Belo Horizonte – MG

O que fazer em BH: Meu top 5

Uma missão difícil desvendar meu top 5 na capital mineira em tão pouco tempo de estadia. No meu caso, passei um dia inteiro e duas noites em BH e consegui conhecer as seguintes atrações, que estavam na minha wish list há tempos! 🙂

O que fazer em BH

1 – Conhecer o Mercado Central de Belo Horizonte

Imperdível na capital mineira, o mercadão recebe aproximadamente 1 milhão e meio de visitantes por mês, e apesar de eu não ter achado tão bonito foi considerado um dos melhores mercados do mundo, aparecendo ao lado do Ver-o-Peso representando o Brasil. É um prato cheio para quem quer levar pra casa coisinhas típicas mineiras como doce de leite, cachaça, queijos, temperos, pimentas… e não pense que vai encontrar somente coisas típicas não, tem pra todos os gostos! Juro que até tucupi do Pará vi pra vender. O artesanato também está presente em cada esquina e se estiver precisando comprar artigos de cozinha em madeira ou em cobre, lá é uma boa pedida. Particularmente não achei as coisas tão caras como imaginava que fosse, exceto o estacionamento, e consegui bons preços nas minhas comprinhas.

Vai uma panela de cobre aí?

Vai uma panela de cobre aí?

Captura de Tela 2016-04-17 às 16.38.36

Por sua grandiosidade, o tempo passa voando lá dentro e dá facilmente pra se perder de outra pessoa caso vá acompanhado. Pra ter uma ideia, 400 lojas estão presentes no local e recomendo a ida com bastante calma, pois notei grande diferença de preço entre uma lojinha e outra. Pra chegar ao Mercado vá até voando, menos de carro. O estacionamento bem em frente ao mercado custa R$12,00 a hora. Não me senti lesada no mercado, mas totalmente assaltada no estacionamento…

Boa opção pra quem quer levar pra casa...

Boa opção pra quem quer levar pra casa…

Onde é: Av. Augusto de Lima, 744 Centro – BH – CEP: 30190-922.

2 – Igreja São Francisco de Assis

Cartão postal da cidade, a igrejinha de Pampulha foi um projeto do famoso arquiteto Oscar Niemeyer, e em seu interior abriga a Via Sacra, composta por 14 painéis de ninguém menos que Candido Portinari, o menino dos olhos brasileiro das obras fauvistas. Paga-se R$3 pra entrar na igreja, e, apesar da singela contribuição, a visita vale muito a pena. Um fato curioso é que logo que foi inaugurada não era considerada um templo religioso, pois a igreja católica não reconheceu-a por fugir completamente dos padrões arquitetônicos da época. Somente em 1959, 15 anos depois de sua construção, a arquidiocese de BH reconheceu e começou a celebrar missas.

IMG_6818

Recentemente picharam os azulejos da igreja e no dia em que estive lá estava cheio de jornalistas fazendo matérias sobre o caso. E além disso estava chovendo muito, então nem consegui tirar boas fotos, como gostaria. Buáááá.

O maior cartão postal da cidade

O maior cartão postal da cidade

O que fazer em BH: Admirar as obras de Portinari certamente é uma delas

O que fazer em BH: Admirar as obras de Portinari certamente é uma delas

OBS: A parte de azulejo que tanto conhecemos é na verdade o fundo da Igreja. Para entrar dirija-se pra frente no sentido da lagoa e verá a portinha de entrada. 🙂

Onde é: Avenida Otacílio Negrão de Lima, 3000 – Pampulha – BH.

Horário de Funcionamento: 3ª a sáb. e feriados das 9h às 17h, dom. das 11h às 14h.

Outras informações: Às terças-feiras, missa às 20h e aos domingos, missa às 10h, com entrada franca.

3 – Casa Kubitschek

Construída pra ser a casa de fim de semana do, até então, prefeito de BH, conhecer essa residência nos remete a saber como a alta sociedade da época (anos 40/50) morava, a arquitetura presente, os objetos e utensílios. Projetada por ninguém menos que Niemeyer, representa bem os traços da arquitetura modernista do famoso arquiteto e se mantém luxuosa até hoje. Destaque para os belos jardins da frente da casa, atualmente restaurado, mas cujo projeto foi do paisagista Burle Marx.

O ontem

O ontem

O hoje

O hoje

Achei a casa super moderna, considerando o tempo em que foi construída. Destaque para a suíte de Juscelino, em que entrava-se no banheiro e de lá tinha outra porta para o enorme closet, para então sair por outra porta já vestidinho para a suíte novamente. Eu amei a ideia. Se ganhasse na mega sena, seguramente seria uma opção pra minha casa… kkk.

Uma das salas

Uma das salas

Outra coisa que gostei muito foi dos ricos detalhes em madeira de lei, e a mesinha com uma réplica de Guernica, de Picasso. Achei demais! Sinceramente, esse cara tinha bom gosto…

Mesa com réplica de Guernica

Mesa com réplica de Guernica

Onde é: Avenida Otacílio Negrão de Lima, 4.188, Pampulha – BH.

Horário de Funcionamento: Terça a sábado, da 10h às 17h.

Outras informações: Entrada franca.

4 – Memorial Vale

Prédio da antiga Secretaria do Estado da Fazenda de MG, o edifício de 1897 é uma construção tombada pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais – IEPHA/MG.

O passeio divide-se em três pavimentos: o mais legal, a meu ver, é o primeiro, em que os protagonistas são ilustres personalidades mineiras como Sebastião Salgado, Guimarães Rosa e Carlos Drummond de Andrade. Uma excelente oportunidade para quem nunca viu pessoalmente as belas fotos do renomado fotógrafo, com 21 imagens em exposição. E também uma excelente oportunidade pra conhecer um pouquinho mais sobre os ilustres Carlos Drummond e Guimarães Rosa.

Foto da foto do Sebastião Salgado

Foto da foto do Sebastião Salgado

O segundo pavimento fica por conta da histórias de BH, a vida dos mineiros e suas vilas históricas, sempre cheias de histórias pra contar.

Segundo pavimento: Maquete de uma vila mineira

Segundo pavimento: Maquete de uma vila mineira

O terceiro e último pavimento tem uma sala de exposição temporária, um auditório, exposição de cerâmicas típicas e outras atrações.

Onde é: Praça da Liberdade, s/n, Esquina com Rua Gonçalves Dias.

Horário de Funcionamento: Terças, quartas, sextas-feiras e sábados:  das 10h às 17h30, com permanência até 18h; Quintas:  das 10h às 21h30, com permanência até 22h e Domingos: das 10h às 15h30, com permanência até 16h.

Outras informações: Entrada franca.

5 – Praça da Liberdade

Praça da Liberdade

Praça da Liberdade

Uma das praças mais importantes da cidade, abrigava ao seu redor os mais importantes edifícios da cidade, como o Palácio do Governo e as Secretarias de Estado. Seu jardim, inspirado no de Versailles, e seu corredor decorado com lindas palmeiras chamam atenção de quem passa. Dica: Como fui de carro, achei horrível pra estacionar. Caso tenha outra opção, NÃO vá de carro.

Atualmente é palco de muitas manifestações e eventos culturais na cidade, tornando-se ponto de encontro dos moradores. Um oásis em meio à capital, destino frequente pra quem pratica atividades físicas na rua e gosta de atividades ao ar livre.

Praça da Liberdade

Praça da Liberdade

Se você conseguir ficar pelo menos dois dias inteiros na capital mineira, melhor. Recomendo uma ida à noite pro bairro de Savassi e seus inúmeros botecos. As opções em BH são enormes e eu gostei muito da cidade! Como qualquer outra metrópole brasileira, tem seus problemas sociais, mas achei em geral uma cidade bem cuidada e limpa. 🙂 E a simpatia do povo também foi uma atração à parte…

Até a próxima!

 

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE