Paris

Onde se hospedar em Paris: Apartments du Louvre

Em minha última viagem a Paris decidi ficar num apartamento, pois como eu viajaria com mais 2 pessoas um quarto triplo de hotel ficaria inviável. Foi então que conheci os Apartments du Louvre, cujo meu primo havia se hospedado e falado muito bem.

A princípio estranhei a ideia de ficar em um apartamento, mas a ideia foi amadurecendo e ganhou cores. Quem não quer se hospedar muito bem pagando menos, no coração de Paris? O apartamento está localizado muuuuuito perto do Museu do Louvre, um dos pontos turísticos mais importantes da cidade e do país. Também está perto do Rio Sena, da estação de metrô Louvre-Rivoli e enfim… perto de quase tudo e com muito fácil acesso.

Fiz minha reserva direto pelo site e paguei 50% antecipado e os outros 50% seria pago direto para o proprietário no local. O preço não foi tão barato, paguei 130€/dia, mas em um hotel do mesmo nível com certeza ficaria bem mais caro. Eles fazem o bloqueio de um caução no cartão de crédito contra danos causados no apartamento no valor de 200€, porém o valor é devolvido ao final da estadia se não tiver acontecido nada de errado.

Eles pedem pra avisar com antecedência o horário de chegada, pois como se trata de apartamento não há recepção – essa é feita por um dos donos e pelo menos comigo foram bastante pontuais. Fui atendida pela Nicole, uma francesa casada com um espanhol, que fala três idiomas: francês, inglês e espanhol. Mas por e-mail bem provável que quem lhe atenda seja o Charlie, irmão dela.

Logo ao chegar no aeroporto enviei uma mensagem por whatsapp pra avisar que havia chegado, e quando cheguei em frente ao apartamento enviei outra mensagem e abriram pra mim.

O apartamento que eu fiquei tinha capacidade para 4 pessoas – sendo duas em uma cama de casal e outras duas num sofá-cama extremamente confortável. Inclusive a cama também…

Apartments du Louvre

Apartments du Louvre

As toalhas, lençóis e edredons eram super limpos. Quarto com cara de novo, super moderno. O aquecedor também funcionou bem e  o banheiro parecia ter sido reformado há muito pouco tempo, pois era todo moderninho.

Apartments du Louvre

Apartments du Louvre

Apartments du Louvre

Apartments du Louvre

Se quisesse economizar, daria pra cozinhar em casa pois a cozinha era muito bem equipada com forno micro-ondas, fogão, frigobar e utensílios de cozinha. Eu não cozinhei no local, apenas tomei café da manhã.

IMG_2138

Mamãe 🙂

Aos que viajam por muito tempo, o local tem também uma lavadora de roupa e varal para pendurar. Se quiser passar, tem ferro de passar e tábua. Sei que ninguém pensa nisso quando sai de férias, mas é um mal necessário né?

Se quiser ficar mais à vontade e pagar uma faxineira também é possível mediante pagamento de taxa extra (eu não paguei).

O apartamento é realmente muito completo e bem equipado e com certeza não faltará nada para a estadia. Adorei esse local pela proximidade com os pontos turísticos, atendimento dos proprietários e pela qualidade do apartamento. Quando eu voltar a Paris, seguramente ficarei de novo lá.

E vocês? Já se hospedaram em apartamento em Paris?

  • Endereço: 45 Rue de l’Arbre Sec 75001 Paris – France
  • Contato: contact@apartmentsdulouvre.com

Beijos!

Onde comer em Paris?

Comer em Paris não é uma coisa de outro mundo, nesse post vou mostrar pra vocês que não é preciso nadar no dinheiro pra comer bem 🙂 .

Quem me conhece sabe que sou apaixonada viciada por pães e tudo que se relaciona. Talvez seja até um pouco mais crítica e exigente que a média. Pão pra mim tem que ser quentinho, casquinha crocante, nem queimado nem tão branquelo, e com miolo macio, please! Talvez isso tenha sido herdado pelo fato de que praticamente cresci por dentro de padaria (pra quem não sabe, minha mãe era dona de algumas padarias, meu tio e meu avô também!). Pra quem reclama coisas do tipo “ah, tem tanta coisa pra fazer em Paris e você vai visitar padarias?” sim, isso pra mim foi fundamental, pois não é todo dia que meu doce paladar tem essa oportunidade, né? 🙂

Onde comer em Paris – as duas que mais gostei…

  • Le Grenier a Pain: Fundada pelo especialista Michel Galloyer, professor da France’s Ecole Nationale Superieure de la Patisserie, consultor na Escola Profissional de Doces em Tokyo, Membro da Relais Dessert International Association e membro pleno da Academia de Culinária da França. Com um currículo desse, não espere comer qualquer coisa por lá.  Diferente das padarias do Brasil, as boulangeries parisienses são espaços minúsculos que fazem fila na calçada e não tem onde sentar (nem tudo é perfeito né?). Essa boulangerie em especial foi a que eu mais gostei. Tomamos café da manhã lá uma vez, e eu sinceramente nunca comi melhor croissant na minha vida, assim como outros pães especiais, tudo que comi estava perfeito, até o preço: 8,35EUR O CASAL pra comer bastante. Essa boulangerie inclusive já ganhou prêmio de melhor baguete da cidade e outros, tarefa bem difícil devido a quantidade de boulangerie que a cidade tem. Endereço: 38 Rue des Abbesses, 75018 Paris. Metrô: Abbsses. Dica: Aproveite pra conhecer a boulangerie quando for visitar a Basilique du Sacré Coeur de Montmartre, pois é tranquilo de ir andando até lá. Apesar de ter outras unidades dessa boulangerie na cidade, a mais “famosa”é essa aí.
Frente da boulangerie

Frente da boulangerie (foto do Tripadvisor)

  • Pascal Robin: Também foi outro lugar escolhido pra tomar café. Era um pouco longe do hotel, mas valeu muito a pena. Nesse lugar foi o melhor croque monsieur que já comi. Ah, os croissants e as tortas também são divinas. O lugar é bem pequeno, tem que comprar e levar. No meu caso comprei, comi lá na frente, entrei pra comprar e comer de novo e aí sim fui embora…hahaha. Endereço: 106, Boulevard Jourdan 75014, Montparnasse. Metrô: Porte D’Orleans. Preço? 7,60EUR o casal (essa padaria além de maravilhosa, achei super barata! Queria levar tudo!)

Pra almoçar ou jantar

  • Pizza Pino: Depois de um dia de muita caminhada, nada como acabar o dia jantando na Champs Élysées. O local escolhido, por acaso, foi esse. Fomos “no escuro”, pois não tínhamos lido sobre o local e não sabíamos se era bom ou muito caro. O atendimento foi MUITO bom,  ficamos no andar superior, com vista pra badalada Champs, tomamos um bom vinho e fomos muito bem atendidos por um garçom português, que ia a todo momento nos perguntar se estava tudo bem. Não comemos pizza, optamos por jantar pois a fome era muita. Jantamos (um prato pra cada), bebemos vinho e dividimos uma sobremesa. Preço? 39,10EUR+15% de gorjeta. A gorjeta em Paris não é obrigatória, porém fomos tão bem atendidos que seria até sacanagem não pagar uma boa gorjeta. Endereço: 31-33 Avenue des Champs-Élysées, 75008 Paris.
  • Le Relais de l’Entrecôte: Pra quem não sabe, a carne em Paris é muito boa, e nada como escolher esse restaurante pra jantar. Já fui num semelhante em São Paulo, do chef francês Olivier Anquier, que também é excelente. Porém, esse além de ser bom tem um conforto maior e atendimento melhor ainda, sem contar que tem um gostinho especial por comer o legítimo entrecôte parisiense, né?. As garçonetes falam inglês perfeitamente, o que facilitou a nossa vida. O restaurante oferece um único prato no menu, que nada mais é que um entrecôte com batata frita e um molho especial, feito com mostarda Dijon divino. Os pratos são bem servidos, saímos muito satisfeitos do local, tanto pela qualidade da comida, ambiente e atendimento. Além de comer, bebemos vinho e comemos uma sobremesa, que dividi com meu marido. Preço? 64,50EUR+15% de gorjeta, também merecido. Endereço: 101, Boulevard du Montparnasse, Paris.
Olha a fila pra entrar...

Le Relais de l’Entrecôte: Olha a fila pra entrar…

Pra fazer um lanche rápido e barato recomendo o Quick, que é uma rede de fast food francesa. Basicamente como nossos queridinhos e conhecidos Bob’s e Mc Donald’s, porém, com um toque francês. Comi em um que tem ao lado do Moulin Rouge, como já tinha vendido os rins pra pagar o ingresso de lá, não ia jantar lá também né? Aí optei pelo Quick. Comi algum combo desses que estamos acostumados e achei bem melhor que os do Mc Donald’s. Preço: 7,95EUR. Endereço: Tem vários espalhados pela cidade.

Gostei muito também do Paul Boulangerie e Pâtisserie, lá tem uns macarons muito bons e o atendimento é super rápido. Apesar de ter lugar pra sentar, em todos que eu fui comprei e levei. Dica: Macaron grande de pistache. Preço? Nunca gastamos mais que 8EUR lá (casal). Endereço: Também tem vários espalhados pela cidade, inclusive no aeroporto.

E claro, não poderia deixar de falar da queridinha dos turistas e residentes: Ladurée. Fomos na primeira loja inaugurada, a mais clássica de todas. O macaron de lá é conhecido por ser o melhor do mundo, cá entre nós, realmente a fama é merecida. O macaron derrete na boca! Totalmente diferente dos que já comi no Brasil. A fila era grande, mas a recompensa foi boa demais. Nem achei cara pra falar a verdade, devido à qualidade que tem. E os doces, gente? Uma fofura!!! Endereço: 16, Rue Royale, 75008, Paris. Preço? Não gastamos mais de 10EUR pra comer uns 6 macarons.

Infelizmente esses não são nem a metade dos lugares que comemos, porém, não me recordo o nome dos outros 🙁 Lembro que comi a melhor batata frita de todos os tempos num restaurante perto da Galerias Lafayette e não sei o nome do local! 🙁 Tem também um restaurante egípcio bem legalzinho e barato, perto do Jardim de Luxemburgo que adivinha?? Não lembro o nome também 🙁

Me perdoem!

Posts que possam interessar: Moulin Rouge – eu fui!, O que fazer em Paris?

Moulin Rouge – eu fui e recomendo!

Bem, eu já tinha uma certa vontade de ir nesse lugar, pois assisti o filme Moulin Rouge (2001, com Nicole Kidman e Ewan McGregor) e me encantei. Pra quem não sabe, a casa é um famoso cabaret parisiense que abriu as portas em 1889, e nos remete à boemia parisiense do período da Belle Époque. Se não me engano, tem espetáculo todos os dias. Porém, aconselho que comprem o ingresso pela internet pois fui numa segunda-feira, em período de baixa temporada, e ainda assim estava lotado!

Qualidade de imagem ruim, pois o ambiente tem iluminação bem reduzida

Qualidade de imagem ruim, pois o ambiente tem iluminação bem reduzida

A entrada...

Entrando no Moulin Rouge 🙂

Selfie com o maridão

Moulin Rouge: Selfie com o maridão

Dicas para o Moulin Rouge:

Número 1: Cheguem um pouco cedo, os assentos não são enumerados e se chegarem em cima da hora vão colocá-los no pior lugar. Como eu fui cedo, sentei colada no palco, o que me possibilitou ver melhor o espetáculo (ainda que meu marido tenha olhado mais de perto ainda os seios das dançarinas que ficam no palco).

Número 2: Bem, pra quem tem muito piti ciúme e não aguenta a ideia do seu namorado/marido olhar o peito de outra mulher mesmo que seja num espetáculo, lá com certeza não é o seu lugar. As dançarinas ficam de seios expostos a maior parte do tempo (e elas não são feias!).

Número 3: Se você é o tipo de turista que tem muito dinheiro sobrando, o espetáculo dá a você a opção de ingressos com jantar, sem jantar ou com champagne/drinks (meia garrafa). O preço de todos é salgadíssimo: o mais barato é 99 euros (só entrada no espetáculo), e o mais caro 210 euros (jantar) (pasmem). É melhor não converter nem o mais barato…

Número 4: Não ouse tirar fotos do espetáculo, é explicitamente proibido.

Como chegar no Moulin Rouge? Bem, eu estava hospedada um pouco perto do Moulin Rouge e dei uma caminhada pra chegar lá, mas você tem a opção de ir de táxi ou metrô (a estação Blanche fica bem na frente). Só fique atento ao horário, pois o último espetáculo acaba mais de 1h da manhã, esse horário o metrô já está fechado. Também fui embora caminhando, pois não é sempre que podemos nos dar esse luxo de caminhar tranquilamente pela rua de madrugada, né? Outro agravante é que só fui caminhando porque não estava sozinha, estava com o meu marido.

E no final das contas, valeu a pena? A resposta é SIM! Eu adorei o atendimento da casa, o espetáculo, tudo… é o tipo de programação noturna imperdível quando se está em Paris. Recomendadíssimo!!! Só não vou contar os detalhes do show pra não estragar a surpresa de vocês, né?

Espero que eu tenha esclarecido algumas dúvidas e ajudado vocês!

Beijo!!!

Continue lendoOnde comer em Paris, O que fazer em Paris, Onde se hospedar em Paris

O que fazer em Paris?

Sempre tive muita vontade de conhecer Paris. Lembro ano passado quando estávamos procurando destinos pra lua de mel ficamos em dúvida entre ir pros EUA ou pra França, EUA acabou levando, mas confesso que fiquei bastante tentada… graças a Deus tivemos a oportunidade de em menos de um ano poder ir para os dois lugares 🙂 . Porém, entre tantas atrações que a cidade luz oferece, chegava a hora de decidir: o que fazer em Paris?

Paris é tudo que sempre imaginei e mais um pouco, é o lugar que todos deveriam ir ao menos uma vez na vida. E tudo aquilo que falam dos franceses – que não gostam de falar inglês, que não gostam de turistas e que são grossos – não se aplicou conosco. Vou falar um pouquinho sobre o que fazer em Paris, nossa hospedagem, preços das atrações e sobre o transfer do Aeroporto Beauvais, que é o que eu cheguei.

Como chegar em Paris partindo do aeroporto Beauvais

Pra quem não sabe, o Aeroporto Beauvais é o atendido pela Ryanair, uma cia low-cost bem conhecida por quem viaja pela Europa e fica localizado a aproximadamente 70km ao norte de Paris. Quando comprei minha passagem – no impulso – nem me liguei de ver que aeroporto era aquele e tampouco em como chegar no centro. Porém, foi bem mais simples do que parece. Logo no salão principal (onde pegamos as malas) tem uma máquina de auto-atendimento em que podemos comprar o bilhete do ônibus que nos leva até Porte Maillot (estacionamento Pershing/linha 1 do metrô) em 1h30. Mas pra quem chega em Paris sem cartão de crédito/débito, pode comprar a passagem em dinheiro em espécie direto no balcão da empresa de transfer, que pode ser avistada desde a máquina de autoatendimento. Para ver o horário de saída do ônibus, clique aquiPreço? 13€ cada trajeto e viagem super tranquila.

Hospedagem

Fizemos a escolha do hotel considerando que íamos passar o dia inteiro na rua e precisaríamos apenas de uma boa cama pra recuperar as energias pro dia seguinte e de um bom preço, já que Paris é uma cidade super cara. Escolhemos o Hotel Antin Saint Georges Paris, que ficava MUITO próximo da Estação Saint Georges (linha 2). Como era baixa temporada conseguimos um preço bom, 75EUR/diária sem café da manhã (isso é bem barato considerando que era hotel e não hostel), fizemos a reserva um mês antes da viagem através do site hoteis.com. Particularmente, a não ser que você fique hospedado num hotel luxuoso, é perda de tempo tomar café no hotel, Paris tem milhares de boulangeries premiadas e tomar café da manhã em uma delas é começar o dia com um bom passeio.

Pontos fortes do hotel:

  • Preço bom;
  • Atendimento excelente;
  • COLADO no metrô (e quando digo que é colado, é porque é colado MESMO!);
  • Próximo do Moulin Rouge e do maravilhoso bairro de Montmartre;
  • Camas confortáveis.

Pontos fracos do hotel:

  • Detestei o banheiro, era feio e tinha aparência de sujo. Como sou meio neurótica com essas coisas, não voltaria a me hospedar lá.
  • Não tem refrigeração (ruim pra quem vai no verão!).

O que fazer em Paris

Passamos 5 dias em Paris, e acho que mesmo quem mora em Paris não consegue conhecer tudo. A cidade tem muitas opções e atrações clássicas. Nós optamos fazer um tour pelas clássicas:

  • Torre Eiffel: Comprar o ingresso na hora não é uma boa ideia. Perdemos 1h na fila pra poder comprar o ingresso até o topo e subir de elevador. Pagamos 15€ pelo ingresso. Se puderem, comprem o ingresso antecipadamente pelo site. Quando fui comprar já não tinha mais, acredito que uns 3 meses de antecedência está ótimo. Fomos no fim da tarde pra poder ver a cidade de dia e esperamos o cair da noite para poder ver a cidade luz iluminada, claro. Abaixo uma foto da vista de dia e outra do cair da noite (nem se compara, né?)
Alguém ainda tem dúvida sobre o que fazer em Paris?

Alguém ainda tem dúvida sobre o que fazer em Paris?

Vista de tarde

Vista de tarde

Vista ao anoitecer (incomparável, né?)

Vista ao anoitecer (incomparável, né?)

Compramos o Paris Museum Pass quando ainda estávamos em Madrid e pagamos 42€/cada por 2 dias de uso. É bem corrido, mas dá pra usar. Para saber mais sobre o Paris Museum Pass, clique aqui. Eu recomendo muito a compra, pois não precisa mofar na fila pra comprar os ingressos. Com ele visitamos:

  • Museu do Louvre: Separe pelo menos umas 4h pra visitar o Louvre, o museu é gigantesco e dois dias inteiros não seriam suficientes pra apreciar todo o acervo, mas como não somos especialistas em arte 4h foi suficiente. Começamos a visita do último andar pro primeiro, pra fugir da multidão que estava chegando (fomos logo ao abrir o museu!).
  • Catedral de Notre Dame:Pra entrar na catedral não paga nada, porém pra subir nas torres paga e é aí que usamos o Paris Museum Pass. A fila para as torres estava muito grande, porém valeu a pena a espera. Ver Paris de todos os ângulos é sempre uma diversão! Ah, grávidas e pessoas que não gostam de subir escadas, não vão! A subida é enorme e os degraus são tão inesquecíveis quanto ver de perto Victor, Hugo, e Laverne, do filme O Corcunda de Notre Dame.
  • Chateau de Versailles, Jardim de Versailles e Gran Trianon: Fomos de trem e achei a chegada lá bem tranquila, logo que saímos da estação de trem tinham pessoas guiando os turistas pra “como chegar no Palácio”. Chegamos um pouco depois de abrir e não tinha fila nenhuma pra entrar. Porém, acho que foi sorte, pois menos de 1 mês depois uma amiga minha foi e mofou na fila. O Palácio é lindo, como já podemos imaginar. Repleto de luxo, história e mistérios. Caminhamos pelo jardim, que é tão lindo quanto, e fomos até o Gran e Petit Trianon – particularmente a caminhada é dura, se não estiver muito a fim de caminhar, não vá. Pra quem tem pouco tempo recomendo mais o Palácio e os Jardins, que são belíssimos. Pra quem tem um dinheirinho sobrando ou não está a fim de andar, tem um carrinho elétrico que leva as pessoas até o Gran e Petit Trianon, porém custa uns 7€ por pessoa só a ida.
  • Arco do Triunfo: É um monumento construído em comemoração às vitórias militares de Napoleão Bonaparte, o qual ordenou a sua construção em 1806. Também é um passeio pra quem não tem medo de escadas e não está de salto alto. Subimos as escadas e eu já estava muito cansada, nem passei muito tempo lá. Mas a vista é bem bonita, de lá podemos ver a Champs Élysées iluminada. Jantamos na Champs Élysées e fomos perder as calorias lá… (para ver as nossas escolhas de boulangeries e restaurantes, clique aqui).
  • Museu D’Orsay: Esse museu, que funciona numa antiga estação de trem, fica às margens do Rio Sena. Quando fui, TAMBÉM tinha uma fila gigantesca, mas não pra quem tinha o Paris Museum Pass 😀 . O museu abriga obras de arte de artistas como Manet, Monet e Van Gogh (além da fila pra entrar, também tem outra fila dentro do local pra ver as obras de Van Gogh, porém, não deixe de ir!).
  • Panthéon: Por fora é lindo e por dentro é mais belo ainda.  Lá estão sepultados figuras e personalidades da história da França e do mundo, entre os quais, Rousseau e Voltaire.

Outras atrações que fomos, porém sem o Paris Museum Pass:

  • Jardins de Luxemburgo: É o maior parque público de Paris e  jardim do Senado francês, localizado no Palácio de Luxemburgo, dentro do próprio parque. Vá numa tarde ensolarada de primavera, faça um piquenique como os parisienses ou leia um livro sentado na grama. É um passeio pra ir sem pressa e com uma boa companhia 🙂 Ah, a entrada é gratuita (êêêê).
  • Cruzeiro no Bateaux-Mouches: Compramos as entradas antecipadamente e fomos no final da tarde, pra ver Paris tanto de dia (quando começa o passeio) quanto de noite, quando termina. Eu gostei muito desse passeio, tirando as pessoas sem noção que prezam mais por ver o local através da câmera fotográfica do que com os olhos (algumas pessoas ficavam na frente com seus celulares e câmeras atrapalhando a vista). Porém, tirando esse inconveniente, o passeio é muito bom. De lá podemos ver a Torre Eiffel, Catedral de Notre Dame, Museu D’Orsay, porém tudo de outro ângulo. É um clima bem agradável e gostoso. Recomendo que vá BEM agasalhado, pois bate muito vento. No dia que fomos tava 4ºC e nem preciso dizer que congelamos né? Duração: Aproximadamente 1h30. Preço? 12,50€/por pessoa.
torre eiffel 4

Foto tirada do cruzeiro, precisa de mais descrição?

  • Moulin Rouge: Eu não poderia ir a Paris e não ir assistir um espetáculo do Moulin Rouge. Comprei o ingresso antecipadamente pela internet e foi 102€/por pessoa o olho da cara!. Como eu queria muito ir, resolvi encarar. Para saber um pouquinho mais sobre essa experiência escrevi um post bem detalhado sobre ele, para ler clique aqui. Para comprar direto pelo site do Moulin Rouge, clique aqui.
  • Galeries Lafayette: É um shopping SUPER luxuoso, que reúne as melhores grifes e tudo aquilo que pobres mortais não podem comprar hahaha. Tipo, relógios de 100.000€, jóias de 80.000€, etc. Porém, é um lugar muito bonito de ver, cheio de luxo e tradição. Dica: Vá até o último andar apreciar um pouquinho da vista que o terraço oferece, foi de lá que eu vi pela primeira vez a Torre Eiffel, é muito amor! Endereço: 40 Boulevard Haussmann, 75009, Paris.
Galeries Lafayette,

Lindo é pouco, né?

  • La Basilique du Sacré Coeur de Montmartre: Localizada no alto do morro do boêmio bairro de Montmartre, a basílica é mais um dos pontos turísticos imperdíveis da capital. Simplesmente LINDA e enorme por fora e bonita por dentro, vale muito a visita (é proibido tirar foto lá dentro!). Em frente à igreja tem um mirante que podemos apreciar a vista da cidade. O bairro de Montmartre é encantador, muitas sorveterias, restaurantes, lojinhas de souvenirs e principalmente cheio de artistas pintando quadros e fazendo nossos olhinhos brilharem com tanta beleza. Ninguém menos que Van Gogh morou por lá, além de Picasso e Renoir que tinham seus ateliês lá. O bairro abrigava muitos artistas, cabarés, bares e prostituição na belle époque. Amei esse bairro e quando voltar a Paris quero conhecer o Espaço Dali, que acabei não indo. 🙁

Paris não é uma cidade nada barata de ser visitada, mas com planejamento dá pra economizar uns eurinhos – PRINCIPALMENTE se comprar o Paris Museum Pass. Até hoje, a cidade que mais gastei na Europa foi a cidade luz, em média 206,00€ por dia/casal (fora hospedagem). Porém, vale lembrar que fomos no Moulin Rouge, que é uma atração carinha.

E vocês? Quais passeios fizeram?

Beijos!

Posts que possam interessar: Onde comer em Paris?Moulin Rouge – eu fui!