já que os padeiros da capital espanhola dispensam comentários negativos).

IMG_8277

Restaurante Sonabrasa

IMG_8279

Restaurante Sonabrasa

IMG_8272_Fotor

Queijo de vaca e ovelha curado do Alentejo, muito bom!

IMG_8271_Fotor

Entradas

Nos trouxeram também queijo da região do Alentejo, que estava ótimo e acabamos pedindo mais um. Como não estava friozinho e eu não gosto de vinho no calor, dispensei o vinho e bebi chá gelado de pêssego. De sobremesa pedi pudim de leite, óbvio né? Não quando já se está há quase um ano sem comer. Localização: Edifício Azinheira/Rotunda Sul, em frente ao Monumento dos Pastorinhos.

IMG_8275

Quanto gastar no Restaurante Sonabrasa (nós éramos 5 pessoas)

IMG_8282_Fotor

Restaurante Sonabrasa

Eu fui também em um outro MUITO bom para jantar. Também de administração familiar, descobrimos o local por acaso quando estávamos andando para buscar o carro. O local chama-se Restaurante Stop, localizado na Estrada Principal de Fátima, em frente a uma área de estacionamento de carro.

Juro que foi o atendimento mais rápido que já vi. Acredito que fomos os primeiros clientes do restaurante naquela noite, e só tinha uma senhora sozinha atendendo. Poucos minutos depois a cozinha estava cheia dos familiares dela que ela chamou para que a ajudassem. Fomos atendidos então por uma menina bem simpática, que acho que era neta da proprietária.

Pedimos para comer bolinho de bacalhau, mas como de costume nos serviram uns maravilhosos pães quentinhos com azeite e poucos minutos depois o bolinho já estava pronto: sequinho, crocante e bem recheado de bacalhau. Sem dúvidas um dos melhores bolinhos que já comi na vida! E o preço, gente? Um absurdo de barato! (6€/prato).

IMG_8417

Pensei que era uma porção de bolinho de bacalhau… e olha o que veio além do bolinho! rs

IMG_8418

Conta

E vocês? Tem alguma sugestão sobre o que comer na cidade?

Um beijo!

 

Continue lendo: O que fazer em Fátima.

Platea Madrid: Mercadinho Gourmet

Sou dessas que gosta MUITO de comer e que gosta de variar os pratos. Não sou adepta do bom arroz com feijão de todo o dia, e tampouco de frequentar os mesmos lugares, por esse motivo sempre que posso opto por conhecer lugares novos, e assim eu encontrei o Platea Madrid, novo mercadinho gourmet da cidade. O Platea conta com 6 estrelas Michelin, recebeu um investimento de 60 milhões de euros para começar a funcionar e tem capacidade para mais de 1.000 pessoas.

Entrada do Platea Madrid

Entrada do Platea Madrid

IMG_7506

No alto do mercado: Restaurante Arriba

IMG_7488

Platea Madrid

Confesso que de “mercadinho” o lugar tem pouco. É como um grande centro de alimentação com música ambiente super agradável, ambiente refrigerado, boa comida e ambiente super bonito e moderno. No dia que fui, optei por não comer refeição e sim tapear em muitos dos bares de tapas do local.

Se você quiser apenas beber, escolha uma das mesas do salão principal que um garçom irá lhe atender, se quiser comer, terá que comprar direto no balcão de um dos bares. Na ocasião comi hamburguinho (inho!) de cordeiro na planta baixa do mercado e achei simplesmente di-vi-no! Comi em outro lugar croqueta de queijo de cabra que também estava excelente. Porém, fiquem atentos, são servidos em tamanhos muito pequenos e com certeza você não irá comer somente um.

IMG_7502

Vermut de grifo

IMG_7489

Pizza gourmet

IMG_7534

Coisinhas espanholas… rs

Ainda achei espaço para uns docinhos na Mamá Framboise, de Alejandro Montes. Comi umas tartaletas de framboesa e chocolate e um chocolate na jarra que estava ótimo. Os doces apesar de terem ótima apresentação, deixaram a desejar na qualidade (desculpem-me a sinceridade). Porém, o que me encantou nesse lugar foi o ambiente, decoração e beleza do local. Tudo minuciosamente bem pensado para ficar lindo!

IMG_7552

Mamá Framboise

IMG_7564

Mamá Framboise

IMG_7590_Fotor

O Platea ainda conta o renomado restaurante Arriba, do chef espanhol Ramón Freixa, que conta com duas estrelas Michelin. Esse lugar de alta gastronomia é uma oportunidade imperdível pra quem quer conhecer um pouquinho da alta gastronomia sem gastar uma grande fortuna. Apesar de eu ainda não ter ido, já pesquisei o menu e os preços são em média 50€/por pessoa.

IMG_7492

Restaurante Arriba

Se estiverem curiosos sobre quanto gastar em média nos locais, tirei umas fotinhos de algumas notas do que consumi:

IMG_7525

Hamburguinhos (bem) inhos!

IMG_7588

Mamá Framboise

IMG_7510

Croquetas de queijo de cabra

E vocês? Já conhecem o Platea Madrid?

Beijos!

Continue lendo:

Baby Beef Rubaiyat Madrid

No meu último aniversário fui jantar no Baby Beef Rubaiyat Madrid e não poderia ter escolhido lugar melhor para comemorar meus 27 aninhos!

Esse restaurante, cujo dono é um galego, é como um templo carnívoro criado pelo espanhol Belarmino Fernández que surgiu  primeiramente em terras brasileiras, e que devido ao sucesso na América, felizmente abriu uma bem sucedida filial na Espanha.

Baby Beef Rubaiyat Madrid

Baby Beef Rubaiyat Madrid

O restaurante é destinado aos que prezam por comer bem, ser bem atendido e com conforto. O atendimento é um grande diferencial frente aos outros restaurantes de Madrid, que não costumam prezar tanto pelo quesito “atendimento” (com algumas exceções). O atendimento do Baby Beef Rubaiyat é fantástico! Conheci e conversei bastante com o chefe da equipe do restaurante, um baiano que veio para Madrid dar treinamento para os espanhóis, que acabou ficando e arrasando.

Fizemos reserva antecipada através do serviço do Concierge Mastercard Platinum, e se não quiser se dar o trabalho de procurar o telefone do restaurante, basta ligar para o Concierge que eles fazem tudo pra você. Para telefonar do Brasil, ligue para 0800-725-2025 e selecione a opção 2. Eles mesmo fazem a reserva e confirmam para você.

Apesar de ser uma quinta-feira, o restaurante começou a encher a partir de umas 22:30h. Chegamos às 21h, ainda vazio e conseguimos um lugar na parte externa, denominada terraza. A terraza é sem dúvidas o melhor lugar para ficar no restaurante: baixa iluminação, ambiente intimista, luz de velas, boa decoração com mesas de ipê, assentos de couro e muito conforto. A única coisa negativa é que como se trata de um ambiente externo, é permitido fumar. Porém, para minha sorte, não tinha ninguém fumando nas mesas vizinhas. 🙂

Terraza do Rubaiyat

Terraza do Rubaiyat

Logo ao chegar fomos super bem recepcionados e logo os mimos começaram a aparecer: nos serviram entradas como gazpacho, azeitonas, tomatinhos, etc. Depois chegou a hora dos tão famosos pães do Rubaiyat, nossa, como são perfeitos! Quentinhos, assados no ponto e com um sabor excelente, são de deixar qualquer um babando. Destaque para o pão de alecrim (pán de romero), que é simplesmente maravilhoso! O pão de queijo também é muito bom, mas diferente do Rubaiyat do Brasil, por ser feito com queijo fresco espanhol.

A título de curiosidade, em algumas épocas do ano o restaurante serve feijoada a 39€ por pessoa. Já imaginou uma feijoada bem quente no inverno? 🙂

IMG_7197

Vai uma Mahou aí?

IMG_7206

Pão de alecrim

IMG_7192

Pão tostado

IMG_7207

Famosos pães de queijo do Rubaiyat

Depois de me empanturrar comer as entradas, pedimos as carnes (sim, pedimos duas pois éramos três pessoas). As escolhidas foram Baby Gold (600g da melhor parte do baby beef – raça Brangus) e Bife de Tira (380g de Tiras de Picanha), que vieram preparadas ao ponto. Foi mais que suficiente para nós três, e confesso que comemos até mais do que deveríamos.

IMG_7212

As carnes foram servidas numa chapa quente e nós mesmos nos servíamos. O que vocês estão vendo no prato não é só o que nos deram…hehe

As carnes estavam deliciosas, macias e suculentas, do tipo de comer rezando e foram servidas com batatas que mais pareciam mini-pastéis, divinas!. Pra quem não sabe, o grupo Rubaiyat tem uma fazenda no Estado do Mato Grosso do Sul, no Brasil, em que criam os gados para consumo da carne, em especial as raças Brangus e Tropical Kobe Beef. Segundo o garçom que nos atendeu, toda carne servida nos restaurantes do grupo vem da Fazenda Rubaiyat. Para conhecer um pouco mais sobre a fazenda, clique aqui.

Como era meu aniversário, me mimaram com champagne e um bolinho com direito a vela, não é um amor? Eu só tinha pedido a vela na verdade, que colocaria na sobremesa que havia pedido. Trouxeram vela, champagne e bolinho, além da sobremesa. Gente, como eu comi! 🙂

IMG_7247

Parabéns pra mim!!

De sobremesa havia pedido uma panqueca de doce de leite argentino com sorvete de baunilha, que dividi com meu amigo. Estava muito boa e ainda veio acompanhada de petit fours também excelentes. Simplesmente  não tinha nada “mais ou menos” no restaurante, tudo o que pedimos estava muito bom.

Sobremesas do Rubaiyat Madrid

Sobremesas do Rubaiyat Madrid

Passeando pelo restaurante vi que eles seguem o mesmo padrão da Figueira Rubaiyat, em que a cozinha é totalmente exposta para os clientes. Responsa hein?

IMG_7266

Cozinha aberta do Rubaiyat

QUANTO GASTAR NO BABY BEEF RUBAIYAT MADRID

Como não aguentávamos mais comer, chegava a hora de ir embora. Gastamos 136€ nessa brincadeira, o que particularmente não achei tão caro pro que é. Já fui em três restaurantes da rede Rubaiyat, tanto em São Paulo quanto no Rio de Janeiro, que apesar de serem ótimos não achei tão bons quanto o de Madrid – e obviamente acabei gastando mais que isso.

A gorjeta na Espanha não é obrigatória, mas é de bom senso dar se você for bem atendido. Na ocasião desembolsamos 34€ de gorjeta, que apesar de ser muito, valeu muito a pena e acho que o garçom ficou feliz! hehe.

Meu sorriso traduz minha satisfação! :)

Meu sorriso traduz minha satisfação! 🙂

Recomendadíssimo para todos os moradores, visitantes e afins!

E vocês?

Conhecem algum restaurante da rede Rubaiyat?

Beijos!

CONTINUE LENDO:

Onde comer comida paraense (típica) em Belém?

Belém do Pará, a capital da gastronomia brasileira. A comida paraense é muito conhecida no Brasil e seus ingredientes cada vez mais utilizados pelos melhores e premiados chefs do país. É bem comum ver chefs fazendo turismo e conhecendo o grandioso mercado do Ver-o-Peso, a maior feira ao ar livre da América Latina e um dos primeiros mercados públicos do Brasil.

Viajar para Belém é viajar para fazer turismo gastronômico, e encontrar um bom lugar para apreciar essa culinária tão exótica não é tarefa fácil: alguns restaurantes são caros e não oferecem o melhor, outros são baratos, menos conhecidos e oferecem produtos super competitivos – porém muitas vezes ficam fora do roteiro por não serem tão conhecidos.

Um deles é o restaurante Tomaz – Culinária do Pará. Um lugar bem localizado, simples, pequeno mas aconchegante. Não espere por luxos, mas vá com a certeza de que comerá bem – e muitas vezes melhor do que muitos restaurantes renomados.

Fachada 01

Fachada

Interno 02

Interior

Na minha penúltima estadia em Belém fui lá conferir e aprovei. Na ocasião tomei um belo tacacá (R$13)* e comi vatapá (R$14) – que esse último só perde para o da minha mãe, claro. 🙂 O camarão vem descascadinho e no ponto (detesto vatapás que não descascam o camarão).

Pra quem não sabe, tacacá é um prato típico do Pará feito à base de tucupi, jambu, camarão seco e goma de tapioca, é servido bem quente como uma sopa e servido numa cuia. O tacacá feito no Tomaz é ótimo e podemos desfrutá-lo num ambiente com ar condicionado e sem a bagunça do tacacá de rua – mais comum em Belém. Imagina tomar tacacá na rua com um calor de 35ºC? Pra mim, não dá.

Minha comida paraense preferida!

Minha comida paraense preferida!

Vatapá

Vatapá paraense

Uma opção bem interessante para os turistas que querem comer mais de uma coisa sem se encher tanto é o prato chamado Vataçoba, que é metade vatapá e metade maniçoba (R$18).

attachment

Vataçoba

Outro prato bem interessante que tem por lá também é o Arroz Figueiredo (R$22), que é um arroz com pato desfiado,  jambu e tucupi. Como eu nunca abro mão do vatapá e tacacá,  sempre deixo o arroz pra próxima.

Arroz Figueiredo

Arroz Figueiredo

E pra quem é formiguinha como eu, a casa ainda oferece algumas sobremesas como bolo de macaxeira, creme de cupuaçu e sorvetes de tapioca e açaí da Cairu.

UPDATE: Voltei ao Tomaz em outubro de 2016 e comi um bolo de macaxeira divino! (R$5,50). Servido quentinho do tipo que derrete na boca. Recomendo! Aproveitei e comi uma casquinha de caranguejo ótima também, como tudo que fazem lá (R$20).

Enfim, recomendo o Tomaz pra aquele fim de tarde faminto ou jantarzinho mais informal. O ambiente não é romântico, e sim muito familiar. Então vá sabendo e vá com fome. 😀

2014-01-19 03.32.29

Minha família num início de noite no Tomaz, até o vovô foi! 🙂

Aprovadíssimo!

Beijos!

*Valores de 2016. OBS: Fotos carinhosamente cedidas pela equipe do Tomaz (exceto a última).

Continue lendo: O que fazer em Belém, Onde comer em Belém

Jamie’s Italian, Londres: eu fui!

Sempre gostei de assistir os vídeos do Jamie Oliver, chef de cozinha britânico, apresentador de TV e proprietário do restaurante em questão. Pra quem não sabe,  Jamie Oliver trabalha na área de gastronomia desde os 7 anos de idade, quando trabalhava na cozinha de um pub de sua família. E daí não parou de aprender, crescer e formar novos chefs pelo mundo. Durante minha estadia em Londres claro que não poderia deixar de conhecer um de seus restaurantes e provar suas receitas. 🙂

O escolhido foi o Jamie’s Italian, de Covent Garden, mas além desse o chef possui outros restaurantes como Fifteen, Barbecoa, Jamie’s Oliver Diner e Union Jacks. O Jamie’s Italian não é um restaurante de luxo, é apenas bonitinho e com atendimento eficiente. Escolhemos ir no almoço, não enfrentamos fila e o atendimento em geral foi bastante ágil. Se preferir não correr o risco de enfrentar fila, sugiro que faça uma reserva online clicando aqui.

IMG_5731_Fotor

Pedimos uma polenta de entrada que na verdade nem cheguei a ver no cardápio, mas vi sendo servida na mesa ao lado e pedi igual, pois estava bem bonito (sim, sou do tipo que come com os olhos!). Chegou em poucos minutos, estava com boa aparência e servia bem duas pessoas. O sabor era bom também, não muito oleoso e servido bem quentinho.

IMG_5735_Fotor

Polenta Chips

Os pratos principais são servidos de duas formas no cardápio: um valor X para a porção inteira (indicado pra quem não comeu nada de entrada) e um valor Y para meia porção (indicado pra quem comeu entrada). Meu marido e eu pedimos meia porção e ficamos bastante satisfeitos, mas meu amigo, que não comeu entrada alguma, preferiu pedir uma porção inteira – que também foi suficiente.

Meu marido pediu uma massa com almôndegas, que reclamou que estava sem sal – nosso amigo pediu o mesmo prato e também se deu mal, o prato chamava-se Meatball Reginette (anotem!). Eu me dei bem 🙂 , pedi um penne carbonara que estava uma delícia! Realmente bom! Mas sabe quando a comida é boa mas não excepcional? Pois é.

foto-6

Penne carbonara

No restaurante tem uma área pequena com alguns produtos pra vender da linha do Jamie Oliver, que não pareceram ser somente coisas bonitinhas, pareciam ser de qualidade. Eu mesma possuo um jogo de panelas dele e não troco por outro.

IMG_5739_Fotor

Comprinhas no Jamie’s Italian

No final das contas gostei de ter conhecido o local e voltaria com certeza, pois não achei caro e foge um pouquinho dos fish & chips britânico. Nossa conta deu 36,80 libras, fora a gorjeta, que demos 10% (detalhe como os ingleses fazem questão de frisar que a gorjeta não está inclusa…rs).

IMG_5736_Fotor

Total gasto em reais na cotação de hoje (com gorjeta): R$154,68

Jamie’s Italian no Brasil?

Não necessariamente será a mesma rede especializada em comida italiana, mas o chefe desembarcará no bairro de Itaim, em São Paulo, no início de 2015. Quem tem vontade de conhecer suas receitas não precisará mais ir tão longe. 🙂

E vocês? Já comeram em algum restaurante da rede?

Beijos!

 

 

 

Restaurante Botín: O mais antigo do mundo

Eu sou o tipo de pessoa que ADORA conhecer coisas novas e dificilmente fidelizo em algum bar ou restaurante, pois sempre penso que têm muitos outros pra conhecer. Se você se identifica com isso e não vai pra restaurante só pelo prato de comida mas também pela experiência, jantar no Sobrino de Botín é imperdível. Pra começar, o restaurante está na lista da Forbes como o terceiro mais clássico do mundo.

Restaurante Sobrino de Botín

Restaurante Sobrino de Botín

Fundado em 1725, esse lugar é considerado o restaurante mais antigo do mundo (sim, do mundo!) e está no Guinness Book of Records pela sua “idade”. Há rumores que Goya trabalhou lá lavando pratos, e que Hemingway também já passou por lá. 🙂 A arquitetura e decoração do ambiente é totalmente antiga, acredito que nunca foi muito reformado, com exceção do último andar que é mais “moderninho” do século XX…rs.

Para jantar nesse lugar é necessário fazer reserva com pelo menos uns 7 dias de antecedência, do contrário NADA FEITO. O local é muito badalado e movimentado, tanto por espanhóis quanto por turistas curiosos do mundo todo. Na primeira vez que fomos meu marido fez a reserva para 20h e tínhamos esquecido que 20h ainda estaria muito claro e pedimos pra mudar de horário, mas não tinha mais vaga e acabamos indo às 20h mesmo. Para fazer uma reserva online, clique aqui.

Eu fiquei no melhor andar pra quem espera uma “experiência”: o subsolo. O térreo também é interessante, e os dois andares de cima não muito. A escada é estreita e um pouco ruim de descer pra quem está de salto alto, mas logo ao descer tinha um garçom pra me recepcionar e fazer a gentileza de segurar a minha mão pra eu não me esparramar no chão. O local é tudo aquilo que você espera ver ao visitar um local antigo: paredes de pedra, arcos dividindo os ambientes, piso de madeira, portas antigas e baixa iluminação (porém, suficiente).

Escada do Sobrino de Botín

Escada do Sobrino de Botín

Porta do século XVIII - Sobrino de Botín

Porta do século XVIII – Sobrino de Botín

Comemorando aniversário de casamento :)

Comemorando aniversário de casamento 🙂

O atendimento foi impecável desde o momento da chegada até a hora de ir embora, o que é realmente difícil de ver em Madrid. Pra quem não sabe, Madrid não é um lugar em que você é bem atendido, pelo contrário – os atendentes em geral são super grossos. Porém, os garçons do Botín são muito simpáticos, eficientes e gentis.

Pedimos de entrada pãozinho (não resisto!) e croquetas de jamón, que sem sombra de dúvidas foi uma das melhores que já comi na Espanha. Além disso, tomamos vinho tinto espanhol (claro!), e de prato principal pedimos o famoso cochinillo assado no forno à lenha, carro-chefe da casa since 1725. O cochinillo é um leitãozinho crocante por fora e macio por dentro. Dizem que pra um cochinillo ficar no ponto certo ele fica durante dias assando.

Croquetas de jamón

Croquetas de jamón

Vino de la Rioja

Vino de la Rioja

O famoso cochinillo

O famoso cochinillo

De sobremesa fui de torta de queijo, que não foi a melhor que já comi na vida, mas que estava boa pra padrões espanhóis – que não tem os doces como forte.

Tarta de queso

Tarta de queso

QUANTO GASTAR

Achei o restaurante muito bom em tudo: atendimento, qualidade dos pratos, localização e preço. Nossa primeira ‘brincadeira’ saiu por 79,35€+10% de gorjeta, que no câmbio da ocasião sairia por R$282,78, que talvez seja quanto pagaríamos num bom restaurante no Brasil pra consumir o que consumimos. Achei que valeu muito a pena. Pra quem visita Madrid pela primeira vez, recomendo que uma ida ao restaurante esteja na lista de coisas pra fazer. 🙂

Menú do Botín

Menú do Botín

OBS: Para quem não sabe, não devemos calcular a conversão de real pra euro com base na cotação do euro dos jornais, pois este é apenas uma referência pro euro comercial e você não conseguirá comprar a moeda nessa cotação divulgada. Caso você precise viajar, precisará comprar euro “turismo”, que apesar de não utilizarem oficialmente essa denominação, é como se fosse. Para ver as cotações atualizadas e ter uma noção de quanto as casas de câmbio estão cobrando, clique aqui.

UPDATE

Como gostei muito do local, retornei ao restaurante algumas outras vezes depois da primeira visita, porém em uma das ocasiões não comi o cochinillo, comi carne bovina (solomillo a la plancha) e estava ótima! Carne muito macia, bom tempero e suculenta. A carne bovina ainda é um pouco mais barata que o cochinillo (aproximadamente 18€), e se você estiver com muita fome, não dá pra dividir. Meu marido comeu o cordeiro, que também estava ótimo. Anotem aí! 🙂

Meu lugar preferido no restaurante: o porão

Meu lugar preferido no restaurante: o porão

Beijos!

CONTINUE LENDO:

Comida brasileira em Madrid

Os brasileiros que não estão em Madrid a passeio e aterrizam logo pra morar, sentem muita diferença por aqui, e especialmente quanto à alimentação. A verdade é que a comida brasileira em geral é maravilhosa e isso me dá muita saudade! Confesso que infelizmente não sinto muita saudade do Brasil, mas das tranqueiras brasileiras, demais… 😀

Num desses momentos de muita saudade, fui pesquisar na internet se encontrava algumas coisas nossas pra vender por aqui, e pra minha felicidade achei! Li num outro blog que uma brasileira (com o mesmo “problema” que eu) descobriu uma lanchonete que vende produtos brasileiros chamada Trigo de Oro, então fui lá conferir!

IMG_3887

Trigo de Oro

A proprietária do estabelecimento é mineira e de cara já dá pra sentir o sotaque. Lá podemos matar a vontade de coisas como: pastel “de feira”, coxinha, coxinha com catupiry, kibe brasileiro, pão de queijo, brigadeiro, torta prestígio ou nega maluca, e todas essas coisas gordinhas e gostosas que estamos acostumados. Porém, o local não serve somente produtos brasileiros, o que dá um leque de opções bem variado. Além de vender coisas pra consumir no local, também é possível comprar pra levar coisas como açaí frooty, pão de queijo congelado, coxinha congelada, produtos Yoki e uma grande variedade de coisas.

IMG_3886

Docinho olho de sogra, hummmmm…

IMG_3891

E pra levar pra casa…

IMG_3881

Gente, a fatia da torta é MUITO grande!

IMG_3878

Fanta uva com pão de queijo, “cortesia” da casa

IMG_3880

S2

Pra quem está morrendo de vontade de comer essas tranqueiras coisas, o local é uma boa pedida. A coxinha realmente é muito boa e o kibe também, mas o pastel e o pão de queijo deixam muito a desejar. Não sei se porque quem cuida da cozinha não é uma brasileira e ela não sabe direito qual o “ponto” certo, mas o pastel veio bastante esbranquiçado e sem graça. O pão de queijo também… parece que faltou o queijo… Mas as outras coisas que que comi estavam boas. Além disso levamos produtos pra casa como o pão de queijo e a coxinha congelada, e ambos ficaram muito bons em casa, principalmente a coxinha. Ah, tomamos fanta uva no local (pra quem não sabe, não vende fanta uva aqui). 🙁

IMG_3888

E para os amantes de refrigerante de guaraná, lá também tem!

O atendimento da casa é muito acolhedor, tanto a brasileira quanto a peruana que trabalham lá são MUITO simpáticas. E conversando com a peruana ela disse que eles aceitam encomenda de feijoada também… que delícia né? Nunca encomendei, mas agora já sei pra onde correr se bater a vontade…

O ambiente é bem pequeno, acredito que tem no máximo umas 4 mesas no local, mas não tive dificuldade em encontrar mesa vazia. Quando estive lá pude ver que muita gente compra coisas pra levar e faz encomendas pra aniversários. E quanto ao preço, tirei uma foto do cardápio pra vocês verem (valores de 2014):

IMG_3877

Valores de 2014

Então gente, quando estiverem com vontade de comer comida brasileira em Madrid, agora já sabem! Aprovadíssimo!

Dica: Encontrei um lugar onde vende vários produtos brasileiros, pra quem se interessar, clique aqui.

OBS: Isso não é um post patrocinado.

Beijos!

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE