Salvador – BA

Onde comer comida baiana em Salvador

Por Salvador ser uma cidade super turística e pela culinária ser um dos principais atrativos, não dificilmente você encontrará pega-turistas na cidade. Eu queria almoçar comida típica baiana e uma amiga indicou o Ki-Mukeka da unidade de Armação. Então fomos lá.

Estacionamento no local, valet, e muita fila de espera pra saborear as delícias da Bahia. Aguardamos aproximadamente uns 40 minutos em um dos muitos sofás de espera, com garçonetes servindo cervejas e entradinhas.

Decoração do Ki-Mukeka

Decoração do Ki-Mukeka

Decoração do Ki-Mukeka

Decoração do Ki-Mukeka

Roupa das garçonetes

Roupa das garçonetes

Eu, particularmente, gostei muito do atendimento do local, e uma garçonete ficou praticamente à minha disposição o tempo inteiro. De entrada pedimos uma porção de acarajé e de abará, que é igual ao acarajé, mas é envolto em uma folha de bananeira e cozido, ao invés de frito. Acabei gostando mais do acarajé mesmo, mas confesso que não morri de amores por nenhum. Sorry.

IMG_2690

OBS: Se perguntarem para você se quer acarajé “quente” ou “frio” cuidado. Isso nada tem a ver com a temperatura e sim com a quantidade de pimenta que você quer. Se não é fã de pimenta, não peça quente.

Outro destaque além do atendimento foi o prato principal, que estava de comer rezando. Pedimos uma moqueca baiana de camarão e gente… quanto camarão! Um prato de moqueca serve bem até 4 pessoas, pois tem vários acompanhamentos e é muito farto. O prato é servido bem quente em panelas de barro com muito leite de coco e azeite de dendê, além, claro, de muito camarão. 🙂 OBS: Destaque para o pirão que é servido como acompanhamento (e olha que não sou fã de pirão, hein!).

Moqueca baiana de camarão

Moqueca baiana de camarão

Por falar em moqueca, você sabe a diferença entre ensopado e moqueca? Pois bem, moqueca é feita com azeite de dendê e ensopado com extrato de tomate. O resto dos ingredientes permanece igual. No restaurante é servidos os dois pratos.

O Ki-Mukeka já ganhou prêmios na cidade de “Melhor cozinha baiana” e “Melhor moqueca de Salvador” e a moqueca fez jus ao título.

Prêmios

Prêmios

Como eu já estava super satisfeita, não pedi sobremesa. Mas tirei uma fotinho do cardápio pra vocês verem o que eles oferecem:

Menu de sobremesa

Menu de sobremesa

Quanto gastar?

A moqueca está na casa dos três dígitos, custando R$109,00. Porém, como é muito farto e dá pra dividir, acaba não saindo caro. A conta deu aproximadamente R$160,00 com direito a entrada, prato principal e umas cervejas.

Se estiver em Salvador, Lauro de Freitas, Feira de Santana ou Brasília, não deixe de conferir e se deliciar. 🙂

Onde comer comida baiana em Salvador? Endereço: Av. Otávio Mangabeira n°136 – Jardim Armação.

Roteiro de 1 dia em Salvador

Muita gente vai rapidinho na capital baiana, seja pelo fato de que irá fazer uma longa conexão ou porque já tem data marcada pra partir rumo às outras cidades famosas da Bahia. Esse foi meu caso, estava na Chapada Diamantina e o tempo ficou curto pra Salvador, mas ainda consegui ficar 1 dia inteiro/1 noite.

Não vou discorrer sobre hotel pois me hospedei na casa de um casal de amigos que conheci por ocasião do trabalho e que me identifiquei de cara. Se todas as pessoas fossem hospitaleiras e simpáticas assim, o mundo estaria bem melhor. 🙂

Na noite que chegamos saímos pra comer e ficamos jogando conversa fora, então não vou me ater a isso. No outro dia partimos pros pontos turísticos, lembrando que optei pelos lugares mais clássicos de conhecer numa primeira visita, e acho que fiz boa escolha, afinal, Salvador não é cidade pra visitar uma vez na vida.

Depois de um super café da manhã típico do Nordeste com muuuita fartura, saí pra bater perna 🙂 . Estávamos de carro e não utilizamos estacionamentos privados. Pra ir ao Mercado Modelo, Pelourinho e Elevador Lacerda estacionamos na Cidade Baixa, pertinho do Mercado Modelo e, apesar de termos estacionado na rua, tivemos que pagar R$15,00 pro flanelinha. Pasmem.

O primeiro lugar escolhido foi:

Ponta do Humaitá

Localizado na Cidade Baixa, a Ponta do Humaitá é sinônimo de belas paisagens e vista da Baía de Todos os Santos e de mar calmo, sem fortes ondas. Está situada próximo ao Forte de Monte Serrat, monumento militar da Bahia construído no século XVI. Finalizado em 1742, desde 1993 abriga o Museu da Armaria, com armamentos civis e militares.

Ponta do Humaitá

Ponta do Humaitá

Igreja do Bonfim

A Basílica Santuário Senhor do Bonfim é um dos pontos turísticos mais visitados da Bahia. Com arquitetura em estilo neoclássico e fachada em rococó, segue o padrão das igrejas portuguesas dos séculos XVIII e XIX, com belos afrescos e muuuuuita azulejaria portuguesa. O Senhor do Bonfim é um ícone da fé baiana, e atrai muitos devotos, turistas, curiosos e peregrinos.

A história da Igreja nos remonta ao século XVIII, quando Theodózio de Faria, capitão-de-mar-e-guerra da marinha portuguesa, fervoroso devoto do Senhor do Bonfim, fez uma promessa durante uma tempestade de que, se sobrevivesse, traria para o Brasil as imagens do Senhor Jesus do Bonfim, e assim, posteriormente à sua sobrevivência da tempestade, trouxe uma réplica de Setúbal, sua cidade natal, iniciando então a construção da atual Basílica.

Quando visitei, estava tendo missa e não era permitido tirar fotos do interior. Então só pude tirar foto da Sala dos Milagres e da parte externa. Na Sala dos Milagres estão expostas diversas partes do corpo humano em cera, assim como fotografias de entes queridos, cartas de agradecimento por alguma graça alcançada e outras histórias de peregrinos que passaram por ali.

Igreja do Bonfim

Igreja do Bonfim

Sala dos Milagres

Sala dos Milagres

Azulejo português

Azulejo português

IMG_4520

Mercado Modelo

Hoje, um grande mercado de artesanato de Salvador, porém nem sempre foi assim. Inaugurado há pouco mais de 100 anos, o Mercado já foi o maior centro de abastecimento da capital baiana, até que sofreu pressão do CEASA e dos grandes supermercados que começaram a se expandir, e então, mudou seu foco para o artesanato.

Muitas lendas circulam acerca do Mercado Modelo, como o subsolo cheio de túneis e redescoberto na última reforma. O subsolo foi construído para ser uma cava para armazenamento de vinho e outras mercadorias que necessitavam de umidade, porém, reza a lenda que também era o local onde ficavam os escravos recém-chegados. Como está localizado abaixo do nível do mar, não eram incomuns os alagamentos. Para criar ainda mais um pouco de terror, alguns vigias noturnos dizem ainda ouvir barulhos de correntes vindo do subsolo…

Aos amantes de literatura, o local inspirou Jorge Amado, frequentador assíduo do Mercado, a criar uma das suas novelas: A morte e a morte de Quincas Berro D’água. Outros personagens ilustres da literatura também teriam frequentado o local, como Simone de Beavouir, Pablo Neruda, e Érico Veríssimo. Até a realeza britânica já passou por ali e fez até o Príncipe Philip se render às cachaças típicas.

Mercado Modelo visto do alto

Mercado Modelo visto do alto

Cores do Mercado Modelo...

Cores do Mercado Modelo…

Mercado Modelo

Mercado Modelo

Elevador Lacerda

Sem dúvidas um dos principais cartão postais de Salvador, o famoso elevador foi inaugurado em 1873. Idealizado e construído pelo engenheiro Antônio de Lacerda, possui 74 metros da base à torre dos elevadores.

Atualmente possui quatro elevadores (2 em funcionamento) que fazem o percurso entre a Cidade Alta e a Cidade Baixa em apenas 11 segundos e transportam mais de 20 mil passageiros ao dia, entre moradores, turistas, comerciantes da região por um preço simbólico de R$0,15!

IMG_2602

Pelourinho

Esse sim, o principal cartão postal da cidade. O Pelourinho, carinhosamente chamado de Pelô, é o nome de um bairro de Salvador, o qual possui um conjunto arquitetônico colonial barroco português preservado e integrante do Patrimônio Histórico da Organização das Nações Unidas para a Educação,  Ciência e Cultura.

O bairro foi fundado em 1549 por Tomé de Sousa, primeiro governador-geral do Brasil, que escolheu o lugar onde se localiza o Pelourinho pela localização estratégica – bem no alto, próximo ao porto e com uma muralha natural de 90 metros de altura, o que facilitava a defesa da cidade.

Atualmente é uma grande área de lazer ao ar livre, pois oferece inúmeras atrações artísticas e musicais. Muitos hotéis, albergues, restaurantes, lojinhas, bares, teatros, museus, igrejas e outros monumentos históricos completam o local. Coloridíssimo, há também apresentações do grupo Olodum, todo domingo e terça-feira.

Museu da Cidade e Fundação Casa de Jorge Amado, respectivamente

Museu da Cidade e Fundação Casa de Jorge Amado, respectivamente

Aos amantes das obras de Jorge Amado, por simbólicos R$5,00 pode-se visitar o local que abriga uma exposição permanente de documentos, fotografias, livros, adaptações e objetos relacionados ao escritor e sua esposa, também escritora. Aos curiosos de plantão, o célebre escritor morava a poucos metros da fundação, na Rua Alfredo Britali, nº 68. Funcionamento:  Segunda à Sexta de 10h às 18h e sábado de 10h às 16h. Às quartas a entrada é gratuita para todos.

"Se for da paz, pode entrar..."

“Se for da paz, pode entrar…”

Um dos locais em que Michael Jackson filmou o clip da música "They Don't Care About Us"

Um dos locais em que Michael Jackson filmou o clip da música “They Don’t Care About Us”

Ladeiras do Pelô

Ladeiras do Pelô

Monumento em homenagem a Zumbi dos Palmares

Monumento em homenagem a Zumbi dos Palmares

Monumento em homenagem ao Primeiro Bispo do Brasil

Monumento em homenagem ao Primeiro Bispo do Brasil

Bem pertinho da estátua do bispo está o curioso Monumento da Cruz Caída, em homenagem ao desaparecimento da antiga Igreja da Sé, a principal do país, construída em 1553 e demolida em 1933, para permitir a passagem de bondes até o terminal da Sé.

Monumento da Cruz Caída

Monumento da Cruz Caída

Em frente do Monumento tem-se uma bela vista do Mercado Modelo, da Baía de todos os Santos, Elevador Lacerda e Forte de São Marcelo.

Pelourinho

Pelourinho

Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos

Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos

Ali pertinho está a Igreja e Convento de São Francisco, uma das mais belas do país e de arquitetura barroca, revestida de ouro no seu interior. Infelizmente quando fui estava fechada, mas se você estiver em Salvador não deixe de ir conhecer e me contar aqui o que achou, ok? 🙂

Farol da Barra/Forte de Santo Antônio da Barra

O farol está construído no interior do Forte de Santo Antônio da Barra, e dizem ser o mais antigo farol da América do Sul. De suma importância econômica no século XVII, quando o porto de Salvador era um dos mais movimentados e importantes do continente, e era preciso auxiliar as embarcações que chegavam em busca de pau-brasil, açúcar, algodão, tabaco e outros itens, para abastecer o mercado europeu.

Atualmente é administrado pela Marinha, e abriga também o Museu Náutico da Bahia, um bar e uma biblioteca.

Bela vista de lá...

Bela vista de lá…

Farol da Barra

Farol da Barra

Era domingo e o calçadão estava cheio de pessoas praticando esportes, caminhando, e outras na areia da praia, curtindo o solão que brilhava. 🙂

Praia da Barra

Praia da Barra

Dicas:

Não deixe de tomar sorvete na Sorveteria A Cubana, eu simplesmente AMEI o de tapioca. Na ocasião visitei a unidade que tem no Pelourinho, mas tem outras na cidade.

Sorvete de tapioca da Sorveteria A Cubana

Sorvete de tapioca da Sorveteria A Cubana

Em geral gostei muito de Salvador, mas gostaria de ter ficado mais dias. Mas pra um tour no centro histórico, 1 dia inteiro é suficiente.

Fique esperto com sua carteira e bolsa de mão, alguns lugares achei o clima um pouco pesado. Não sei se foi impressão minha, mas achei que meu marido fosse ser assaltado (ele tava com a carteira na mão dando sopa e eu vi uns garotos de olho).

Se possível, alugue um carro. Não sei como teria sido se estivéssemos sem, mas com carro você fica muito mais livre pra circular pela cidade, mesmo que tenha que desembolsar uma grana pros flanelinhas.

Se você já conhece Lisboa, vai se espantar com a semelhança entre as cidades em vários aspectos. Os azulejos, a arquitetura das casas, as cores, o porto… enquanto Lisboa tem a Fundação Saramago, Salvador tem Jorge Amado. Até as ruelas de paralelepípedo são parecidas… e o que falar dos nomes “Cidade baixa”  e “Cidade alta”? E as ladeiras? Enquanto Lisboa tem o Elevador Santa Justa, Salvador tem o Lacerda. Até a sujeira das ruas é bem semelhante… ou tá achando que Lisboa, por ser Europa, é uma cidade limpinha? Mas de todo modo, ambas têm seus encantos e charmes. E eu particularmente AMEI conhecer as duas! 🙂

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE